Sínodo: ''Para que ninguém se sinta excluído.'' Entrevista com Bruno Forte

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • O cálculo político de Ciro Gomes

    LER MAIS
  • Tomar a Bíblia ao pé da letra

    LER MAIS
  • A riqueza dos mais ricos cresce um trilhão durante a covid. O ranking dos patrimônios

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


25 Junho 2015

O instrumento de trabalho para o Sínodo afirma um princípio que, para um cristão, deveria ser óbvio e basilar: o respeito a cada pessoa humana e o compromisso da Igreja para oferecer acompanhamento a todos, em vista da maior integração possível, na verdade e com caridade.

A opinião é de Dom Bruno Forte, arcebispo de Chieti-Vasto e secretário especial do Sínodo, em entrevista a Paolo Rodari, publicada no jornal La Repubblica, 24-06-2015. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Eis a entrevista.

Fala-se de um Sínodo que se abre aos gays, casais de fato e divorciados em segunda união. É isso?

Tal leitura é falsificante: o Sínodo quer anunciar o valor e a beleza da família em um mundo que – apesar do desejo de família que se percebe particularmente entre os jovens – conhece uma crise generalizada dessa instituição. A família é entendida pelo texto de preparação ao Sínodo no seu significado de sociedade natural fundada sobre o matrimônio, que também é afirmado na Constituição italiana no artigo 29, e, portanto, como uma união estável e fecunda de um homem e de uma mulher.

Essa união, que no sacramento nupcial é consagrada e abençoada pelo Senhor, é preciosa como escola de humanidade, de socialidade, de experiência eclesial e de vida de fé. Sobre as situações que você menciona, o instrumento de trabalho para o Sínodo, recém-publicado, afirma um princípio que, para um cristão, deveria ser óbvio e basilar: o respeito a cada pessoa humana e o compromisso da Igreja para oferecer acompanhamento a todos, em vista da maior integração possível, na verdade e com caridade.

Você acredita que, em todo o caso, se possa chegar a conceder a comunhão aos divorciados em segunda união?

Parece-me que a pergunta assim feita corre o risco de se equivocar sobre as intenções do Sínodo: o desejo é de que essas pessoas sejam respeitadas e acompanhadas com o máximo cuidado e possam ser integradas mediante uma participação responsável e leal na vida da comunidade cristã, sem, no entanto, atacar a mensagem fundamental do valor da instituição familiar e da plena comunhão eclesial.

Qual é, a seu ver, o coração do documento, quais são os seus pontos mais importantes?

Evangelho da família, acompanhamento pastoral para todos e integração: estes me parecem ser os conceitos-chave, que não estão em contraposição entre si. Acima de tudo, predomina a intenção de expressar através do agir da Igreja o rosto da misericórdia com que Deus ama a todos, sem excluir ninguém.

Francisco já se pronunciou nesse trabalho ou não? Quais foram, se houve, as suas indicações?

O trabalho sinodal se move em plena sintonia com o papa, que, além de ter presidido a assembleia extraordinária do Sínodo de outubro passado, também presidiu os conselhos em que foi elaborado o documento preparatório, que é justamente o Instrumentum laboris.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Sínodo: ''Para que ninguém se sinta excluído.'' Entrevista com Bruno Forte - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV