Cientistas aposentados da Nasa criticam papa pelas suas preocupações climáticas

Revista ihu on-line

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Mais Lidos

  • Uma escolha crucial: como a Igreja seleciona seus bispos?

    LER MAIS
  • Padres despedaçados. Artigo de Pietro Parolin

    LER MAIS
  • Os três passos dos homens

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


11 Junho 2015

Com a encíclica papal sobre as mudanças climáticas prevista para o dia 18 de junho, pode-se esperar que a mídia liberal irá retratar o documento vaticano como um grande passo para a agenda das Nações Unidas de controle e de tributação do uso dos recursos naturais por parte dos governos e dos povos. Mas um grupo de cientistas aposentados da Nasa está criticando o papa diretamente, armados com uma experiência de décadas de planejamento de missões espaciais estadunidenses e de gestão das mais complexas e difíceis questões das ciências climáticas. O veredito deles: o papa está pondo em risco o seu status moral e a sua credibilidade.

A reportagem é de Cliff Kincaid, publicada no sítio RenewAmerica, 08-06-2015. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

De fato, esse grupo está alertando diretamente o Papa Francisco que, se ele abraçar a agenda climática das Nações Unidas, ele estará violando tanto os princípios científicos quanto os valores religiosos que ele encarna e que deveriam se refletir na ajuda direta aos pobres da Terra.

Mas, aparentemente, o papa está contando com o seu status como "a pessoa mais popular da Terra", nas palavras de Dan Misleh, diretor-executivo da organização Catholic Climate Covenant, para defender o ponto "moral" de que vivemos em "um planeta abundante embora finito" e de que os limites globais ao crescimento industrial devem ser impostos em nível mundial.

A batalha que agora ganha forma provavelmente vai ajudar a determinar se a soberania dos EUA serão sacrificadas a fim de possibilitar um sistema de "governança global" ou de governo mundial.

Em uma decisão controversa que poderia sair pela culatra, o deputado republicano John Boehner (Ohio) convidou o Papa Francisco para proferir um discurso ao Congresso dos EUA em setembro, uma oportunidade que ele poderia usar para empurrar as semelhantes agendas das mudanças climáticas tanto do Vaticano quanto do governo Obama.

O fato de que uma equipe de pesquisa composta principalmente de cientistas e engenheiros da Nasa aposentados tenha entrado no debate é algo relativamente novo e particularmente notável. Esses indivíduos têm muita experiência na área das mudanças climáticas, como resultado do envio de astronautas para a atmosfera e para o espaço e de trazê-los de volta para a Terra.

Os membros do grupo – o Right Climate Stuff Research Team – são veteranos do programa Apollo da Nasa, que pousou astronautas na Lua e trouxe-os de volta com segurança, durante a década de 1960, de acordo com a introdução da sua carta ao papa. Eles têm um site que divulga o seu ponto de vista de que não há provas convincentes de que o planeta esteja em uma "crise climática".

Esses cientistas aposentados sugerem que o papa está cometendo um grande erro ao usar modelos de computador não confiáveis ou não testadas, que predizem um "desastre climático". Eles afirmam: "As nossas políticas estritas da Nasa, com base em conceitos do senso comum do método científico, treinaram-nos para ignorar projeções de modelos não validados para o projeto crítico ou para decisões operacionais que envolvam a segurança humana e, ao contrário, treinaram-nos para basear tais decisões em dados físicos disponíveis".

O porta-voz deles é Harold H. Doiron, que atua como presidente do Right Climate Stuff Research Team. Ele diz ao pontífice em uma carta que "não há nenhuma razão científica ou humanitária convincente para a promulgação imediata de controles de emissão de CO2 em nível mundial, como a ONU está pedindo-lhe para recomendar...".

Além disso, Doiron e os seus colegas argumentam que os pobres no mundo em desenvolvimento "precisam ter livre acesso a fontes de energia de combustível fóssil relativamente baratas para melhorar a sua qualidade de vida", e, se níveis mais elevados de CO2 atmosférico de fato ocorrem, eles não vão prejudicar o desenvolvimento das nações pobres, mas sim resultar em "um aumento da produção de alimentos", que irá beneficiá-los.

Rejeitando a ideia do CO2 como um poluente que deve ser regulamentado, eles dizem: "Nós sabemos que o CO2 é um gás incolor, inodoro e não poluente gás muito especial, projetado pelo nosso Criador para ser um composto químico essencial para sustentar toda planta, animal e vida humana".

Doiron fez uma apresentação em Roma no dia 28 de abril como parte de um evento do Instituto Heartland organizado para alertar o Vaticano contra a corrida para abraçar a agenda das mudanças climáticas da ONU. Ele incluiu uma apresentação de slides intitulada "Uma avaliação independente e objetiva da questão do aquecimento global causado pelo homem" [disponível aqui, em inglês], que se refere à agenda da ONU como "alarmismo climático" baseado em modelos falhos, e não em dados reais.

Ele irá falar esta semana em Washington, na 10º Conferência Internacional sobre Mudanças Climáticas.

Na sua apresentação em Roma, Doiron disse ser membro de uma paróquia católica no Texas, onde os paroquianos estavam "rezando para que o Papa Francisco tenha discernimento ao olhar para essa controvérsia do aquecimento global".

No programa Fox News Sunday, o candidato republicano à presidência Rick Santorum, um católico praticante, disse que "há problemas mais urgentes na Terra" para que o pontífice resolva em vez das mudanças climáticas.

Ignorando as preocupações dos católicos conservadores de que a Igreja deveria se concentrar em questões morais, o jornal New York Times publicou uma reportagem, intitulada "Papa Francisco intensifica campanha sobre as mudanças climáticas, para o alerta dos conservadores" [disponível aqui, em inglês], em que relata que a encíclica papal "será acompanhada por um campanha de 12 semanas, que está sendo preparada agora com a participação de alguns bispos católicos, para levantar a questão das mudanças climáticas e da proteção ambiental em sermões, homilias, entrevistas nas mídias e cartas a editores de jornais...".

A fonte dessa afirmação foi Dan Misleh, que foi convidado ao Vaticano para ajudar a coordenar a campanha. Anteriormente, ele já dirigiu os esforços educativos e de assistência do do Departamento de Justiça, Paz e Desenvolvimento Humano da Conferência Episcopal dos EUA.

O seu grupo se tornou parte agora do Global Catholic Climate Movement, cujo site mostra pessoas pobres que caminham por regiões inundadas, em meio a furacões e chaminés, enquanto os visitantes do site são convidados a "mudar o nosso percurso", a rezar e, assim, a agir.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Cientistas aposentados da Nasa criticam papa pelas suas preocupações climáticas - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV