Ausência de políticos é sentida em atos em outras capitais

Revista ihu on-line

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Mais Lidos

  • Aos 15 anos da morte do filósofo francês Jacques Derrida, o último subversivo

    LER MAIS
  • Como a ciência defende a floresta. Entrevista com Carlos Afonso Nobre

    LER MAIS
  • Santa Irmã Dulce, a ''Madre Teresa brasileira''. Bolsonaro ausente

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

13 Abril 2015

Os manifestantes que foram às ruas ontem protestar contra o governo da presidente Dilma Rousseff (PT) sentiram a ausência de políticos da oposição em capitais como Belo Horizonte, Rio, Porto Alegre e Curitiba. A exceção foi Recife, que contou com lideranças do PSDB, DEM, PMDB, Solidariedade e PPS. Em Minas Gerais, a falta mais sentida foi de Aécio Neves (PSDB), o que frustrou lideranças tucanas do Estado.

A reportagem é de Marcos de Moura e Souza, Marina Falcão, André Ramalho, Fábio Pupo e Sergio Ruck Bueno, publicada pelo jornal Valor, 13-04-2015.

Em nota, Aécio disse que seu partido apoia os manifestantes que foram às ruas pelo país, sem fazer, porém, menção aos pedidos de impeachment presentes nos atos. Aécio ficou em casa, em Belo Horizonte, com a família.

"O PSDB se solidariza com os milhares de brasileiros que voltaram às ruas e ocuparam as redes sociais neste domingo para, mais uma vez, legitimamente, manifestar seu repúdio e indignação contra à corrupção sistêmica que envergonha o país e cobrar saídas para o agravamento da crise econômica", escreveu o senador.

Deputados tucanos defenderam que Aécio se juntasse ao protesto alegando que essa era uma demanda que eles têm ouvido de suas bases eleitorais. Mas a avaliação de Aécio, segundo interlocutores, foi que estar entre os manifestantes daria força ao argumento do PT e do governo de que os protestos são partidarizados pela oposição.

Marcado para as 10 horas, o ato já estava com clima de fim de jogo por volta do meio-dia. Reuniu cerca de 6 mil pessoas na Praça da Liberdade, região centro-sul de Belo Horizonte, segundo a Polícia Militar, quatro vezes menos que a contagem oficial de 15 de março. Um representante dos organizadores estimou em 20 mil o número de manifestantes.

Com pincel e tinta na mão, o empresário Roberto Ferreira, de 64 anos, pintava faixas verde e amarela no rosto dos participantes, mas parecia desapontado. "A gente está sentindo falta da meninada. Mas a meninada está descrente da política. Aqui 80% tem mais de 40 anos. E o problema também é que falta hoje a classe trabalhadora. Essa aqui ainda é uma manifestação da elite".

No Recife, o protesto percorreu a Avenida Boa Viagem, área nobre da cidade. Reuniu cerca de 40 mil pessoas, segundo organizadores do movimento Vem prarua. A Polícia Militar não divulgou estimativa oficial. Os deputados federais Jarbas Vasconcelos (PMDB), Raul Jungman (PPS), Daniel Coelho (PSDB), Bruno Araújo (PSDB), Mendonça Filho (DEM) e Augusto Coutinho (SD) caminharam ao lado dos manifestantes. Nenhum deles discursou nos três trios elétricos.

Coutinho avaliou que o curto intervalo entre os protestos justificou o menor número de pessoas nas ruas. "Perde o impacto. Obviamente, a manifestação não é suficiente para um impeachment. Mas acredito que é importante porque pressiona os poderes, principalmente o Judiciário".

Mendonça Filho, líder do DEM na Câmara, acredita que o governo teve um postura "muito arrogante" em relação a primeira manifestação e que o ato de ontem deve ajudar a direcionar o país para uma agenda positiva. "É sinal de apoio às investigações, ao Ministério Público e à CPI. É importante aprofundar as investigações porque já ficou claro que é a corrupção é um problema sistêmico", comentou.

Dois protestos pró-impeachment da presidente Dilma marcaram o dia de manifestações no Rio.

O primeiro começou no fim da amanhã e o outro foi marcado para as 14 horas. A falta de alinhamento entre os horários, porém, dispensou manifestantes, que caminharam pela orla da Praia de Copacabana. A Polícia Militar não divulgou estimativas.

No carro de som que abriu a passeata, o humorista Marcelo Madureira puxou gritos de "Fora PT, fora Dilma, Lula na cadeia". Ao fim da manhã, houve uma pequena confusão quando um homem vestido de vermelho protestou contra o ato e teve de ser escoltado por policiais. A manifestação, contudo, seguiu pacífica.

Em Curitiba, a Polícia Militar calculou 8 mil pessoas na Praça Santos Andrade, em comparação a cerca de 80 mil em 15 de março. Como no protesto anterior, um grupo de empresários colaborou com o dinheiro para as despesas.

Pelos cálculos da Brigada Militar, a adesão em Porto Alegre correspondeu a um terço do ato de 15 de março. Segundo o comandante de policiamento da capital, tenente-coronel Mário Ikeda, o número de pessoas chegou, no auge, a 35 mil, ante as 100 mil há pouco menos de um mês.

Além de menor, a manifestação apresentou um racha entre os que defendiam o impeachment e os que pregavam uma intervenção militar.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Ausência de políticos é sentida em atos em outras capitais - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV