O papa, o conclave e a rosa branca

Revista ihu on-line

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Mais Lidos

  • Os Arautos do Evangelho não reconhecem o Comissário do Vaticano, dom Raymundo Damasceno Assis

    LER MAIS
  • Pacto das Catacumbas pela Casa Comum. Por uma Igreja com rosto amazônico, pobre e servidora, profética e samaritana

    LER MAIS
  • A ideologização da Sociologia (além de uma simples distração). Artigo de Carlos A. Gadea

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

04 Dezembro 2014

Há uma bela história – na verdade, mais histórias – sobre o Papa Francisco e Santa Teresa de Lisieux, na fronteira entre o natural e o sobrenatural, contada por Austen Ivereigh no seu livro Tempo de misericórdia, e cujo protagonista é sempre uma rosa branca.

A nota é de Marco Tosatti, publicada no blog San Pietro e Dintorni, 03-12-2014. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

O Papa Bergoglio é devoto dessa santa (na famosa maleta que levou na viagem havia, além do breviário e do diário, um livro sobre Teresa). Quando se tornou arcebispo de Buenos Aires, pôs sobre a escrivaninha, junto com imagens de São José e da Virgem, uma da santa.

Escreve Ivereigh: "Bergoglio tinha uma intensa devoção pela santa carmelita Teresa e era um íntimo das Irmãs Carmelitas de Buenos Aires, no poder de cuja oração tinha grande confiança".

Nas suas viagens para Roma, o arcebispo muitas vezes parava para rezar em uma igrejinha franciscana perto do Vaticano, chamada de "La Nunziatina", na frente da estátua de Santa Teresa.

"Quando eu tenho um problema – Ivereigh cita a biografia de Rubin e Ambrogetti –, peço à santa não para resolvê-lo, mas para tomá-lo nas mãos e me ajudar a aceitá-lo, e como sinal eu quase sempre recebo uma rosa branca."

Ivereigh conta, que uma vez, na porta da sacristia, uma mulher desconhecida havia lhe entregado três rosas brancas, depois de ter confiado um problema para a santa.

"Os seus colaboradores dizem que isso acontecia muitas vezes. Bergoglio geralmente encontrava uma rosa branca em cima da escrivaninha, que havia sido deixado na porta para ele por uma pessoa desconhecida, e dizia: 'Ah, vejo que Santa Teresita esteve aqui'".

Um dia, quando ele tinha que fazer algo de muito cansativo fisicamente, na festa de San Cayetano, e mal conseguia caminhar, em certo ponto do percurso, estava prestes a desistir, quando apareceu diante dele um homem muito alto, que segurava a mão sob a capa como Napoleão. Depois, com um movimento muito rápido, tirou a mão e ofereceu uma rosa branca para Bergoglio, que o abençoou. "Eu estava indo acompanhar Bergoglio até o carro – conta o seu colaborador – quando ele me disse: 'Não, não, você não entende? Essa é a mensagem que eu esperava. Agora tudo vai ficar bem'. Ele me deu a rosa e, naquele momento, levantei os olhos para ver o homem, mas ele tinha desaparecido'".

O cardeal acrescenta: "É a presença da Santa Teresita. Diga ao nosso motorista para esperar no campo de futebol do Vélez. Vamos conseguir".

Uma presença que, segundo Ivereigh, continuou em Santa Marta, a residência dos cardeais reunidos no conclave. No dia 12 de março de 2013, quando todos os eleitores tomaram posse dos seus quartos, o cardeal Bergoglio entrou no seu, o 207, e encontrou sobre a cama uma rosa branca. Ivereigh afirma que "Francisco falou da rosa a um amigo argentino".

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

O papa, o conclave e a rosa branca - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV