“Deixemos a discussão para os teólogos e os cristãos caminhemos todos juntos”, pede o Papa Francisco

Revista ihu on-line

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Mais Lidos

  • Os Arautos do Evangelho não reconhecem o Comissário do Vaticano, dom Raymundo Damasceno Assis

    LER MAIS
  • Pacto das Catacumbas pela Casa Comum. Por uma Igreja com rosto amazônico, pobre e servidora, profética e samaritana

    LER MAIS
  • A virada autoritária de Piñera. O fracasso de um governo incompetente e corrupto

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

Por: André | 09 Outubro 2014

Em um mundo em que as desconfianças entre as confissões cristãs são cada vez mais ridículas, o Papa Francisco convidou para “não se resignar diante desta divisão, que causou tantos conflitos ao longo da história. E inclusive guerras! Isto é uma vergonha!”

A reportagem é de Juan Vicente Boo e publicada no jornal espanhol ABC, 08-10-2014. A tradução é de André Langer.

O Santo Padre insistiu para não se acostumar com esta situação de fato, embora não seja de hoje, pois “as divisões entre cristãos ferem a Igreja, ferem a Cristo”.

Com grande energia, Francisco propôs aos 80 mil participantes da Audiência Geral para se comportarem de modo fraterno com os evangélicos, ortodoxos, anglicanos ou membros de qualquer outra confissão: “Caminhemos juntos! Ajudemo-nos uns aos outros”.

Convidando para uma mudança definitiva de atitude, o Papa comentou que “em todas as comunidades há teólogos. Deixemos que os respectivos teólogos discutam, mas nós caminhemos todos juntos, ajudando-nos uns aos outros e fazendo obras de caridade juntos. É isto que se chama ecumenismo espiritual”.

A ideia de deixar discutir à parte os teólogos não é nova. Durante o voo de retorno de Jerusalém, em 26 de maio passado, o Papa comentou com os jornalistas que o patriarca ecumênico de Constantinopla, Bartolomeu I, com quem rezou no Cenáculo, lhe havia confirmado um detalhe do primeiro encontro de seus predecessores, 50 anos antes: “Contou-me que Atenágoras disse a Paulo VI: ‘Nós caminhos juntos tranquilos, e coloquemos todos os teólogos numa ilha, e que discutam entre si. Entretanto, nós, caminhamos pela vida”.

Neste encontro com os fiéis que encheram a imensa Praça São Pedro, Francisco estava especialmente contente, e terminou revelando o motivo: “Diz-se que não se deve contar coisas pessoais (na audiência), mas eu estou muito agradecido ao Senhor porque hoje se completam 70 anos da minha primeira comunhão”. E acrescentou que além de fazer entrar em comunhão com Jesus, esse sacramento “nos introduz também na comunhão com os outros”.

Em algumas audiências gerais da primavera passada, o Papa havia convidado os fiéis para “fazer alguns ‘deveres’ quando voltarem para as suas casas: informem-se sobre a data do batismo de vocês para poderem celebrá-lo cada ano”. Embora não tenha aconselhado a fazer o mesmo com a primeira comunhão, ficou claro que ele, pessoalmente, recorda a data e a celebra.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

“Deixemos a discussão para os teólogos e os cristãos caminhemos todos juntos”, pede o Papa Francisco - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV