Francisco cria comissão para agilizar os processos de nulidade matrimonial

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Manifesto do Laicato em apoio aos bispos que subscreveram a “Carta ao Povo de Deus” com 1440 assinaturas no primeiro dia

    LER MAIS
  • Com mais de 1.500 assinaturas, Padres da Caminhada relançam mensagem de apoio à Carta ao Povo de Deus dos bispos

    LER MAIS
  • “A pandemia viral é o resultado da pandemia psicológica e espiritual”, afirma Gastón Soublette

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Por: André | 22 Setembro 2014

As portas começam a se abrir. No meio da tempestade, quando vários cardeais lançam suas diatribes contra as propostas de busca de soluções para os divorciados recasados que querem continuar na Igreja, Francisco voltou a surpreender, e a tirar um Ás das mangas: segundo informa o VIS, “o Santo Padre decidiu a criação de uma comissão especial de estudo para a reforma dos processos matrimoniais canônicos”.

A reportagem é de Jesús Bastante e publicada no sítio Religión Digital, 20-09-2014. A tradução é de André Langer.

A comissão, presidida por Pio Vito Pinto, decano do Tribunal da Rota, e da qual faz parte o jesuíta espanhol Luis Francisco Ladaria (secretário da Congregação para a Doutrina da Fé, mas não seu máximo responsável, o cardeal Müller), responde à proposta do cardeal Kasper de abrir caminhos de diálogo sobre os matrimônios desfeitos e à resposta da Igreja. E toma o partido da misericórdia, em vez do castigo.

Seu objetivo, segundo afirma o comunicado da Santa Sé, é “preparar uma proposta de reforma dos processos matrimoniais, tentando simplificar o procedimento, tornando-o mais simples e salvaguardando o princípio da indissolubilidade do matrimônio”. Toda uma declaração de intenções às vésperas do início do Sínodo da Família, que abordará esta e outras questões.

O Papa quer ter uma proposta definitiva e, sobretudo, que nenhum debate fique fechado per se. “Não há nenhuma linha vermelha: o Papa quer um debate aberto”, dizia, no sábado, o próprio cardeal Kasper em uma entrevista à revista Famiglia Cristiana. As coisas, mesmo que muitos não gostem, já estão começando a mudar.

Os membros da comissão são os seguintes:

Pio Vito Pinto, Decano do Tribunal da Rota Romana;

Card. Francesco Coccopalmerio, Presidente do Pontifício Conselho para os Textos Legislativos;

Mons. Luis Francisco Ladaria Ferrer, S.J., secretário da Congregação para a Doutrina da Fé;

Mons. Dimitrios Salachas, Exarca Apostólico para os católicos gregos de rito bizantino;

Maurice Monier, Leo Xavier Michael Arokiaraj e Alejandro W. Bunge, auditores do Tribunal da Rota;

Nikolaus Schöch, O.F.M., Promotor de Justiça substituto do Tribunal da Assinatura Apostólica;

Konštanc Miroslav Adam, O.P., Reitor da Pontifícia Universidade Santo Tomás de Aquino (Angelicum);

Pe. Jorge Horta Espinoza, O.F.M., Decano da faculdade de Direito Canônico da Pontifícia Universidade Antonianum;

Prof. Paolo Moneta, professor de Direito Canônico da Universidade de Pisa.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Francisco cria comissão para agilizar os processos de nulidade matrimonial - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV