Fundos abutres: ministro argentino critica Justiça dos EUA e mediador do caso

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • "Governo tenta intencionalmente destruir povos indígenas". Entrevista com Carlos Frederico Marés de Souza Filho

    LER MAIS
  • Bolívia. O MAS e o triunfo avassalador

    LER MAIS
  • Coluna “Rumo a Assis: na direção da Economia de Francisco”

    Realmar a economia pela comunhão dos povos

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Por: Jonas | 01 Agosto 2014

O ministro-chefe da Casa Civil da Argentina, Jorge Capitanich, disse hoje (31), em entrevista coletiva, que "houve má práxis do Poder Judiciário dos Estados Unidos" no litígio com os fundos abutres, e criticou o mediador norte-americano. Ele ainda disse que recorrerá às instâncias internacionais para discutir a sentença.

A reportagem é publicada pela Agência Brasil, 31-07-2014.

Capitanich fez referência à falta de acordo com os fundos abutres. "(...) estamos notando uma marcada incompetência do special master", se referindo ao negociador nomeado pelo juiz Thomas Griesa, Daniel Pollack, por "desconhecer questões elementares da negociação".

Capitanich reafirmou o pedido da Argentina em avançar na reabertura da reestruturação ou na aplicação de uma medida cautelar, pois "a Cláusula Rufo [que protege os credores que aceitaram a negociação inicial] poderia disparar uma multiplicidade de ações judiciárias contra a Argentina", e além disso, "a Justiça dos Estados Unidos não é confiável".

O ministro-chefe deixou claro que “a Argentina pagou, e portanto os credores devem exigir o pagamento, devem exigir do juiz os fundos depositados pela Argentina". Horas antes, o ministro da Economia argentina, Axel Kicillof, disse, em Nova York, que o governo não vai assinar nenhum compromisso prejudicial aos argentinos: “Vamos defender a reestruturação da dívida, não vamos assinar nenhum compromisso que possa comprometer o futuro dos argentinos. Vamos tomar as medidas, ações, e instrumentos de nossos contratos do direito nacional e internacional para que esta situação insólita, inédita e injusta, não se perpetue".

Kicillof acrescentou ainda que defenderá "a responsabilidade histórica", e não assinará qualquer coisa para resolver a situação criada. “Oferecemos para eles [fundos abutres] entrarem na troca de 2007 e 2010", quando, segundo ele, "nas condições de hoje obteriam um lucro de 300 por cento". Mas "a oferta não foi aceita, porque eles querem mais" arrematou.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Fundos abutres: ministro argentino critica Justiça dos EUA e mediador do caso - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV