Maus-tratos a animais silvestres em atividades turísticas é tema de campanha do Ibama na Amazônia

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Propor vacinação só em março e alcançar no máximo 1/3 da população em 2021 é um crime

    LER MAIS
  • Ailton Krenak: “A Terra pode nos deixar para trás e seguir o seu caminho”

    LER MAIS
  • Covid-19: 'Pandemia no Sul caminha para agravamento sem precedentes', diz epidemiologista

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


01 Julho 2014

O Ibama, em parceria com o Amazonas Tur, lança na região da Amazônia a campanha de combate ao uso ilegal de animais silvestres com o tema “Não incentive o turismo que maltrata os animais”, visando a prevenir crimes ambientais durante a Copa do Mundo de Futebol.

A reportagem foi publicada pelo Ibama, 30-06-2014.

Foto: Ibama

A campanha pretende, principalmente, alertar turistas e moradores locais sobre a ilegalidade e os prejuízos ambientais e sociais decorrentes do uso ilegal de animais silvestres em atividades turísticas, especialmente, na região metropolitana de Manaus/AM.

“A região amazônica tem grande vocação para o ecoturismo. Muitos turistas que chegam ao Amazonas vêm para conhecer nossa biodiversidade, nossas florestas, nossos rios e também nossa fauna. Por isso, é importante que participem de práticas sustentáveis de turismo, não o contrário. A exposição e o manuseio de animais sem critérios e sem autorização são exemplos de práticas de ecoturismo não responsável e ilegal. Portanto, devem ser evitadas e denunciadas”, diz o superintendente do Ibama do Amazonas, Mário Lúcio da Silva Reis.

O Ibama divulga também algumas regras e orienta os turistas, moradores e prestadores de serviço para que não tenham problemas com os órgãos de fiscalização que atuarão com mais intensidade durante o período da Copa:

1 – Conforme Lei Federal nº. 9.605/1998 (Lei de Crimes Ambientais), é proibido vender, comprar, transportar ou utilizar animais da fauna silvestre brasileira ou seus subprodutos sem autorização e origem legal.

2 – No Amazonas, atualmente, não existe estabelecimento autorizado a comercializar aves silvestres, como papagaios, araras e periquitos. Também, não existem estabelecimentos autorizados a vender macacos, iguanas, pássaros, serpentes, borboletas, aranhas, escorpiões etc. Assim, animais e também ovos vendidos em feiras, lojas, praças ou ruas são ilegais. Quem vende, compra ou utiliza animal silvestre ilegalmente está sujeito a multas de R$ 500,00 ou R$ 5.000,00 por animal.

3 – Não compre artesanato, bijouterias ou adornos feitos com partes de animais silvestres, como penas, dentes, peles, couros, ossos e asas de borboleta.

4 – Não tire fotos ao lado de pessoas que ofereçam animais silvestres, mesmo que pareçam mansos. Não dê dinheiro a essas pessoas. Essa atividade é ilegal e prejudicial os animais, o meio ambiente e muitas vezes as próprias pessoas envolvidas.

5 – A caça é proibida no Brasil. Logo, quem come carne de caça (tatu, veado, paca, peixe-boi) estimula o comércio ilegal e também está sujeito a multas e outras penalidades.

Clique acima para assistir ao vídeo.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Maus-tratos a animais silvestres em atividades turísticas é tema de campanha do Ibama na Amazônia - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV