China pede que G77 culpe países ricos por mudança climática

Revista ihu on-line

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

Juventudes. Protagonismos, transformações e futuro

Edição: 536

Leia mais

No Brasil das reformas, retrocessos no mundo do trabalho

Edição: 535

Leia mais

Mais Lidos

  • Vozes que nos desafiam. Celebração da Festa de Santa Maria Madalena

    LER MAIS
  • Direita cristã é o novo ator e líder do neoconservadorismo no País

    LER MAIS
  • Há fome no Brasil: 3 dados alarmantes que Bolsonaro deveria conhecer

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

Por: Jonas | 17 Junho 2014

O vice-presidente da Assembleia Nacional Popular da China, Chen Zhu, pediu neste domingo (15/06) à Cúpula do G77 na Bolívia que lembre às nações ricas o princípio de responsabilidade comum e diferenciada sobre a mudança climática e que devem cooperar com as nações em desenvolvimento para enfrentá-lo.

A reportagem é publicada por Opera Mundi, 15-06-2014.

"Temos que insistir no princípio da responsabilidade comum e diferenciada em relação à mudança climática, exortando aos países desenvolvidos para que cumpram seus compromissos em matéria de capitais, tecnologias e transferências tecnológicas", declarou.

Chen Zhu participou da plenária da Cúpula do G77, formado por 133 países em desenvolvimento, emergentes e a China, que lembra hoje seus 50 anos de criação e discute uma agenda de ações para impulsionar o desenvolvimento internacional depois de 2015.

A potência asiática tem uma aliança com o G77 e sempre defendeu que os países industrializados ocidentais historicamente têm uma maior responsabilidade nos problemas da mudança climática e da poluição, comparadas com os gerados por seu próprio crescimento industrial.

O vice-presidente da Assembleia Popular da China também destacou que o G77 é hoje uma força importante para o futuro do mundo. "Segundo estimativas para os próximos três ou cinco anos os países em vias de desenvolvimento vão contribuir para dois terços do desenvolvimento econômico mundial. O grupo G77 mais a China se transformou em uma grande força", comentou.

Chen Zhu destacou o aumento do número original de nações fundadoras de 77, em 1964, até alcançar hoje as 133, que representam mais da metade do Produto Interno Bruto internacional. "Ao mesmo tempo, a paz e o desenvolvimento como temática permanente não foram alterados", acrescentou.

Ele também ressaltou que os países da aliança não alcançaram os objetivos que se colocaram e são alvos dos impactos da crise internacional, ao mesmo tempo em que enfrentam desafios como a segurança energética e alimentícia e o desequilíbrio no desenvolvimento.

Na arena internacional, acrescentou, ainda são poucas as vozes dos países em desenvolvimento que se fazem escutar e o G77 tem a responsabilidade de uni-las para o "autofortalecimento".

O G77 deve seguir resguardando "a paz e a estabilidade mundial" promovendo a democratização das relações internacionais e respeitando os caminhos e o modelo de desenvolvimento de cada um dos países, salientou o dirigente chinês.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

China pede que G77 culpe países ricos por mudança climática - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV