A discussão sobre a falta de água em São Paulo flui à margem do principal problema

Revista ihu on-line

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Mais Lidos

  • Não posso me calar

    LER MAIS
  • Estudantes, trabalhadores e sonhadores. Quem eram os jovens que morreram após ação da PM em baile funk

    LER MAIS
  • O que muda (para pior) no financiamento do SUS

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

11 Junho 2014

"O fato é que fomos todos levados simplesmente a ignorar que a solução flui diariamente às nossas portas. Em outras cidades do mundo, rios que fluem pelas cidades fornecem água potável. Aqui não.", afirma Alexandre Harkaly, criador do programa no IBD CERTIFICAÇÕES com acreditação para ISO GUIDE 65 e com organizações internacionais de acreditação, em artigo publicado por Mercado Ético, 09-06-2014.

Eis o artigo.

Com o colapso do sistema Cantareira–Paraíba–Piracicaba todos se perguntam onde estão os erros de planejamento de reservas, de estratégias de distribuição, de eficiência de consumo.

Se fizermos um cálculo do aumento da população e área urbana nos últimos 50 anos (a população quintuplicou de 1950 a 1999) e o crescimento do sistema de captação de água logo veremos que há uma enorme discrepância e que a captação não acompanhou o crescimento urbano. Daí por diante você já pode prever que as reservas também não cresceram proporcionalmente. Engenheiros têm que prever a dimensão de suas obras levando-se em conta eventos meteorológicos extremos que ocorrem a cada 100 anos. Isto definitivamente não foi feito.

Pior ainda é o descaso das autoridades insistindo em atrasar medidas mais eficazes de economia da água. Aqui é tudo abundante, inclusive o gasto de água.

O fato é que secas ocorrem.

Porém um outro fato é claro, a população Brasileira transformou seus rios em cloacas a céu aberto, que fluem bem ao lado das cidades sedentas por água! Vejam a qualidade da água do Tietê e do Pinheiros. É possível imaginar limpar aquela água para o consumo? Ora, a cidade de São Paulo nasceu onde nasceu justamente por que ela estava próxima à água, outrora limpa!

O fato é que fomos todos levados simplesmente a ignorar que a solução flui diariamente às nossas portas. Em outras cidades do mundo, rios que fluem pelas cidades fornecem água potável. Aqui não.

Várias foram as tentativas de solucionar os problemas de poluição dos rios da cidade de São Paulo. Ainda temos tempo e chance de tentar mais uma vez!

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

A discussão sobre a falta de água em São Paulo flui à margem do principal problema - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV