Dom Tomás Balduíno, o bispo criador da Via Sacra Missioneira da Romaria da Terra

Revista ihu on-line

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Mais Lidos

  • Vaticano, roubadas da igreja estátuas indígenas consideradas “pagãs” e jogadas no Tibre

    LER MAIS
  • A peleja religiosa. Artigo de José de Souza Martins

    LER MAIS
  • Começa a hora da decisão para os bispos da Amazônia na semana final do Sínodo. Artigo de Thomas Reese

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

07 Maio 2014

D. Tomás Balduíno, foi um dos idealizadores das Romarias da Terra, como lembra Antonio Cechin, irmão marista e militante dos movimentos sociais e ambientais, em artigo que publicamos a seguir.

Irmão Cechin lamenta:

"Agora que o grande bispo D. Tomás acaba de realizar a sua Páscoa da Ressurreição, é de lastimar que as Romarias da Terra tenham perdido o costume de, com base nos povos indígenas, historicamente os mais sofridos da nação, e que continuam na maior miserabilidade ao longo das estradas do Rio Grande e do Brasil, não se tenha continuado a cultivar a espiritualidade Indígena Missioneira tal como foi assinalada e sugerida pelo saudoso Pastor e Profeta D. Tomás Balduíno".

Eis o artigo.

As Comunidades Eclesiais de Base do RS foram criadoras, no Brasil, da Romaria da Terra. No ano de 1976 lançou-se, por aqui, um folheto intitulado “São Sepé Tiaraju, Rogai por nós!” 

A dobradinha de bispos profetas Tomás Balduíno e Pedro Casaldáliga, acabavam de criar o CIMI (Centro Indigenista Missionário) e a CPT (Comissão Pastoral da Terra. Não sabemos através de que caminhos, o folheto chegou até o CIMI. Recebemos imediatamente uma carta da direção do CIMI, a cuja frente estava Dom Tomás Balduíno, com a proposta de celebrarmos, aqui no Estado, com possibilidades de estender para todo o Brasil, o ano de 1978 como o Ano comemorativo dos Mártires Indígenas de todo o continente latino-americano, em preparação do Encontro Episcopal de Puebla que, no ano seguinte de 1979, reuniria todo o episcopado do continente.

Diziam os bispos Tomás e Casaldáliga: os documentos de 1968, produzidos pela Assembleia de Medellin, praticamente não haviam tratado do problema indígena da América Latina. Com um ano de preparação, Puebla poderia muito bem sanar a lacuna.

A direção do CIMI, programou por inteiro, o ano de 1978, com todo tipo de celebrações, jornadas de estudos sobre a história indígena e a triste situação em que se encontram hoje.

Deveria ser lançado – como de fato aconteceu - o ano dos Mártires Indígenas, no dia da realização da primeira Romaria da Terra, ou seja em dois de fevereiro, dia do martírio de São Sepé.

Assim como a luva se ajusta à mão, a Romaria da Terra se nos apresentava como a ferramenta ideal para o início das solenidades em favor do mártires “que nós cristãos fizemos aos outros, porque só consideramos até hoje como nossos mártires, aqueles que os outros nos fizeram” nas palavras textuais de Pedro Casaldáliga.

A Romaria da Terra poderia reunir ao mesmo tempo, as sofridas Comunidades Indígenas e as Comunidades Eclesiais de Base tanto do campo como das cidades. Os três conjuntos de marginalizados tinham como seu maior sofrimento a carência de terra para plantar, os do interior; terra para morar, os que abandonavam os campos para poderem sobreviver e que entulhavam as periferias dos meios ubanos.

Hoje as Romarias da Terra já ultrapassaram as três dezenas, realizadas que foram todas sem exceção, sempre na terça feira de carnaval que, como festa popular, obedece ao calendário lunar e por isso é festa móvel. Cada ano, na véspera da quarta feira de cinzas, sempre em fevereiro, mas também sempre próximo ao dia do Martírio dos 1500 guaranis que lutavam pelas próprias terras que os dois maiores impérios do mundo de então, lhes acabaram roubando.

Demo-nos a pena de gravar toda a primeira Romaria da Terra e primeira Via Sacra Missioneira, a fim de servir de modelo de todas as posteriores Romarias da Terra. Damos em seguida a explicação introdutória nas palavras textuais do próprio Bispo Dom Tomás Balduíno.

VIA-SACRA MISSIONEIRA

EM MEMÓRIA DE SÃO SEPÉ TIARAJU E OS SEUS MILHARES DE COMPANHEIROS ÍNDIOS MARTIRIZADOS

N.B. - Esta Via Sacra foi elaborada por Dom Tomás Balduíno, presidente do CIMI, para a ROMARIA DA TERRA do “Ano dos Mártires Indígenas da América Latina (1978)”. Essa foi a primeira Romaria da Terra do Brasil que, depois, se espalhou por todo o território nacional. Aconteceu na cidade de São Gabriel, nos próprios lugares em que tombaram São Sepé Tiaraju (Sanga da Bica, Batovi) e seus 1500 companheiros guaranis (Caiboaté), mártires da luta pela Terra.

Introdução Explicativa da Via Sacra Missioneira

Trata-se de celebrar em 1978, a abertura do Ano dos Mártires em Caiboaté, no local mesmo em que se deu o martírio do índio Sepé Tiaraju e seus 1.500 companheiros, às mãos ferozes dos invasores brancos.

Quem será o grande público desta celebração? Peões de estância, trabalhadores rurais e operários, além de algum índio remanescente da chacina secular. É o nosso bom povo cristão. São os oprimidos de ontem e de hoje.

Ao longo dos séculos, esse nosso povo sofredor sempre andou muito ligado à paixão e morte de Cristo, cognominado carinhosamente de Senhor Morto ou Senhor do Bom Fim. É que, na verdade, os oprimidos são aqueles que no dia-a-dia “completam na própria carne o que falta à Paixão e Morte do Senhor Jesus,” na feliz expressão de São Paulo.

A pastoral popular, criação do povo para o povo, teceu ao longo dos séculos a Via-Sacra, capitulada pela Igreja oficial entre os “Pia exercitia” (exercícios de devoção), por não ser considerada litúrgica em seu sentido estrito. Negativo? Bem pelo contrário. Com isso liberta das malhas do canonismo e dá margem a grande criatividade.

A Via-Sacra pois, como aliás outras devoções populares, presta-se admiravelmente para preparar ou complementar liturgias. Não raro, aquelas são mais evangelizadoras que estas. E foi o que se pensou para Caiboaté: uma Via-Sacra Missioneira como rito introdutório à missa, em memória de São Sepé e dos índios mártires dos Sete Povos das Missões.

Quais são os ingredientes da Via-Sacra Missioneira?

A MATRACA E O CARRILHÃO: Necessita-se de um instrumento para dar o toque de reunir, dar o sinal de partida e de parada, no trajeto de uma Estação a outra. Para isso, a matraca, instrumento de protesto pela morte de Cristo e de protesto pela morte dos índios cristãos. Com a matraca dar-se-á pois, um tom quaresmal à procissão, que se realizará na véspera da quarta-feira de cinzas.

Nas duas últimas estações, em que fazemos memória da Ressurreição e Pentecostes de Cristo e dos índios, aposentada a matraca, os sinais serão dados pelo carrilhão, instrumento pascal e de alegria.

AS LEITURAS PARA MEDITAÇÃO

Mártir cristão é aquele que imitou mais à risca o Cristo, dando a maior prova de amor: a vida em favor dos irmãos. Na Via-Sacra popular, temos sempre o sofrimento e morte dos cristãos de hoje, cotejados com sofrimentos e morte de Cristo ontem.

No Caiboaté, presentes os índios de hoje (na procissão os pobres índios carregarão a cruz processional) escutaremos sempre duas leituras:
•    uma referente à morte de Sepé e de seus companheiros
•    uma referente à Paixão e morte de Jesus Cristo (passagem análoga).

SETE ESTAÇÕES: Foram sete os povos guaranis chacinados no Rio Grande do Sul. Daí a Via-Sacra em sete estações, em memória de cada um dos Sete Povos: São Nicolau, São Luís, São Lourenço, São João, São Borja, Santo Ângelo e São Miguel.

AS LADAINHAS E OS CANTOS: Nas devoções populares, nunca faltam cantos e ladainhas. As cartas ânuas e o diário demarcatório dos exércitos invasores falam que aí, em Caiboaté, os índios haviam marchado para a frente de batalha, carregando consigo as estátuas dos santos protetores, pois acreditavam mais na força dos intercessores, que no poder de suas armas. Não raro, à noite, soldados portugueses e espanhóis escalavam árvores, para escutar ao longe, os índios cantando seus cânticos sacros e rezando suas ladainhas.

Três são as ladainhas de nossa Via-Sacra: a de Nossa Senhora Libertadora, a dos Santos Padroeiros dos índios e a ladainha Penitencial.

Na caminhada de uma estação a outra, alternaremos um canto com uma ladainha.

ROTEIRO

Fala inicial de Dom Tomás Balduíno:

Nós não vamos realizar aqui, uma operação de demagogia, nem de pura promoção de alguém que nós colocaríamos no altar por nossa conta.

Realmente estamos celebrando alguém que está com Deus e o celebramos na condição de mártir.

Meus irmãos, esta cerimônia aqui, vai se assemelhar àquela dos primeiros cristãos, quando celebravam seus mártires. Como filhos de Deus, como membros da Igreja, nós consideramos São Sepé ao lado dos Santos que estão com Deus. É por isso que o celebramos aqui nessa Caminhada. Ele é para nós alguém que, como diz o Cristo, se sentará com Ele, junto com Abraão, Isaac e Jacó, para julgar os vivos e os mortos. É alguém que se associou na sua vida a Deus, a Cristo, aos seus irmãos, pelo batismo. E a sua morte significa o dom completo de sua vida a Deus e aos irmãos. Esta celebração terá um caráter penitencial e pascal. Nós vamos fazer uma Via-Sacra que vai conhecer as diversas Estações (paradas), como a Via-Sacra de Cristo, de julgamento e condenação, de morte, mas que termina na Ressurreição. Vamos ter os cantos que celebram a Cruz, e os cantos que celebram Aleluia. E vamos fazer isso, irmãos, iniciando agora, em nome da Igreja Missionária, o Ano dos Mártires, de Sepé e seus companheiros. E vamos fazer todos, o Sinal da Cruz, esse sinal que foi o sinal do nosso irmão, que deu a vida pelos seus irmãos. Vamos todos juntos fazer este Sinal da Cruz, como marco inicial dessas Celebrações que vão continuar pelo ano todo.
Em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo. Amém.

Observação final:

Agora que o grande bispo D. Tomás acaba de realizar a sua Páscoa da Ressurreição, é de lastimar que as Romarias da Terra tenham perdido o costume de, com base nos povos indígenas, historicamente os mais sofridos da nação, e que continuam na maior miserabilidade ao longo das estradas do Rio Grande e do Brasil, não se tenha continuado a cultivar a espiritualidade Indígena Missioneira tal como foi assinalada e sugerida pelo saudoso Pastor e Profeta D. Tomás Balduíno.

Veja também:

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Dom Tomás Balduíno, o bispo criador da Via Sacra Missioneira da Romaria da Terra - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV