Papa Francisco: “A desigualdade é a raiz dos males sociais”

Revista ihu on-line

Gauchismo - A tradição inventada e as disputas pela memória

Edição: 493

Leia mais

Financeirização, Crise Sistêmica e Políticas Públicas

Edição: 492

Leia mais

SUS por um fio. De sistema público e universal de saúde a simples negócio

Edição: 491

Leia mais

Mais Lidos

  • O Papa Francisco fracassou?

    LER MAIS
  • “Francisco é o primeiro Papa que fala das causas da injustiça no mundo”. Entrevista com Frei B

    LER MAIS
  • Para uma espiritualidade política

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU

close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

30 Abril 2014

O Papa Francisco posicionou-se de forma crítica contra a desigualdade nesta segunda-feira em um tuíte publicado em sua página oficial no Twitter: "A iniquidade é a raiz dos males sociais".

Será que o papa estaria ponderando a partir do alvoroço suscitado pelo best-seller do economista francês Thomas Piketty intitulado “Capital in the Twenty-First Century”?

A nota é de Alexander C. Kaufman, publicada pelo The Huffington Post, 28-04-2014. A tradução é de Isaque Gomes Correa.

A resposta não é óbvia. Mas o sincronismo do tuíte – dias depois que o livro se esgotou no site Amazon, onde é atualmente o livro mais vendido nos EUA – sugere um apoio do pontífice ao pesquisador francês, o qual postula que um livre mercado não regulado cria uma lacuna entre ricos e pobres cada vez maior.
O tuíte estava com quase 10 mil compartilhamentos na segunda-feira à tarde.

O alerta de Francisco vem meses depois que ele chamou o capitalismo desenfreado de uma “nova tirania”, tendo pedido ao líderes globais, em sua primeira grande obra escrita como papa, para combaterem a crescente desigualdade de renda.

Ele expôs a plataforma de seu papado num documento de 84 páginas publicado no último mês de novembro, em que ataca a “idolatria do dinheiro” e conclama aos políticos para garantir a todos os cidadãos “trabalho, educação e saúde dignos”.

Veja também: