close

Uruguai. Arcebispo Sturla reuniu-se com representantes de comunidade gay

Revista ihu on-line

Gauchismo - A tradição inventada e as disputas pela memória

Edição: 493

Leia mais

Financeirização, Crise Sistêmica e Políticas Públicas

Edição: 492

Leia mais

SUS por um fio. De sistema público e universal de saúde a simples negócio

Edição: 491

Leia mais

Mais Lidos

  • As religiões morrem, mas o catolicismo sobreviverá: menos europeu e mais global

    LER MAIS
  • As "últimas conversas" de Ratzinger: do "gosto pela contradição" ao "prazer do encontro". Artigo

    LER MAIS
  • O toque de recolher das mulheres brasileiras

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU

close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Por: André | 14 Abril 2014

Pela primeira vez um arcebispo de Montevidéu reuniu-se com a associação que representa lésbicas, gays, bissexuais e transgêneros. Sturla pediu desculpas pelas ações da Igreja católica uruguaia que tenham ferido ou incomodado a comunidade LGBT.

A reportagem está publicada no jornal uruguaio El País, 11-04-2014. A tradução é de André Langer.

No encontro, falaram dos direitos da comunidade LGBT, do casamento igualitário e “da mudança que se vem processando na Igreja católica uruguaia em torno destes temas, após a nomeação de Daniel Sturla como arcebispo de Montevidéu”, informou em um comunicado a Associação de Famílias LGBT e Homoparentais.

O presidente da Associação de Famílias LGBT e Homoparentais, Omar Salsamendi, qualificou a reunião como altamente positiva. “Foi uma reunião histórica, acima de tudo porque é o primeiro alto dignitário da Igreja católica uruguaia a reunir-se para falar destes temas com uma Organização de Defesa dos direitos LGBT. Com Sturla tratamos e conseguimos encontrar pontos de concordância e assim mantivemos uma conversa amena que durou uma hora. A Igreja mantém sua postura em torno da Lei do Casamento Igualitário, mas assinala explicitamente através das palavras do arcebispo que sua igreja é contra qualquer tipo de discriminação, e neste último eixo centramos a nossa conversa”.

Salsamendi recordou quando o próprio Sturla “assinalou publicamente uma realidade que era por todos conhecida, mas nunca antes dita, que foi o fato de admitir que não é contraditório nem com sua fé nem com os dogmas da sua igreja o fato de ter amigos homossexuais”.

Durante a conversa, indicou Salsamendi, Sturla pediu desculpas por ações da Igreja católica uruguaia que tenham ferido ou incomodado a comunidade LGBT, embora esclarecesse que tenham sido anteriores ao seu exercício à frente da arquidiocese que as mesmas aconteceram. Ambas as partes concordaram em transmitir uma forte mensagem contrária à discriminação em todas as suas formas, incluindo obviamente a discriminação por orientação sexual e identidade de gênero.

O arcebispo Daniel Sturla e o vigário pastoral Javier Galdona reuniram-se com uma delegação composta pelo presidente da Associação de Famílias LGBT e Homoparentais do Uruguai, Omar Salsamendi, pelo secretário-geral da Organização, Luis Armando Pérez, por um dos Vocais da ONG, Federico Macerattini, e uma das vocais suplentes do Conselho Diretor da Instituição, Mary Martínez, que é mãe de um dos integrantes do primeiro casal de uruguaios do mesmo sexo que se casou no fora do país e cujo casamento foi o primeiro a ser reconhecido pelo Estado uruguaio sem necessidade de um parecer judicial.