O papa e o narcisismo dos teólogos

Revista ihu on-line

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Mais Lidos

  • Viagem ao inferno do trabalho em plataformas

    LER MAIS
  • A implementação do Concílio no governo do Papa Bergoglio. Artigo de Daniele Menozzi

    LER MAIS
  • Metaverso? Uma solução em busca de um problema. Entrevista com Luciano Floridi

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


14 Abril 2014

O papa proferiu no último dia 10 um discurso à comunidade da Pontifícia Universidade Gregoriana.

Andrea Tornielli, em seu blog Sacri Palazzi, 11-04-2014, destaca um pequeno trecho. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Eis o texto.

Este é um dos desafios do nosso tempo: transmitir o sabe e oferecer-lhe uma chave de compreensão vital, não um acúmulo de noções não relacionadas entre si. É preciso uma verdadeira hermenêutica evangélica para melhor entender a vida, o mundo, os homens, não uma síntese, mas sim uma atmosfera espiritual de busca e de certeza baseada nas verdades de razão e de fé.

A filosofia e a teologia permitem adquirir as convicções que estruturam e fortificam a inteligência e iluminam a vontade... mas tudo isso só é fecundo se é feito com a mente aberta e de joelhos. O teólogo que se compraz com o seu pensamento completo e concluído é um medíocre. O bom teólogo e filósofo tem um pensamento aberto, isto é, incompleto, sempre aberto ao maius de Deus e da verdade, sempre em desenvolvimento, segundo aquela lei que São Vicente de Lerins descreve assim: "Annis consolidetur, dilatetur tempore, sublimetur aetate” (Commonitorium primum, 23: PL 50, 668): consolida-se com os anos, dilata-se com o tempo, aprofunda-se com a idade.

Esse é o teólogo que tem a mente aberta. E o teólogo que não reza e que não adora a Deus acaba afundado no mais repugnante narcisismo. E essa é uma doença eclesiástica. O narcisismo dos teólogos, dos pensadores faz muito mal, é repugnante."

* * *

Leia a íntegra do discurso aqui, em italiano.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

O papa e o narcisismo dos teólogos - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV