12 de março de 1783 – 10 anos após a Supressão, Pio VI verbalmente aprova jesuítas

Revista ihu on-line

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Mais Lidos

  • Aumento da miséria extrema, informalidade e desigualdade marcam os dois anos da Reforma Trabalhista

    LER MAIS
  • Hospitalidade eucarística: “A decisão passa agora para a Conferência Episcopal”

    LER MAIS
  • Um novo documento anti-Francisco com cem assinaturas: “Atos sacrílegos durante o Sínodo, precisa se arrepender”

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

18 Março 2014

Com as famosas palavras "Aprobo, Aprobo, Aprobo"Pio VI dava a aprovação oral aos jesuítas.

A nota é publicada por Jesuit Restoration 1814, 12-03-2014. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Em 1783, os jesuítas ainda estavam em um estado de limbo. Por volta de 1785, Gabriel Lenkiewicz, que foi o segundo vigário-geral, sediado em Polotsk, restabeleceu a vida religiosa que estava em caos pelo choque doBreve de Supressãoe também pelas incertezas diplomáticas que se seguiram.

Uma coisa que aliviou essa incerteza foi a audiência papal dada por Pio VI em 12 de março de 1783. Ao ser informado de que os jesuítas haviam continuado a sua presença na Rússia, o papa repetiu três vezes: "Eu dou a minha aprovação" - o famoso "Aprobo, Aprobo, Aprobo".

Essa declaração foi dada na presença do bispo Benislawski, coadjutor de Mohilew. Ele deu ao vigário-geral um certificado por escrito da aprovação oral, concedida por Pio VI. Já tinham se passado dez anos desde a proulgaçao da Bula de Supressão que Catarina tinha teimosamente se recusado a assinar.

Pela primeira vez, parece que a intransigência de Catarina estava sendo recompensada com esse sinal claro de que São Petersburgo e Roma avançavam juntos. Isso também permitiu aos jesuítas seguirem adiante com uma clareza de consciência e uma maior confiança na tarefa substancial de reorganização da companhia. Essa aprovação oral de Pio VI foi posteriormente confirmada por escrito pelo Papa Pio VII, com a publicação do breve Catholicae Fidei em 1801.

Como indicação da pressão que Pio VI estava sofrendo, ele só conseguiu dar a sua aprovação de forma oral. O seu "Aprobo, Aprobo, Aprobo" foi de muita ajuda aos jesuítas. Nove anos antes, Czerniewicz havia explicado a Pio VI o dilema que os jesuítas enfrentavam com a posição de Catarina contra Roma.

Czerniewicz havia afirmado que, como o breve ainda não tinha sido promulgado, os jesuítas estavam obrigados em consciência a observar seus votos e seguir as constituições. Através de um intermediário (cardeal Rezzonico), uma indicação de Pio VI foi buscada. Enigmaticamente, o papa respondeu: "Que as suas orações, como eu prevejo e vocês desejam, tenham um resultado feliz". Pio VI era um político competente e estava andando sobre uma corda bamba.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

12 de março de 1783 – 10 anos após a Supressão, Pio VI verbalmente aprova jesuítas - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV