“É uma profunda injustiça que mais de 800 milhões de pessoas passem fome”, afirma Maradiaga

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • O cálculo político de Ciro Gomes

    LER MAIS
  • Tomar a Bíblia ao pé da letra

    LER MAIS
  • A riqueza dos mais ricos cresce um trilhão durante a covid. O ranking dos patrimônios

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Por: Jonas | 08 Março 2014

“Acreditamos que é uma profunda injustiça que mais de 800 milhões de pessoas passem fome. Estas pessoas não passariam fome se houvesse maior igualdade na distribuição da riqueza e se os recursos fossem compartilhados de uma forma mais justa”, escreve o cardeal Oscar Andrés Rodríguez Maradiaga, em artigo publicado por Religión Digital, 07-03-2014. A tradução é do Cepat.

 
Fonte: http://goo.gl/LxW5in  

Eis o artigo.

Há muitos anos, ensinava matemática. No entanto, apesar de minha formação matemática, há uma equação que simplesmente não entendo: as 85 pessoas mais ricas do mundo possuem tantas riquezas como a metade de toda a população mundial junta.

Em sua mensagem deste ano, o papa Francisco disse: “Quando o poder, o luxo e o dinheiro se convertem em ídolos, antepõem-se à exigência de uma distribuição justa das riquezas. Portanto, é necessário que nossas consciências se convertam à justiça, igualdade, sobriedade e ao compartilhar”.

Nesse início de nossa caminhada quaresmal, somos convidados a refletir sobre o que significam para nós as palavras do papa Francisco. O que é a justiça? Onde existe desigualdade? Como posso tornar mais sóbria a minha vida? Com quem posso compartilhar?

A Cáritas Internacional lançou, antes do Natal, a campanha “Uma só família humana, alimentos para todos”. Esta campanha oferece uma oportunidade para responder ao convite do papa Francisco.

Acreditamos que é uma profunda injustiça que mais de 800 milhões de pessoas passem fome. Estas pessoas não passariam fome se houvesse maior igualdade na distribuição da riqueza e se os recursos fossem compartilhados de uma forma mais justa. Cada um de nós pode viver de uma forma mais sóbria, consumir menos, desperdiçar menos e ser mais consciente de nossas escolhas. Compartilhar (nosso pão, nossos recursos, nós mesmos) é a pedra angular de nossa fé e também uma solução à fome mundial.

Nas vésperas da Quaresma, aqui em Roma, todas as crianças se fantasiam para a tradição do “carnaval”. O rosto de Jesus Cristo também está presente em muitas fantasias, mas pode ser que não o reconheçamos à primeira vista; pode ser que ignoremos o seu chamado, caso não estejamos atentos.

Jesus não se mostra vestido de poder e riqueza mundanos, mas de fragilidade e pobreza”, disse o papa Francisco.

A Quaresma é um convite para provar a fome das pessoas e tocar sua pobreza com os nossos próprios dedos. É um tempo para estender a mão àqueles que fazem parte dos 3,5 bilhões de pessoas que sofrem a pobreza no mundo.

Como diriam os americanos, é o momento de “do the math”, ou seja, de “fazer contas”.

Por favor, apoiem a campanha da CáritasUma só família humana, alimentos para todos”, cujo objetivo é erradicar a fome do mundo para 2025.

Você pode atuar realizando uma doação on-line em www.caritas.org ou realizando alguma ação, seja grande ou pequena, em sua comunidade para ajudar aos pobres e vulneráveis.

Em Cristo,
Cardeal Oscar Andrés Rodríguez Maradiaga
Presidente da Cáritas Internacional

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

“É uma profunda injustiça que mais de 800 milhões de pessoas passem fome”, afirma Maradiaga - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV