''Grandes sinais, mas nenhuma mudança de sistema'', afirma Helmut Schüller sobre Francisco

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Desgaste do discurso evangélico

    LER MAIS
  • Outro papa. Ratzinger, sua renúncia e o confronto com Bergoglio

    LER MAIS
  • ‘Eu serei sempre minoria’, diz padre Júlio sobre sua vocação em ajudar pobres e oprimidos

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


06 Março 2014

O Papa Francisco está no cargo há um ano e é celebrado por muitos como reformador. O pároco Helmut Schüller, presidente da Pfarrer-Initiative (Iniciativa dos Párocos), analisa objetivamente: "Ele deu grandes sinais, mas que, até agora, não se concretizaram em mudanças de sistema".

A reportagem é da revista Ja – Die neue Kirchenzeitung, de março de 2014. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

São muitas as possíveis motivações: "Ou é ele mesmo que não quer, ou ele quer, mas não vê nenhuma forma de fazer a mudança, ou é impedido. Até agora, todas as interpretações são possíveis, porque, para cada uma, há algo que pode torná-la válida. Enquanto isso, já se passou um ano, e as coisas não são tão claras quanto pareciam no início. Também se pode pensar que o papa continua isolado com as suas ideias, que o sistema vaticano se impõe, e que, portanto, o abismo entre a Igreja do cotidiano, da base da sociedade, e a hierarquia eclesiástica em nível mundial também continuará no futuro. Essa seria uma variante bastante pessimista, mas que não pode ser completamente excluída".

A variante otimista seria "a necessidade de um período considerável de tempo para que tudo possa ser transformado, e que, por isso, se deve continuar tendo paciência. As coisas, no entanto, ainda estão em aberto. Mas um certo ceticismo começa a ganhar espaço, começa-se a pensar que a situação de impasse pode surgir também do fato de que o papa sozinho não consegue realizar a mudança, e que as Conferências Episcopais e os bispos, agora como antes, não o apoiam contra do sistema. Os bispos, da forma como eu os conheço, estão esperando para ver como as coisas vão acabar – para só então decidir. E isso, naturalmente, seria uma catástrofe".

A nomeação do cardeal Müller

A nomeação a cardeal do conservador pertencente à linha dura Gerhard Ludwig Müller "dificilmente é avaliável de fora. Ela pode ser interpretada como uma tentativa de envolver a ala conservadora no seu modo de ver as coisas. Mas, naturalmente, também pode ser um sinal do fato de que a ala conservadora é muito forte e quer continuar condicionando as decisões".

Sínodo: sentimentos contrastantes

O próximo Sínodo dos Bispos sobre a família desperta em Schüller sentimentos ambivalentes: "Eu observei a forma pela qual o papa agora constituiu o Pontifício Conselho para os Leigos – aquele órgão que, no fim, terá grande influência no Sínodo. Nele, há um fortíssimo predomínio de leigos conservadores, ou seja, representantes de movimentos e comunidades que estão em profundo acordo com o Vaticano. Portanto, certamente não reflete os resultados do questionário".

Seria preciso ter confiança no fato de que os batizados têm uma maior experiência de vida no âmbito do casamento e da família do que o papa e todos os bispos juntos.

Para Schüller, isso significa: "Não se deve suspeitar de que a opinião dos fiéis é determinada pela leviandade. São pessoas que enfrentam a vida, têm família, criam filhos, estão à frente de várias experiências de vida e se esforçam, em tudo isso, para estar à altura dos ideais. Justamente nesse contexto, eu daria um peso muito mais forte à voz dos leigos. Precisamente essa é a competência original e fundamental dos batizados! Aqui, excepcionalmente, os consagrados e os celibatários deveriam ouvir mais do que falar. Se isso vai acontecer no Sínodo, eu não sei. Mas deveria acontecer, se realmente o questionário quer trazer alguma coisa. Porque aqui é possível pegar da base da Igreja algo que é importante para a Igreja inteira".

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

''Grandes sinais, mas nenhuma mudança de sistema'', afirma Helmut Schüller sobre Francisco - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV