Criticada por Ratzinger, a Teologia da Libertação é saudada no Vaticano enquanto seu fundador recebe as boas-vindas

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Manifesto do Laicato em apoio aos bispos que subscreveram a “Carta ao Povo de Deus” com 1440 assinaturas no primeiro dia

    LER MAIS
  • Com mais de 1.500 assinaturas, Padres da Caminhada relançam mensagem de apoio à Carta ao Povo de Deus dos bispos

    LER MAIS
  • “A pandemia viral é o resultado da pandemia psicológica e espiritual”, afirma Gastón Soublette

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


03 Março 2014

alt
Foto: AP Foto/Domenico Stinellis

O fundador da Teologia da Libertação, teologia católica inspirada na América Latina defensora dos pobres, recebeu as boas-vindas na terça-feira, no Vaticano, enquanto o movimento – uma vez criticado – continua se reabilitar sob o Papa Francisco.

A reportagem é de Nicole Winfield, publicada no jornal canadense The Gazette, 25-01-2014. A tradução é de Isaque Gomes Correa.

O Pe. Gustavo Gutierrez, do Peru, foi o palestrante surpresa na terça-feira durante o lançamento de um livro, encabeçado pelo presidente do escritório de ortodoxia do Vaticano, cardeal Gerhard L. Müller, junto de um dos principais assessores/conselheiros do papa, o cardeal Oscar Rodriguez Maradiaga e do porta-voz do Vaticano.

O então cardeal Joseph Ratzinger passou grande parte de seus anos dedicados à Congregação para a Doutrina da Fé, hoje liderada por Müller, lutando contra a Teologia da Libertação e disciplinando alguns de seus mais famosos defensores, ao sustentar que eles tinham interpretado erroneamente a preferência de Jesus pelos pobres como um pedido marxista para a rebelião armada.

Esta interpretação foi poderosamente atraente para muitos latino-americanos durante as décadas de 1960 e 1970 que foram criados como católicos, educados por professores sob a influência marxista e que estavam indignados com a desigualdade e com a repressão sangrenta ao redor.

Gutierrez e outros insistem que a verdadeira Teologia da Libertação sempre esteve perfeitamente em conformidade com a doutrina social da Igreja sobre os pobres, a qual o Papa Francisco abraça.

Francisco escreveu o prefácio do livro de Müller“Pobre para os pobres: A missão da Igreja –, que contém dois capítulos escritos por Gutierrez.

Na terça-feira, Gutierrez, de 85 anos, recebeu uma salva de palmas quando o porta-voz do Vaticano fez notar sua presença e uma outra salva de palmas quando se aproximou do microfone para falar sobre a parábola do Bom Samaritano.

O ex-cardeal Jorge Mario Bergoglio teve uma relação complicada com a Teologia da Libertação, chocando-se com membros de esquerda de sua ordem jesuíta, a qual assumiu um papel politizado no enfrentamento à ditadura militar violenta da Argentina na década de 1970.

No entanto, o Papa Francisco abraça por completo o seu pedido à Igreja para se ter uma “opção preferencial pelos pobres”.

O jornal vaticano L’Osservatore Romano está fazendo uma espécie de campanha de reabilitação, dizendo que, com o primeiro papa latino-americano, a Teologia da Libertação não pode mais “permanecer na sombra à qual ele foi relegada por alguns anos, ao menos na Europa”.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Criticada por Ratzinger, a Teologia da Libertação é saudada no Vaticano enquanto seu fundador recebe as boas-vindas - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV