Os bispos poloneses e o Papa: “O materialismo é mais perigoso que o comunismo”

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • EUA. Padre é suspenso por celebrar a missa rejeitando Francisco como Papa

    LER MAIS
  • Pela saúde da democracia. Manifesto luterano

    LER MAIS
  • Sobre a carta dos bispos. Profetismo incompreendido

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Por: Caroline | 04 Fevereiro 2014

“O materialismo prático parece ser, certas vezes, mais perigoso que os sistemas totalitários com os quais tivemos que lidar no passado”. Foi o que disse o arcebispo de Gniezno e Primaz da Polônia, Józef Kowalczyk, no discurso dirigido ao Papa durante o encontro de sábado, dia 01, com o primeiro grupo de religiosos poloneses recebidos na visita “ad limina Apostolorum”.

A reportagem é de Marek Lehnert, publicada por Vatican Insider, 01-02-2014. A tradução é do Cepat.

Fonte:http://goo.gl/CpkjfJ

Cerca de 100 bispos da Polônia dividiram-se em cinco grupos; os quatro restantes serão recebidos por Francisco nos próximos dias. O encontro com todos eles será realizado na próxima sexta-feira, dia 07 de fevereiro, antes da sua volta a pátria.

Kowalczyk falou sobre as dificuldades que os bispos da Polônia enfrentam na nova realidade da sua nação, admitindo que “por ter crescido na realidade do socialismo real” não é fácil “elaborar um novo estilo de trabalho pastoral no sistema democrático de economia de mercado e do dominante materialismo prático”.

O Primaz também falou sobre as dificuldades que a população está passando, como o desemprego e o aumento do abismo entre ricos e pobres. Também lamentou a influência do espírito do tempo na população polonesa, que se declara majoritariamente católica (cerca de 90%), mas que em seu cotidiano segue os modelos opostos ao plano de Deus. Destacou que as pessoas, apesar de não negarem diretamente ao Senhor, não conseguem traduzir a fé na vida cotidiana, em que se nota um perigoso dualismo entre fé e a vida prática. As pessoas abandonam com facilidade as práticas religiosas, começando pela missa dominical; há muita indiferença religiosa, relativismo moral, corrupção, criminalidade, uma forma seletiva de tratar as verdades da fé, deixando que se dilua a consciência do pecado. São particularmente dolorosas, segundo o religioso polonês, as mudanças relacionadas à vida matrimonial e familiar. Aumenta o número de uniões irregulares e diminui o número de filhos.

Antes da viagem ao Vaticano, o mesmo arcebispo Kowalczyk viu-se envolvido em uma polêmica com um grupo de religiosos que queria falar com o Papa sobre as problemáticas relações entre a Igreja e o Estado, na Polônia. O atual Primaz foi, durante vários anos, colaborador de João Paulo II e, durante mais de quatro décadas, Núncio apostólico em Varsóvia.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Os bispos poloneses e o Papa: “O materialismo é mais perigoso que o comunismo” - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV