Francisco examina conduta de Pio XII nos tempos de guerra antes de decidir sobre santidade

Revista ihu on-line

Gênero e violência - Um debate sobre a vulnerabilidade de mulheres e LGBTs

Edição: 507

Leia mais

Os coletivos criminais e o aparato policial. A vida na periferia sob cerco

Edição: 506

Leia mais

Giorgio Agamben e a impossibilidade de salvação da modernidade e da política moderna

Edição: 505

Leia mais

Mais Lidos

  • “Sinto-me o cardeal de Romero. Ele é um ícone da Igreja”, afirma novo purpurado de El Salvador

    LER MAIS
  • Instituição católica quer indenização milionária por vídeo do Porta dos Fundos

    LER MAIS
  • Ordenação de mulheres: para qual Igreja e com qual teologia? Artigo de Ivone Gebara

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU

close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

21 Janeiro 2014

O Papa Francisco vai abrir os arquivos do Vaticano concernentes à era de Pio XII para determinar se o controverso pontífice, que foi acusado de não se pronunciar durante o holocausto, pode ser considerado para a santidade, de acordo com uma reportagem do jornal The Sunday Times.

A reportagem foi publicada pelo jornal The Jerusalem Post, 19-01-2014. A tradução é de Isaque Gomes Correa.

O jornal cita um amigo próximo do atual papa, o rabino argentino Abraham Skorka, segundo o qual o pontífice vai dar prosseguimento à sua promessa de examinar o papel de Pio XII durante os tempos de guerra.

Antes de ascender ao papado, Francisco, que era conhecido como cardeal Bergoglio, expressou sua posição sobre o assunto em seu livro intitulado “Sobre o céu e a terra”, escrito em coautoria junto de Skorka em 2010.

“A abertura dos arquivos da Shoah [holocausto] me parece razoável”, escreveu o futuro papa. “Que sejam abertos e que se esclareça tudo. Que se deixe ver se eles poderiam ter feito alguma coisa [para ajudar] e até que ponto eles poderiam ter ajudado”.

“Se falharam em algum aspecto, teremos de dizer: ‘Erramos’. Não precisamos ter medo disso, a verdade há de ser o objetivo”.

Pio XII foi acusado por grupos judaicos de ter ficado em silêncio e permitir que judeus fossem mortos por nazistas, uma acusação negada pelo Vaticano, que insiste no fato de que ele salvou muitos judeus durante o holocausto.

No início deste mês, o Vaticano confirmou que o Papa Francisco irá visitar Israel nos próximos meses, o que faria dele apenas o quarto pontífice a visitar a Terra Santa na era moderna.

A visita vem durante um período dramático para a Igreja Católica de Roma sob o papado de Francisco, não somente com relação a outras tradições de fé como também a grupos muitas vezes marginalizados pela Igreja no passado e no início de sua era.

Francisco estará em seu 14º mês como papa quando for visitar Israel, Jordânia e a Palestina nos dias 25, 25 e 26 de maio. Somente o Papa Paulo VI – que se tornou o primeiro papa da era moderna a visitar Jerusalém no sexto mês de seu papado – fez tal viagem em um prazo de tempo menor. Todavia, a viagem de Paulo VI ocorreu antes que o Vaticano viesse a reconhecer Israel como um Estado soberano.

A beatificação de Pio XII vem sendo um assunto delicado entre as relações judaico-católicas. Até o momento, este papa passou por duas das quatro etapas necessárias para chegar à canonização.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Instituto Humanitas Unisinos - IHU - Francisco examina conduta de Pio XII nos tempos de guerra antes de decidir sobre santidade