Bergoglio preparava aposentaria antes de ser eleito papa

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Desmonte do SUS: decreto anuncia privatização da atenção básica em retrocesso histórico

    LER MAIS
  • Francisco desafia Trump com primeiro cardeal afro-americano

    LER MAIS
  • Surgem provas de que o Vaticano censurou o Papa Francisco em 2019

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


11 Novembro 2013

Na sua primeira aparição pública, na Praça de São Pedro, em março, papa Francisco pediu: "rezem por mim". Seguindo esse mote, o jornalista investigativo argentino Marcelo Larraquy lançou uma biografia de Jorge Mario Bergoglio que mostra sua vida durante os anos de chumbo na Argentina e seu estilo de fazer política. Rezem por ele aponta o que o Vaticano pode esperar do papa eleito neste ano.

A reportagem é de Ariel Palacios e publicada pelo jornal O Estado de S. Paulo, 10-11-2013.

Larraquy, que na década passada publicou as biografias da presidente Isabelita Perón e do ministro-astrólogo José López Rega, disse que o cardeal estava preparando-se para o fim de carreira quando transformou-se em Francisco. Bergoglio havia pedido demissão como cardeal aos 75 anos e estava esperando a autorização do Vaticano.

"Estava preparando um quarto do Lar Sacerdotal, na Rua Condarco, no bairro de Flores (em Buenos Aires), onde moram outros 30 clérigos anciãos", revela Larraquy. "Mas, de repente, teve de ir a Roma com a renúncia do papa Bento XVI. E, quando já não esperava coisa alguma no futuro de sua vida eclesiástica, os cardeais o elegem papa."

Para Larraquy, a eleição de Francisco foi uma das ressurreições de Bergoglio. "Outra ocorreu nos anos 1980, quando a ordem jesuítica abandonou Bergoglio por causa de velhas divergências entre setores internos da Companhia de Jesus. Ele só foi resgatado de seu ostracismo na Província de Córdoba anos depois, quando o cardeal de Buenos Aires, Antonio Quarracino, o chama para trabalhar com ele."

Governo

Agora, no trono de São Pedro, Bergoglio sabe que, aos 76 anos, não tem muito tempo. "Precisa governar de forma vertiginosa, pois é necessário remover a Igreja de dentro do Vaticano e levá-la à periferia", afirma o biógrafo. "Bergoglio é um homem que toma riscos. Não tomava riscos nos anos 1970. Mas agora, sim."

Mas o jornalista lembra que Francisco tem várias frentes simultâneas de batalha. E, por isso, Bergoglio usa uma estratégia específica.

"O papa, desde que era cardeal em Buenos Aires, tem uma estratégia de erosão gradual de todos seus inimigos. Não faz ataques frontais nunca. Ele faz uma política de desgaste com seus inimigos. No fundo, é um político 'florentino'. E, quando toma uma decisão, ninguém o desvia de seu rumo."

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Bergoglio preparava aposentaria antes de ser eleito papa - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV