Superlotação em prisões brasileiras cresce 20%, aponta Anuário de Segurança

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Párocos, franciscanos, ex-núncios: os treze novos cardeais de Francisco ampliam as fronteiras do Colégio cardinalício

    LER MAIS
  • Milícias do Rio mantêm parceria com polícia, facções e igrejas pentecostais, aponta estudo

    LER MAIS
  • “Temos que entrar em sintonia com o caos”, avalia Franco “Bifo” Berardi

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Por: Cesar Sanson | 06 Novembro 2013

"Justiça é lenta e polícia prende errado", diz especialista. Faltam quase 211 mil vagas no sistema prisional.

A polícia brasileira prende as pessoas erradas e a Justiça criminal é lenta: o resultado é que grandes criminosos articulam seus negócios na rua enquanto pequenos ladrões superlotam presídios. Para especialistas em segurança pública, essa é a principal justificativa para que o número de presos provisórios equivalha ao déficit carcerário, que só em 2012 cresceu 20%, segundo dados do Anuário Brasileiro de Segurança Pública, divulgado nesta terça-feira.

A reportagem é de Wanderley Preite Sobrinho e publicada pelo portal Ig, 05-11-2013.

Ao todo, 550 mil pessoas foram presas em todo o Brasil no ano passado, um crescimento de 7% na comparação com 2011. Enquanto isso, o número de presos esperando julgamento saltou 13%, chegando a 195 mil pessoas, quase as 211 mil vagas que faltam ao sistema prisional.

"As polícias enchem as cadeias com usuários de droga e pequenos traficantes e deixam de investigar casos mais graves, como latrocínio (roubo seguido de morte), homicídio, estupro, que só crescem no Brasil”, afirma o ex-secretário adjunto de segurança de Minas Gerais, Luis Flavio Sapori. “No Brasil se prende muito. E muito mal.”

Para o especialista, ainda que prendam mal, as detenções não são ilegais. “As prisões provisórias são necessárias, o problema é a lentidão judiciária.”

Delegado e conselheiro do Fórum Brasileiro de Segurança Pública, Jésus Trindade Junior acha urgente a construção de novos presídios, mas a resolução do problema só virá “com uma grande reforma no sistema prisional e na Justiça, indissociáveis”.

“Não adianta só construir presídio. A Justiça tem de julgar, as polícias civil e militar precisam ser unificadas para concluírem todas as investigações”, diz ele. Já Sapori lembra o que acontece quando bandidos demais com expressão de menos se espremem em presídios: “Eles ficam perigosos e tomam o lugar de grandes traficantes, criminosos de verdade.”

Onde estão os presos

São Paulo é o Estado com mais presos no Brasil, são 195 mil pessoas. Bem longe aparece Minas Gerais, como 51 mil presos, seguido por Rio de Janeiro (33 mil), Paraná (31 mil), Rio Grande do Sul (29 mil) e Pernambuco (28 mil.)

Roraima, com 1,7 mil presos, é o Estado com menos detentos. Amapá (2 mil), Piauí (2,9 mil), Acre (3,5 mil), e Sergipe (4,1 mil) aparecem na sequência.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Superlotação em prisões brasileiras cresce 20%, aponta Anuário de Segurança - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV