A nova Constituição de Francisco

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • O cálculo político de Ciro Gomes

    LER MAIS
  • Tomar a Bíblia ao pé da letra

    LER MAIS
  • A riqueza dos mais ricos cresce um trilhão durante a covid. O ranking dos patrimônios

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Por: André | 05 Outubro 2013

Adeus, Pastor Bonus. A Constituição Apostólica que regula o funcionamento da cúria será substituída dentro de pouco tempo por uma nova “Carta”. Durante o encontro, nesta quinta-feira com os jornalistas, o porta-voz da Santa Sé, o padre Federico Lombardi, anunciou que do C8 dos cardeais-conselheiros não sairão “emendas ou mudanças marginais”, mas a “redefinição em conjunto da organização da cúria”. Será realizada em tempos racionalmente factíveis, mas o resultado foi traçado: a constituição que “aposentará” a Pastor Bonus refletirá uma “configuração nova em pontos relevantes” e estará inspirada no princípio da subsidiariedade. O resultado será uma cúria a serviço das Igrejas locais.

A reportagem é de Giacomo Galeazzi e publicada no sítio Vatican Insider, 03-10-2013. A tradução é de André Langer.

Acabou-se o “centralismo romano”. Além dos temas da Pastoral Familiar (que inclui também a questão da comunhão aos divorciados em segunda união), haverá discussões sobre o Sínodo dos Bispos, cujo programa já foi definido pelos cardeais. A Secretaria de Estado será transformada em uma secretaria papal e, provavelmente, terá um “moderator curiae” que facilitará a coordenação entre os diferentes entes vaticanos. O tema dos leigos na Igreja terá uma importância maior. Estas são algumas das ideias que surgiram durante os trabalhos do conselho de cardeais, que voltará a se reunir em fevereiro de 2014.

“Particularmente evidente nas considerações do Conselho foi a intenção de insistir no papel de serviço da cúria à Igreja universal e às Igrejas locais”, destacou o padre Federico Lombardi. Os oito cardeais (de onde vem a abreviação C8) conselheiros do Papa propuseram o tema da subsidiariedade, isto é, um papel não “central” do Vaticano, segundo um esquema no qual Roma desenvolve “o que é necessário para ajudar o bom trabalho” da Igreja no mundo.

O conselho dos oito cardeais, que se reuniu de segunda até quinta-feira com o Papa, dedicou o último dia principalmente ao tema da “reforma da cúria” romana. Não se caminha na direção de uma “simples atualização” da Pastor Bonus, a Constituição Apostólica de 1988 sobre a cúria romana, “com retoques cosméticos, pequenos ajustes ou revisões marginais”, mas na direção da “redação de uma constituição com novidades muito consistentes”. Segundo o padre Lombardi, “ao final do trabalho”, que “irá requer o tempo adequado”, “creio que devemos esperar uma nova constituição”.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

A nova Constituição de Francisco - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV