''Francisco não se dá conta dos danos que está fazendo''. Entrevista com Michael Novak

Revista ihu on-line

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Mais Lidos

  • Os bispos do Sínodo farão um novo “Pacto das Catacumbas” para a Amazônia

    LER MAIS
  • A ideologização da Sociologia (além de uma simples distração). Artigo de Carlos Gadea

    LER MAIS
  • Críticos não percebem a importância global do Sínodo da Amazônia, afirma Peter Hünermann

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

24 Setembro 2013

"Um amigo me perguntou se o papa se dá conta dos danos que ele faz com esses comentários extemporâneos. Certamente, usar a palavra 'obsessão' com relação àqueles que sempre trabalharam pela defesa da vida é algo que fere".

A reportagem é de Paolo Mastrolilli, publicado no jornal La Stampa, 21-09-2013. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Em mais de 20 anos que o conhecemos, nunca tinha acontecido antes ouvir palavras tão dúbias com relação ao papa por parte de Michael Novak, talvez o mais conhecido filósofo católico norte-americano, muito ligado a João Paulo II e a Bento XVI.

Eis a entrevista.

O que você pensa da entrevista concedida por Francisco à Civiltà Cattolica?

Eu vi dois tipos de reações: a do meu amigo, que eu descrevi; e a de George Weigel, segundo o qual é preciso nos acostumarmos aos comportamentos de um pontífice evangélico, que não se dirige a nós como acadêmico, mas sim como pregador. Weigel tem razão, mas usar palavras como "obsessão" fere os fiéis que até mesmo arriscaram as suas vidas para proteger a vida.

Francisco quer mudar a doutrina ou o tom da Igreja?

O tom. Mas o efeito corre o risco de ser prejudicial.

Por quê?

Ele coloca muitos cristãos na defensiva, justamente quando são atacados. Ao mesmo tempo, incentiva as críticas contra a Igreja, por parte dos seus adversários declarados, que não esperavam outra coisa.

A que você se refere?

As suas palavras o expõem à instrumentalização por parte daqueles que querem atacar a Igreja. Basta olhar como o New York Times as usou.

Existe o risco de que uma parte dos fiéis norte-americanos deixe a Igreja?

Eu não acredito. Talvez os mais frágeis extremistas, mas será um fenômeno muito limitado. A esquerda, no entanto, vai se sentir encorajada a pressionar por mudanças da doutrina.

Não há também a possibilidade inversa, a de que um "papa evangélico" reaproxime os fiéis?

Cristo também trouxe elementos de contradição, talvez não seja possível evitar isso. Talvez seja bom que esse papa, reconduzindo a Igreja às raízes da sua missão, nos leve a refletir.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

''Francisco não se dá conta dos danos que está fazendo''. Entrevista com Michael Novak - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV