Jejum e oração contra a globalização da indiferença

Revista ihu on-line

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Mais Lidos

  • Bolívia. “O elemento central da derrubada de Evo Morales não é a direita, mas o levante popular”. Entrevista com Fabio Luís Barbosa dos Santos

    LER MAIS
  • Finanças do Vaticano, o jesuíta espanhol Juan Antonio Guerrero é o novo prefeito

    LER MAIS
  • Representante do Papa participa de Encontro "Economia de Francisco" na PUC-SP

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

Por: André | 09 Setembro 2013

“Já não sou praticante, mas hoje estou aqui para jejuar com Francisco, porque a indiferença mata mais que as armas”. Gianluca Franco, engenheiro calabrês de 41 anos, levou sua família à Praça São Pedro “depois de ter visto na televisão as imagens dos civis atacados com gás sarin”. Sua esposa, Ilenia, está grávida, mas decidiu seguir a norma canônica que prescreve uma única refeição durante o dia, ao passo que sua filha de 15 anos, Melissa, jejuará durante todo o dia. Não é um sábado qualquer que se vive na basílica vaticana.

 
Fonte: http://bit.ly/14sRHlF  

A reportagem é de Giacomo Galeazzi e publicada no sítio Vatican Insider, 07-09-2013. A tradução é de André Langer.

Hoje, os peregrinos não chegaram para fazer turismo: respondem à convocação de Bergoglio. Rezam e jejuam pela paz na Síria. “Senti o dever de estar aqui – conta Rita Andreolli, comerciante de Módena. A presença é um sinal de testemunho, enquanto no Oriente Médio a vida parece ter perdido valor”. Lucia Bossi veio de Milão porque “o que conta verdadeiramente na vida é a paz e jejuando me sinto em comunhão com Cristo”. São motivados e inspirados por Francisco: fazem parte de grupos eclesiais ou não, são crentes ou não. Todos estão preocupados com a espiral de violência que se vive na Síria.

“O jejum não é apenas um ato penitencial: é uma abertura a Deus e ao próximo – observou o padre Ciro Benedettini, vice-diretor da Sala de Imprensa da Santa Sé. Todas as grandes religiões praticam o jejum, e o apelo do Pontífice foi acolhido inclusive por muitos ateus”. Stefania, da Sardenha, 30 anos, se pergunta com suas amigas: “Por que é preciso jejuar? Uma pequena renúncia para implorar o grande dom da paz, um sacrifício pessoal para obter um imenso bem para todos”.

O custódio da Terra Santa, o padre Gianfranco Pinto Ostuni, voou para Roma. “O clima que vivemos é muito tenso. Já estão distribuindo máscaras antigas devido ao temor de consequências militares contra Israel, no caso de uma incursão estadunidense”. O “Syria day” convocado pelo Papa Francisco, acrescenta o padre Giranfranco, “já obteve um resultado histórico: unir diferentes religiões com o objetivo comum de pacificar a zona”.

Os números dão razão ao Papa: mais de um italiano de cada quatro (28%) aderiu ao dia de jejum e oração. Além disso, aderiu a esta iniciativa de Bergoglio mais da metade dos católicos praticantes (55%), segundo uma pesquisa da Swg. Vigília, oração, intermediação, jejum e confissão.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Jejum e oração contra a globalização da indiferença - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV