Professora transexual leva experiência à universidade

Revista ihu on-line

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Mais Lidos

  • O agrotóxico que matou 50 milhões de abelhas em Santa Catarina em um só mês

    LER MAIS
  • “Estamos diante de uma crise do modelo de civilização”. Entrevista com Donna Haraway

    LER MAIS
  • Líder indígena diz que “o Irmão Francisco” está arriscando sua vida pela Amazônia

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

29 Agosto 2013

Há mais de duas décadas ela leciona para crianças e adolescentes. Parte desse tempo como Mário, parte como Marina. Após transformar o corpo, a professora de 42 anos transformou a história de vida pessoal em inspiração para o tema da dissertação de mestrado.

A reportagem é de Jaqueline Sordi, publicada no jornal Zero Hora, 28-08-2013.

A mestre que chamou a atenção de pais, alunos e professores ao sair de férias como Mário e retornar como Marina, em 2006, hoje transforma sua experiência em pesquisa acadêmica.

Problematiza um tema raramente debatido: a presença de transexuais no espaço letivo.

Foi na faculdade de Educação da UFRGS, sob orientação do professor e doutor Fernando Seffner, que Marina encontrou espaço para desenvolver a pesquisa. Pela análise da vida pessoal e acadêmica de outras sete professoras – cinco transexuais e duas travestis – de diferentes cidades do Brasil, Marina buscou identificar os impactos educacionais da atuação delas.

– Passamos a compreender melhor o que ocorre quando um transexual leciona, a partir da forma como a sexualidade entra junto na sala de aula – conta o orientador.

A partir disso, foi-se configurando o que Marina denominou de uma “pedagogia do salto alto”, expressão que deu nome à dissertação. Nesta modalidade pedagógica, elementos que dizem respeito ao corpo, ao gênero e à sexualidade da professora, tradicionalmente silenciados, trazem impactos no desempenho docente.

Alunos se sentem mais livres para falar de sexualidade

Marina destaca que, em todos os relatos, foi apontada uma proximidade na relação professor-aluno.

– Essas professoras são marcadas por uma sexualidade muito mais evidente, e isso dá mais liberdade, principalmente aos adolescentes, a falar sobre o assunto.

Conforme Seffner, a atuação dessas profissionais provoca uma “desordem” na transferência que normalmente ocorre da figura materna para a professora, o que põe crianças e professores em um lugar que não é comum:

– Por isso, elas precisam ser excelentes profissionais, já que sabem, pela história de vida, que são vulneráveis. Estas professoras fizeram um grande esforço pela sua qualificação.

Para Esalba Silveira, assistente social do Programa de Transtorno de Identidade de Gênero do Hospital de Clínicas, o bom professor não passa, necessariamente, pela questão de identidade de gênero:

– O que é relevante em sala de aula e na relação com os alunos é a sua compreensão e capacitação e, talvez por isso, esses profissionais se destaquem, já que os esforços para sua aceitação, em todos aspectos da vida, são maiores.

Marina destaca que os entrevistados mencionaram situações de preconceito por parte de colegas de profissão, o que não ocorreu em sala de aula.

Conforme Esalba, isso se dá porque adolescentes e crianças acompanham um movimento de maior aceitação às diferenças. Outras gerações estariam mais presas a modelos anteriores.

O despertar da vontade de estudar o tema

Natural de Montenegro, Marina é a quinta entre cinco irmãos. Apesar de ter nascido com sexo masculino e sido registrada como Mário Reidel, confessa que nunca se identificou com o gênero. Na infância, violência, abuso e solidão ocuparam o espaço das amizades e brincadeiras.

Com a adolescência e a falta de espaço para debater a sua falta de identificação sexual no âmbito familiar e escolar, o problema cresceu:

– Só sabia que era diferente.

Como uma fuga ao ambiente hostil que imaginava encontrar no Ensino Médio, decidiu cursar magistério. Aos 17 anos, formou-se e, no ano seguinte, já começou a lecionar. Foram mais de 10 anos alfabetizando crianças como Mário. Neste período, além da mudança de cidade – passou a dar aulas na escola Rio de Janeiro, na Capital – mudou também de gênero.

Prestes a completar 30 anos, o então professor tomou a decisão de se assumir como mulher. Durante as férias de julho, começou a transformação. Após injeções de hormônios e cirurgias, Mário deixou as calças compridas e reapareceu de vestido, salto alto, com maquiagem e um novo nome.

– Outros professores já haviam conversado com os alunos e explicado o que aconteceria. Eles já estavam sendo preparados, mas quando retornei, foi um rebuliço – conta.

Novo comportamento dos alunos chamou a atenção

Os olhares curiosos e questionadores dos alunos chamaram a atenção da nova Marina, que observou atentamente a reação deles frente à transformação. Naquele período, ela lecionava artes na escola para crianças de 10 a 17 anos. Marina conta que os mais novos foram compreendendo a mudança em etapas, a partir do que os mais velhos explicavam. Após alguns meses, uma alteração no comportamento deles despertou o interesse da professora: passaram a se aproximar mais dela.

– Notei que eles começaram a recorrer mais a mim para esclarecer dúvidas, tanto sobre conteúdo quanto questões pessoais.

Somando a experiência de vida às novas percepções no âmbito escolar, Marina decidiu se aprofundar no tema. Ela é graduada em Artes pela Feevale, pós-graduada em Psicopedagogia pela Faculdade Castelo Branco e, agora, mestre.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Professora transexual leva experiência à universidade - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV