O crime da indiferença

Revista ihu on-line

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Grande Sertão: Veredas. Travessias

Edição: 538

Leia mais

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

Mais Lidos

  • Deveríamos chamar os padres de ''padres''?

    LER MAIS
  • ''Há um plano para forçar Bergoglio a renunciar', denuncia Arturo Sosa

    LER MAIS
  • “Este Sínodo, em sua profecia, é fiel aos gritos dos pobres e da irmã Mãe Terra”. Entrevista com Mauricio López

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

12 Julho 2013

Tentemos imaginar uma história completamente diferente na semana passada do papa. Uma história secreta, não confessada, não oficial. Às vezes um relato fantasioso se aproxima da verdade.

A reportagem é de Barbara Spinelli, publicada no jornal La Repubblica, 10-07-2013. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Imaginemos, portanto, isto: que o Papa Francisco tenha aceitado assinar uma encíclica escrita quase por inteiro por Joseph Ratzinger, porque, de fato, ele não estava interessado na encíclica. Que o que lhe interessava, acima de tudo, o que o convocava era a viagem a Lampedusa, à beira daquele Mediterrâneo onde morreram, desde 1988, 19 mil migrantes em fuga da pobreza, das guerras, das torturas. Veremos outros dramas, com o Egito que mergulha no caos e no massacre.

Tão grave é o mal deste mundo, tão vastas as culpas dos indivíduos, dos seus Estados, até da Igreja, que se ocupar com a teologia de modo tradicional – com preceitos, verdades absolutas – pode parecer uma distração, se não uma incúria. Preenche-se um vazio para ocultá-lo. Enche-se o vazio com palavras doutorais, quando a emergência é outra: ir àquela ilha, símbolo das nossas hipocrisias e da nossa desonra. A teologia não faz chorar, e precisa-se de lágrimas acima de tudo, disse o pontífice. O mundo saiu dos eixos, 19 mil mortos são o escândalo que nenhum político grita, e o papa encontrou a palavra que o desnuda e o define: a globalização da indiferença.

É como se o papa dissesse (mas estamos imaginando): "Eu não escrevo encíclicas, por enquanto. Ou, melhor, proponho uma totalmente nova: fazendo-me testemunha e pastor que não teoriza, mas age. Eu vou aonde as lágrimas são substância do mundo". Como Ahab, o caçador da baleia branca em Moby Dick: sob o chapéu enfiado, cai no oceano uma lágrima sua. "Todo o Pacífico não continha tantas riquezas que valessem aquela mísera gota". Porque onde há teologia não há teofania: onde há ideologia fala-se de Deus, mas Deus não se manifesta.

Imaginemos que seja uma forma de exílio essa recusa a escrever encíclicas agora. Um "exilar-se permanecendo ali", explica Carlo Ossola em um artigo de fevereiro de 2012 no jornal Sole 24 Ore: uma peregrinatio in stabilitate, segundo os monges antigos. Uma "desocupação de espaços" para acolher o próximo sem que ele se torne um incômodo, disse uma vez Roland Barthes. É o que Jesus fez, ele que não escrevia tratados, mas andava por aí entre as pessoas "nas escuras ruas da cidade" (nas "periferias existenciais" evocadas em março pelo papa), como o Cristo contado por Dostoiévski, que volta para a terra e sai salvo da prisão do Grande Inquisidor de Sevilha.

Jesus não esculpe leis divinas sobre a pedra quando assiste ao processo da adúltera: urge frear um linchamento. Em um primeiro momento, ele se cala, se inclina para a terra e escreve na areia uma outra lei, que não se fixa, porque na areia o vento passa. O importante é que a sua palavra se encaminhe nas mentes, abrindo um vazio e fazendo silêncio ao redor. Dizem que não é teologia: na realidade, é teologia diferente.

Gianfranco Brunelli o explica muito bem em um artigo na revista Il Regno: existe um estilo cristão (o estilo de Jesus), não menos sofisticado, das doutrinas, e o papa o assume quando proclama: "O mundo de hoje tem tanta necessidade de testemunhas. Não tanto de mestres, mas de testemunhas. Não falar muito, mas falar com toda a vida" (18 de maio de 2013).

A Palavra é central no cristianismo e nas religiões do Livro. Não a palavra escrita doutamente. Mas sim aquela que fala ao outro: aos submersos, sofredores, aos "caros imigrantes muçulmanos", aos quais o papa deseja um Ramadã rico em "abundantes frutos espirituais", e para os muitos que, diante do sofrer, dizem no máximo "pobrezinho!" e, impassíveis, passam para o outro lado.

Francisco não passa para o outro lado, ao contrário, coloca a si mesmo entre os culpados da indiferença: "Muitos de nós, eu me incluo, estamos desorientados, não estamos mais atentos ao mundo em que vivemos, não cuidamos, não protegemos o que Deus criou para todos e não somos mais capazes sequer de protegermo-nos uns aos outros. (...) Nós nos acostumamos com o sofrimento do outro, ele não nos diz respeito, não é assunto nosso!".

A Igreja Romana é pecadora, assim como na Divina Comédia de Dante ela é responsável pelo mundo que saiu dos eixos, devastada pelo poder temporal. E culpados são os soberanos do Ocidente, que toleram as pobrezas extremas, e um Mediterrâneo fúnebre, e o imundo comércio de quem "explora a pobreza dos outros, fazendo dela uma fonte de renda".

Chegando a Lampedusa, o papa sorriu aos migrantes, mas, por outro lado, seu rosto estava absorto, a cabeça inclinada. Durante a missa, ele não passou por entre a multidão, para a troca de saudações. Não está com a cabeça inclinada quem edifica doutrinas, o olho fixo no crucifixo: portanto, mais sobre a morte de Jesus do que sobre a sua vida e as suas obras terrenas. Mantém a cabeça abaixada quem expia, ou está entristecido, ou simplesmente pensa e se cala como Jesus com a adúltera.

Sobre o que o papa pensa? Na homilia, ele diz. Desde que soube das muitas mortes no mar, o pensamento da tragédia se finca "como um espinho no coração, que traz sofrimento". Então, ele logo respondeu "sim" ao convite para visitar a ilha. A encíclica lhe era indiferente (imaginemos, novamente): "Eu senti que devia vir aqui hoje para rezar, para fazer um gesto de proximidade, mas também para despertar as nossas consciências, para que o que aconteceu não se repita". Por duas vezes ele disse o verbo – "que não se repita, por favor" –, como um mendicante que tem raiva por dentro e a segura.

Ele também pensou nas poucas palavras que Deus dirige à humanidade no Gênesis. Uma primeira vez ao homem que, recém-criado, peca: "Onde estás, Adão?". Depois ao primeiro fratricida: "Caim, onde está o teu irmão?". Nasceu daí uma "cadeia de erros, que é uma cadeia de morte". Daí a terceira pergunta do pontífice: "Quem de nós chorou por esse fato e por fatos como esse?" A conclusão à qual ele chega não é à que estamos habituados: nenhuma menção ao relativismo, ao niilismo, palavras europeias dos séculos passados. Essenciais são as lágrimas, a anestesia do coração.

"Somos uma sociedade que esqueceu a experiência do chorar, do padecer-com". Eis a globalização da indiferença: ela é terrível porque "nos tirou a capacidade de chorar". Porque se alimenta de políticas que geram caos e que o chamam de paz.

Tudo isso nós podemos imaginar, sem nos afastar demais da verdade. Dizem que um papa assim é apolítico, porque vai para as periferias existenciais detestadas pelos Grandes Inquisidores, e faz política quando poderia se instalar em uma encíclica. A irritação é máxima. Basta citar a reação de Cicchitto, arauto de Berlusconi: "Uma coisa é a pregação religiosa, outra é a gestão por parte do Estado de um fenômeno tão difícil como a imigração irregular". Coisas semelhantes diz o ministro grego do Interior (Nikos Dendias, homem de Samaras), brandindo os nazistas da Aurora Dourada.

O pecado da indiferença tem uma longa história na Europa. O escritor Herman Broch o chamou, narrando a Alemanha pré-hitleriana, de crime da indiferença: mais grave ainda do que o pecado de omissão, porque não é perseguível penalmente (no primeiro caso, há ao menos o crime de omissão de socorro). O indiferente não se acordou quando podia. "Ele não esteve atento ao mundo em que vivemos", diz o papa, "Não cuidamos e protegemos o que Deus criou para todos".

Quem defende o próprio bem-estar jogando ao mar os "homens demais" usa o cristianismo, mal disfarçando o racismo e mobilizando-se em torno da tríade "Deus, família, pátria tribal". E tem até, como Cicchitto, a ousadia de invocar a laicidade: que o Estado governe, e os papas escrevam encíclicas.

Desobediente, imperturbável, o papa rompe essa ordem embalsamada. Não é por acaso que o seu nome é Francisco. Sabemos que as pregações de Francisco mudaram o mundo.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

O crime da indiferença - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV