Ladeira acima e ladeira abaixo

Revista ihu on-line

Veganismo. Por uma outra relação com a vida no e do planeta

Edição: 532

Leia mais

Etty Hillesum - O colorido do amor no cinza da Shoá

Edição: 531

Leia mais

Missões jesuíticas. Mundos que se revelam e se transformam

Edição: 530

Leia mais

Mais Lidos

  • O melhor professor do mundo é Peter, franciscano do Quênia

    LER MAIS
  • Bolsonaro estimula celebração do golpe militar de 1964; generais pedem prudência

    LER MAIS
  • Líder de movimento social é assassinada no Pará

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

21 Junho 2013

"“Não só de pão vive o homem!” Estas palavras da Escritura parecem calhar bem a propósito de nosso país, depois desses últimos anos de Brasil com um pouco mais de pão na mesa de todos. Não basta o pão!  Se ficarmos só nele, amesquinhamos nossa vocação humana, e deslegitimamos nossas reivindicações políticas", escreve D. Demétrio Valentini, bispo de Jales, SP, em artigo publicado no Informativo Diocesano, 20-06-2013.

Segundo ele, "as manifestações destes dias sinalizam para a necessidade urgente de diálogo. É preciso chamar o povo da ladeira para a praça! E preciso dialogar abertamente, valorizando as instituições, e colocando-as a serviço do povo".

Eis o artigo.

As manifestações de rua, ocorridas nestes dias em muitas cidades do país, se constituem em fato complexo, de difícil interpretação. Também porque é um fato ainda inacabado. Seu significado verdadeiro vai depender dos desdobramentos que suscitar.

 Em todo o caso, sua ambigüidade é evidente. Ao lado de pacíficas manifestações, em cima de reivindicações legítimas, abundaram atos de vandalismo, que comprometiam a legitimidade da manifestação.

 Para compreender adequadamente o fenômeno, é preciso ter em conta esta ambigüidade, que o contagiou de maneira fatal, e lhe tirou uma referência que poderia ser muito mais positiva.

 A falta de clareza dos objetivos que motivavam a manifestação parecia tirar dela a legitimidade que deveria ser inquestionável. Se o povo se coloca na rua, é porque está em jogo uma causa importante.

 Mas parecia haver um constrangimento dos próprios manifestantes, que se revelava na indefinição do rumo concreto a seguir e das atitudes a tomar.  A rua não dava plena legitimidade à manifestação. Parecia mais uma ladeira do que uma rua. E uma ladeira em que os manifestantes se empurravam, com risco de alguns retrocederem e descambarem ladeira abaixo.

 O preço do transporte urbano foi o motivo alegado para as manifestações, que logo tomaram um vulto desproporcional à reivindicação apresentada.

 Aí também fica evidente que existem causas que vão muito além daquelas que são explicitados por uma manifestação maciça de rua. Se as manifestações se limitassem a diminuir em alguns centavos o preço da passagem, seu tamanho resultaria bisonho.

 Talvez a lição maior, a ser tirada deste fato, que inequivocamente tomou um significado político indiscutível, esteja aí. O povo não se satisfaz com pequenas vantagens que a economia possa lhe dar. E um governo não pode se limitar a garantir o crescimento econômico.

 Temos necessidade de horizontes mais amplos. Queremos participar da elaboração de um projeto de país que corresponda aos sonhos de maior igualdade social, de participação nas decisões políticas, e de superação das injustiças históricas que marcaram nossa sociedade brasileira.   

 “Não só de pão vive o homem!” Estas palavras da Escritura parecem calhar bem a propósito de nosso país, depois desses últimos anos de Brasil com um pouco mais de pão na mesa de todos. Não basta o pão!  Se ficarmos só nele, amesquinhamos nossa vocação humana, e deslegitimamos nossas reivindicações políticas.

Não basta o crescimento econômico. Ele certamente faz parte do projeto de país que queremos. Mas existem muitos outros valores a serem contemplados, definidos, e propostos para a consecução prática.

Por décadas a CNBB incentivou, através de “semanas sociais” por ela empreendidas, a construirmos juntos um projeto de país “politicamente democrático, socialmente solidário, economicamente justo, ecologicamente sustentável, culturalmente plural, regionalmente diversificado e religiosamente ecumênico”.

As manifestações destes dias sinalizam para a necessidade urgente de diálogo. É preciso chamar o povo da ladeira para a praça!   E preciso dialogar abertamente, valorizando as instituições, e colocando-as a serviço do povo.

O fato não está ainda concluído. Como tal, está  sujeito à usurpação. Resta ver quem vai se apoderar dele politicamente. Sua legitimidade ficará garantida depois de depurado de suas ambigüidades, para ser colocado como sinal positivo de vitalidade democrática, sobretudo dos jovens que tiveram o mérito indiscutível do seu protagonismo.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Ladeira acima e ladeira abaixo - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV