''A Europa está desmoronando. A Igreja e a sociedade estão velhas e cansadas''. Entrevista com Angelo Scola

Revista ihu on-line

Veganismo. Por uma outra relação com a vida no e do planeta

Edição: 532

Leia mais

Etty Hillesum - O colorido do amor no cinza da Shoá

Edição: 531

Leia mais

Missões jesuíticas. Mundos que se revelam e se transformam

Edição: 530

Leia mais

Mais Lidos

  • O melhor professor do mundo é Peter, franciscano do Quênia

    LER MAIS
  • Bolsonaro estimula celebração do golpe militar de 1964; generais pedem prudência

    LER MAIS
  • Líder de movimento social é assassinada no Pará

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

18 Junho 2013

"A Europa está desmoronando, estamos cansados, velhos, seja como sociedade civil, seja como Igrejas. Devemos repensar a nós mesmos em termos radicais...". Às vésperas do encontro científico da fundação Oasis, que iniciou nesta segunda em Milão, o cardeal Angelo Scola dialoga com o jornal La Stampa sobre Oriente Médio, liberdade religiosa, laicidade do Estado e a referência à pobreza da Igreja que vem do Papa Francisco.

A reportagem é de Andrea Tornielli, publicada no jornal La Stampa, 16-06-2013. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Eis a entrevista.

Os protestos na Turquia são um capítulo da "Primavera Árabe"?

É mais um protesto civil, desencadeado por uma série de fatores, dentre os quais uma tentativa de islamização acompanhada de um desvio autoritário crescente. É mais um sinal que a Europa deve levar muito a sério.

O Ocidente queria "exportar a democracia" e agora está impotente diante dos massacres na Síria...

É preciso escutar acima de tudo: os bispos do Oriente Médio são contrários às intervenções armadas e consideram que faltam a nós, ocidentais, informações corretas sobre os chamados "rebeldes", entre os quais há também muitos filiados a grupos fundamentalistas. É claro que, em que toda essa área, parece ser evidente a contraposição entre muçulmanos sunitas e xiitas.

Por que os cristãos desses países muitas vezes sentem saudade dos velhos regimes?

Esses regimes autoritários sempre haviam lhes garantido uma certa liberdade e proteção. Mas isso não pode justificar as ditaduras e as suas atrocidades. Nós, ocidentais, no entanto, precisamos resistir à tentação de discutir isso teoricamente e diante de uma xícara de chá, pretendendo fazer julgamentos sobre situações que, em grande medida, nos escapam. "Exportar a democracia" é uma escolha que não tem realismo. É preciso mais tempo, paciência e uma concepção diferente das relações entre esses povos e a Europa.

Por que a Europa está assistindo, e os cristãos ocidentais perderam a voz?

Estamos cansados, velhos, seja como sociedade civil, seja como Igrejas. E é compreensível: há séculos, carregamos sobre as nossas costas fatos e questões muito complexas. Não gostamos de admitir isso, mas a Europa parece quase em declínio. É preciso uma nova síntese. A Providência está nos dando um incentivo com o novo papa que propõe que se recomece a partir da experiência elementar, comum a todas as pessoas. As Igrejas europeias devem ter a coragem de começar a partir daí.

Como o senhor vê a relação entre sociedade laica e religiões?

Como cristãos, não reivindicamos privilégios. Mas isso não significa que os poderes institucionais devem neutralizar as religiões e as culturas, criando uma espécie de terra de ninguém. Ao invés, é necessária uma aconfessionalidade positiva para com todos esses sujeitos. Eles têm uma fisionomia pública própria e devem ter um espaço para expressá-la, confrontando-se com as outras visões em vista de um reconhecimento comum.

Há quem diga: os cristãos têm uma certa ideia sobre a família, os outros devem ser deixados livres.

Certo! No entanto, se com isso se pretende tirar de nós, cristãos, a possibilidade de dizer a nossa palavra sobre essas questões, é profundamente equivocado. Se eu estou convencido de que a família fundada no matrimônio entre um homem e uma mulher, aberta à vida, é um bem para a sociedade e não coloco em comum essa minha visão, eu removo algo da própria sociedade. Isso é capital, mas não é entendido. E as tentativas de neutralizar certos princípios irrenunciáveis para os cristãos mostram que não se compreende o dinamismo da sociedade plural, na qual, para legislar adequadamente, é necessário um debate pacato, mas convincente.

Em muitos países, o reconhecimento das uniões homossexuais avança...

Uma coisa é assegurar os direitos individuais a todos, outra é atacar a família direta ou indiretamente.

O senhor não acredita que os católicos na política têm apontado apenas para certos valores "inegociáveis", esquecendo-se de outros?

Os princípios têm uma hierarquia: acima de tudo, há a visão da pessoa, depois a vida social que dela deriva. Mas São Tomás já afirmava que o destino dos bens é universal, por isso todos, mesmo os bens privados, são dados apenas em uso. Quando eu decido comprar alguma coisa, se eu sou justo, não posso deixar de pôr a mim mesmo o problema da fome no mundo. O europeu deve repensar a matéria complexa das finanças com relação à produção. Abordamos a relação entre ética e política, menos a relação entre economia e política. Sujeitamo-nos ao mercado como se fosse uma necessidade natural e não um fato de cultura.

Que avaliação o senhor faz a três meses da eleição de Francisco?

Estou impressionado com a sua força de testemunho, com o seu estilo de vida e com a sua capacidade de relação com as pessoas. Eu acredito que é uma grande graça. Parece-me que ele também está consciente da necessidade de tomar decisões e que ele sabe decidir.

O papa denuncia a doença da autorreferencialidade, convida a sair...

O problema é grave. Realmente, somos autorreferenciais demais, em todos os níveis. Desde outubro do ano passado em Milão, estamos dando início a uma nova proposta pastoral intitulada "O campo é o mundo", justamente porque nos damos conta de que a grande vitalidade presente nas nossas comunidades nos encontra muitas vezes auto-ocupados. Estamos empenhados em tantas iniciativas, mas nem sempre somos capazes de um verdadeiro testemunho. Mas sair não significa construir espaços neutros, mas sim testemunhar que Jesus é a boa notícia para a pessoa de hoje, para a sua dificuldade de amar, para as feridas relacionadas aos relacionamentos afetivos, para o gelo demográfico em que caímos, para a incapacidade de edificar a justiça e de construir postos de trabalho para os jovens, para a dialética superficial que se encontra em nível político.

Como o senhor avalia o apelo de Francisco à pobreza da Igreja?

A situação de não pobreza das nossas Igrejas se deve à complexidade da nossa história: basta pensar no peso das burocracias nas nossas estruturas. Pobreza significa proporcionar os meios ao fim. Devemos gerar uma vida eclesial essencial, sóbria e proporcional ao único objetivo de testemunhar o Evangelho, sem redundâncias inúteis.

O que o senhor pensa sobre a decisão do papa de se dotar de oito cardeais conselheiros?

No gesto profético da renúncia de Bento XVI, também estava implícito um grito: não se pode deixar sobre os ombros de uma única pessoa o exercício de uma tarefa tão pesada. No pré-conclave, dissemos que, sem afetar o primado, seria providencial que o novo papa encontrasse novas formas para guiar a Igreja. Esse grupo de trabalho é positivo, e eu penso que, nessa direção, também poderá haver outras coisas.

A dez anos da fundação da Oasis, que percepção o senhor tem da relação entre cristianismo e islamismo?

A Oasis nasceu porque nos demos conta de que havia e há uma grande ignorância recíproca. A ignorância aumenta o medo e impede que se interpretem os processos em curso na história, que não podemos parar, mas tentar orientar. O resultado mais bonito foi reunir uma centena de personalidades – cristãos e muçulmanos – que aprenderam a se conhecer, a se estimar e a pensar juntos. Sem simplificar os problemas ou cancelar as diversidades, entendemos que devemos olhar uns para os outros, criando um patrimônio comum.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

''A Europa está desmoronando. A Igreja e a sociedade estão velhas e cansadas''. Entrevista com Angelo Scola - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV