Sindicatos protestam contra governo de Goiás no hotel da seleção

Revista ihu on-line

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Mais Lidos

  • Uma visão do suicídio no Brasil em resposta à outra visão apresentada

    LER MAIS
  • "É hora de reaprender a arte de sonhar com os xamãs nativos"

    LER MAIS
  • O Evangelho de Lucas, “ano C”

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


12 Junho 2013

Aos gritos de "Marconi, bicheiro, devolve meu dinheiro", um grupo de cerca de 50 pessoas se reuniu, na tarde desta terça-feira, à frente do hotel da seleção brasileira, em Goiânia. O grupo reúne ao menos quatro entidades classistas e estudantes da UEG (Universidade Estadual de Goiás), que pedem reajuste salarial e investimento em educação ao governador do Estado, principal alvo dos protestos.

"Quando o governador gasta com seleção e deixa a universidade em condições precárias, ele mostra que só está preocupado com o espetáculo. A presença da seleção é uma contradição na cidade", Bernardo Cunha, professor da UEG.

A reportagem é de Gustavo Franceschini e Ricardo Perrone e publicada pelo Portal Uol, 11-06-2013.

A reivindicação principal dos trabalhadores diz respeito ao Database, reajuste salarial anual que deveria ser liberado em maio. Segundo os sindicatos, o dinheiro não saiu e o governo do estado se recusa a negociar com os trabalhadores. Já os estudantes pedem que uma fatia maior do orçamento seja investida na universidade que, segundo eles, está sucateada.

Diante disso, eles resolveram aproveitar a presença de parte da imprensa nacional na cidade para protestar diante do hotel da seleção, localizado em uma das avenidas mais movimentadas da cidade.

O ato foi pacífico. Com faixas, gritos de guerra e alguns rojões, os sindicalistas gritaram palavras de ordem contra Marconi Perillo. O uso do termo "bicheiro" é uma referência à suposta ligação do governador com Carlos Cachoeira, bicheiro que chegou a ser preso por crime organizado e corrupção.

Os letreiros exibidos diante do hotel fizeram alusão à Copa do Mundo. "Enquanto a bola rola, o Marconi só enrola", dizia um dos textos. "Saúde e educação, da Copa eu abro mão", gritavam os manifestantes em outro momento.

Os sindicatos protestam também contra o investimento que o governo estadual fará na reforma da Serrinha, sede social do Goiás que recebeu apenas um treino da seleção. Como o UOL Esporte revelou na semana passada, Marconi Perillo alterou grande parte da lei do projeto Proesporte, que destina verba do ICMS para o setor, para poder investir R$ 2,5 milhões no clube local, sob o pretexto de que o novo gramado abrigaria Luiz Felipe Scolari e companhia.

O protesto teve seu ápice na chegada do ônibus da seleção brasileira. Por trás dos vidros fechados e escuros do veículo, os jogadores mal tiveram contato com a manifestação e entraram direto no hotel.

O ato foi organizado por estudantes da UEG, que está parcialmente em greve desde o fim de abril. Além do movimento "Mobiliza UEG", estiveram presentes ao menos quatro sindicatos: Sindipublico, Sindifisco (dos fiscais de arrecadação), Sindisaúde (dos profissionais de saúde) e a União Goiana de Policiais Civis e Associação de Cabos e Soldados, segundo .

Só que o protesto não foi unânime. Na praça que fica em frente à concentração estavam os sindicalistas e estudantes, com faixas, rojões e palavras de ordem. Do outro, na calçada do hotel, as torcedoras fanáticas por Neymar e Lucas seguiam aos berros pelos jogadores, de costas para toda a movimentação. Quando um protestante perguntou "cadê você, Marconi?", um garoto logo emendou: "Ele não está aqui", dando o tom de contraste na situação.

A reportagem consultou a assessoria de imprensa do governo estadual, que minimizou os protestos. O órgão diz que está em contato com os estudantes para encerrar a greve da UEG e admite que o reajusta do Database está atrasado. A explicação seria o aperto financeiro do Estado, que não teria aumentado os salários para não ferir a Lei de Responsabilidade Fiscal.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Sindicatos protestam contra governo de Goiás no hotel da seleção - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV