No Conexões Globais, jornalistas debatem a profissão na era das redes

Revista ihu on-line

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Mais Lidos

  • Viagem ao inferno do trabalho em plataformas

    LER MAIS
  • Metaverso? Uma solução em busca de um problema. Entrevista com Luciano Floridi

    LER MAIS
  • A implementação do Concílio no governo do Papa Bergoglio. Artigo de Daniele Menozzi

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


27 Mai 2013

Quatro jornalistas de diferentes esferas de atuação debateram neste sábado (25) o exercício da profissão na era da internet. A discussão ocorreu durante um painel do evento Conexões Globais, em Porto Alegre, na Casa de Cultura Mário Quintana, e contou com a presença da repórter da revista Carta Capital Cynara Menezes, da editora da Agência Pública e integrante do Wikilieaks no Brasil Natália Vianna, do ex-ministro da Comunicação Social Franklin Martins, e da secretária estadual de Comunicação e Inclusão Digital Vera Spolidoro.

A reportagem é de Samir Oliveira e publicada por Sul 21, 25-05-2013.

A jornalista Natália Viana foi responsável pela divulgação dos documentos vazados pelo Wikileaks no Brasil. Ela entende que a organização fundada por Julian Assange é “uma ideia muito poderosa e perigosa no fazer jornalístico na era da internet” e que o trabalho do grupo está “escancarando o fim da era da indústria da notícia”.

Ela observa que, após o surgimento do Wikileaks, diversos coletivos jornalísticos têm se organizado para realizar reportagens e investigações “sem a necessidade de se ter uma grande indústria ou empresa por trás”.

A repórter Cynara Menezes disse que a internet acabou atropelando um pouco o debate em torno da democratização da comunicação. Entretanto, ela considera que a rede tornou a divulgação e o acesso aos conteúdos mais democrática e livre. “Hoje qualquer pessoa é dona de um veículo de comunicação”, pontuou.

A jornalista acredita, entretanto, que é preciso ter cuidado para que a internet não reproduza os mesmos monopólios e o mesmo fazer jornalístico da mídia tradicional. “Os donos dos jornais estão dominando os portais. É preocupante que os maiores portais de notícia do país sejam de donos de jornais e reproduzam um conteúdo que é um lixo jornalístico”, criticou.

O ex-ministro Franklin Martins afirmou que “os tradicionais donos do poder têm muitos motivos para estarem preocupados” com o jornalismo que vem sendo possibilitado pela internet. Ele observa que as redes estão modificando um padrão jornalístico existente desde o surgimento dos periódicos.

“Não existe mais um centro ativo produtor de informações e uma massa receptora passiva. Não existe mais uma imprensa que fica no Olimpo, esse jornalismo acabou”, disse.

Para Vera Spolidoro, não se pode encarar o jornalismo – e a militância político-social – nas redes com “uma certeza positivista”. Ela considera que estamos vivendo um momento de “transição de paradigmas” e que a internet e suas ferramentas proporcionam mais plataformas para a ampliação de atividades que já eram feitas antes de seu surgimento.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

No Conexões Globais, jornalistas debatem a profissão na era das redes - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV