Moradores de Altamira estão debaixo d’água

Revista ihu on-line

SUS por um fio. De sistema público e universal de saúde a simples negócio

Edição: 491

Leia mais

A volta do fascismo e a intolerância como fundamento político

Edição: 490

Leia mais

Maria de Magdala. Apóstola dos Apóstolos

Edição: 489

Leia mais

Mais Lidos

  • Como enfrentar o fundamentalismo

    LER MAIS
  • Reinstituição das diaconisas. Artigo de Felipe Arizmendi, bispo de San Cristóbal de Las Casas, M

    LER MAIS
  • Áreas sociais sofrem cortes, e Temer já indica perdas previdenciárias e trabalhistas

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU

close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

22 Março 2013

Dezenas de famílias das regiões mais baixas de Altamira tiveram suas casas alagadas depois da forte chuva que caiu na madrugada desta terça, 19. As moradias ficam abaixo da cota 100, apontada pelos estudos técnicos como as áreas que serão alagadas com a construção de Belo Monte.

A informação é do Movimento Xingu Vivo Para Sempre, 21-03-2013.

“Os bombeiros que estavam no local disseram que com certeza o alagamento não foi só por conta da chuva, e que faz quatro anos que a situação não ficava desta maneira. Os bombeiros reclamaram das péssimas condições de trabalho, da falta de pessoal e de equipamentos, que não são suficientes para responder ao número de demandas desde o inicio da construção de Belo Monte”, explica Maira Irigaray, assessora do Movimento Xingu Vivo. Segundo ela, está chovendo muito e a tendência é de piora. “Parece que muita gente vai ficar sem casa por uns dias. O fluxo de água é grande e forte; dizem que é impossível que seja só da chuva. Que seguramente alguma barragem pequena deve ter estourado, mas ainda não se sabe ao certo”, explica Maira.

Cerca de 20 mil pessoas terão que ser removidas das áreas alagadas pela usina, mas até o momento não há definição sobre os locais de reassentamento. De acordo com os moradores dos chamados baixões, o Consórcio Norte Energia estaria propondo a realocação para um terreno próximo ao lixão da cidade, o que seria inaceitável.