Papa Francisco se reúne com líderes religiosos, ateus e superior jesuíta

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Mais de 50 mil assinaturas exigem proteção para o Padre Júlio Lancellotti

    LER MAIS
  • Massacragem dos Chiquitanos vai à ONU. Artigo de Aloir Pacini

    LER MAIS
  • Um confinamento frutífero: em que o papa Francisco trabalhou durante a pandemia?

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


20 Março 2013

As notícias de Roma destes dias estão focadas extensivamente no estilo único que o Papa Francisco está trazendo para o papado.

A reportagem é de Joshua J. McElwee, publicada no sítio National Catholic Reporter, 20-03-2013. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Francisco acolheu uma espécie de confraternização religiosa nessa quarta-feira, encontrando-se com representantes de inúmeras outras comunidades cristãs ao mesmo tempo, assim como com líderes de outros grupos religiosos, incluindo as comunidades judaica, muçulmana e jainista.

Durante o encontro, realizado na ornamentada Sala Clementina do Vaticano, o papa optou por não se sentar em qualquer tipo de trono ou plataforma elevada. Vestindo uma simples batina e uma capa brancas, ele se sentou em uma poltrona na frente do grupo.

O primeiro a saudar o pontífice foi Bartolomeu I, o patriarca ecumênico de Constantinopla, com quem o papa se reuniu privadamente no início do dia. Ele também teve reuniões com o Metropolita Hilarion, do Patriarcado de Moscou, e com Claudio Epelman, diretor-executivo da Latin American Jewish Congress.

De pé, diante do papa, Bartolomeu – que foi o primeiro patriarca a participar de uma inauguração papal nos 2 mil anos de história do cristianismo – disse a Francisco que ele apreciava o seu estilo simples "no essencial, que enche de alegria os corações" de muitos cristãos e não cristãos. Bartolomeu também disse que Francisco deu prioridade à "justiça e misericórdia" no coração do ensino cristão.

"Temos uma obrigação de dar de comer os famintos, vestir os nus, curar os doentes e, mais em geral, cuidar dos necessitados", disse Bartolomeu, referindo-se tanto ao tempo de Francisco como arcebispo de Buenos Aires quanto à sua homilia na sua missa de inauguração na última terça-feira.

O papa, disse Francisco na missa, "deve (...) acolher, com afeto e ternura, a humanidade inteira, especialmente os mais pobres, os mais fracos, os mais pequeninos. Apenas aqueles que servem com amor capaz de proteger".

Falando aos líderes religiosos nessa quarta-feira, Francisco respondeu primeiro a Bartolomeu, chamando-o de "meu irmão André", uma referência ao irmão do apóstolo Simão Pedro, a quem os ortodoxos consideram o seu líder histórico, tanto quanto os católicos consideram Pedro como o deles.

Em seguida, Francisco disse que a presença de tantas delegações de diferentes crenças em sua inauguração o ajudou a se sentir "de forma ainda mais premente a oração pela unidade dos crentes em Cristo e, ao mesmo tempo, ver de algum modo prefigurada a sua plena realização, que depende do plano de Deus e da nossa leal cooperação".

Mencionando o Concílio Vaticano II diversas vezes, Francisco disse ter lembrado das palavras do Papa João XXIII ao abrir o Concílio em 1962, quando o Papa João XXIII incentivou a Igreja Católica a trabalhar pela unidade entre as Igrejas orientais e ocidentais.

"De minha parte, na esteira dos meus predecessores, desejo assegurar a firme vontade de prosseguir no caminho do diálogo ecumênico", disse Francisco. "E peço a caridade de uma oração especial pela minha pessoa, para que possa ser um pastor segundo o coração de Cristo".

Dirigindo-se aos líderes judeus presentes, Francisco mencionou novamente o Concílio Vaticano II, particularmente o seu documento sobre as relações com as religiões não cristãs, Nostra Aetate.

"A Igreja de Cristo reconhece que os primórdios da sua fé e eleição já se encontram, segundo o mistério divino da salvação, nos patriarcas, em Moisés e nos profetas", disse Francisco. "Estou confiante de que poderemos, com a ajuda do Altíssimo, continuar proficuamente aquele diálogo fraterno que o Concílio almejava e que efetivamente se realizou, produzindo não poucos frutos, sobretudo ao longo das últimas décadas".

Em seguida, dirigindo-se aos muçulmanos presentes, Francisco chamou-os como aqueles que "adoram o Deus único, vivo e misericordioso e O invocam na oração".

Terminando a sua intervenção, Francisco também disse que "sentimo-nos próximos também de todos aqueles homens e mulheres que, embora não se reconhecendo pertencentes a nenhuma tradição religiosa, todavia se sentem em busca da verdade, da bondade e da beleza".

Eles, disse o papa, "são nossos preciosos aliados no compromisso em defesa da dignidade humana, na construção de uma convivência pacífica entre os povos e na guarda cuidadosa da criação".

Papa se encontra com superior

Em um encontro diferente, Francisco se encontrou com o padre Adolfo Nicolás, superior geral dos jesuítas, no domingo, em Roma.

Embora o Vaticano não tenha emitido nenhuma declaração sobre o encontro entre o primeiro papa jesuíta e o superior da ordem, Nicolás divulgou um breve comunicado, que a revista America publicou.

Durante o encontro, o papa "insistiu que eu o tratasse como qualquer outro jesuíta", disse Nicolás, "de modo que eu não tive que me preocupar em usar o tratamento de Santidade ou Santo Padre".

Depois de oferecer ao papa "todos os recursos de que a Companhia dispõe, já que, em sua nova posição, ele vai se ver necessitado de pessoas, grupos de conselho e de reflexão", Nicolás disse que Francisco caminhou até a porta do hotel vaticano onde eles estavam reunidos e até se ofereceu para ajudar o superior geral a colocar o seu casaco.

"Deu-se um entendimento mútuo com paz e humor, falando do passado, presente e futuro", disse Nicolás. A despedida foi com "um abraço, modo natural de saudar e de receber a um amigo".

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Papa Francisco se reúne com líderes religiosos, ateus e superior jesuíta - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV