Compartilhar Compartilhar
Aumentar / diminuir a letra Diminuir / Aumentar a letra

Notícias » Notícias

Queres segui-lo até a cruz ?

Lucas nos convida a entrar com Jesus em sua Paixão, a reconhecer nossas fraquezas e, com Pedro, nossas fragilidades, a sentirmos sobre nós o olhar do Senhor, a levarmos, seguindo-o como Simão Cirineu, a sua cruz e a nos abandonarmos com ele nos braços do Pai.

A reflexão é de Raymond Gravel, padre da arquidiocese de Quebec, Canadá, publicada no sítio Réflexions de Raymond Gravel, comentando o evangelho do Domingo de Ramos e da Paixão do Senhor (24 de março de 2013). A tradução é de José Jacinto Lara.

Eis o texto.

Referência bíblica:
Evangelho: Lc 22,14-23,56

 

A Paixão segundo São Lucas tem suas particularidades:

1. É uma paixão a ser meditada ao longo de nossas experiências humanas nas quais Cristo se junta a nós, como ocorreu com os discípulos de Emaús, nos quais ardia o coração, ao ser proclamada, interpretada e atualizada a Palavra. Eles o reconheceram ao partir o pão (Lc 24.30-31). Ao longo deste caminho doloroso que leva à cruz, encontramo-nos com Jesus mediante os personagens que Lucas nos apresenta:

 

  • Estamos entre os apóstolos que discutem entre si acerca de quem dentre eles é o maior (Lc 22,24).
  • Somos Pedro, cujo amor ao Senhor o faz dizer: "Estou pronto, Senhor a ir contigo até a prisão e mesmo até a morte" (Lc 22,33) mas que, na primeira ocasião, renegará o seu mestre: "Eu te declaro, Pedro, antes que o galo cante hoje, negarás, por três vezes, que me conheces" (Lc 22,34).
  • Somos Judas, à frente de uma multidão de pessoas, querendo traí-lo (Lc 22,47).
  • Somos Simão Cirineu, discípulo de todos os tempos, que caminha após Jesus, levando também ele a sua cruz (Lc 23,26).
  • Somos as mulheres de Jerusalém que o lamentam (Lc 23,27).
  • Somos um dos malfeitores crucificados com ele: "Senhor, lembra-te de mim, quando estiveres no teu reino" (Lc 23,42) e a quem Jesus responde: "Em verdade, hoje mesmo estará comigo no paraíso" (Lc 23,43).


2. A narração da Paixão segundo Lucas está repleta de delicadeza e de ternura do evangelista para com o Senhor Jesus. Lucas não narra certos detalhes mais cruéis: não relata a flagelação (estamos longe do filme de Mel Gibson). Judas não abraça Jesus, mas aproxima-se apenas para fazê-lo. Ao longo de todo o caminho da cruz, o Jesus de Lucas dá provas de sua paciência e perseverança. O mais difícil de sua Paixão acontece no Getsêmani, quando, numa profunda angústia e agonia interior, ele é confrontado com angústias extremas: "Cheio de angústia, ele orava intensamente e o seu suor caía por terra como gotas de sangue" (Lc 22,44). Reconfortado por um anjo, como o profeta Elias (1Rs 19,5ss), Jesus já é o vencedor do que o aguarda.

Lucas suaviza também as situações e os acontecimentos: no jardim de Getsêmani, diz que Jesus encontra os discípulos dormindo de tristeza (Lc 24,25). Acolhe Judas com delicadeza: "Judas, é por um beijo que entregas o Filho do homem?" (Lc 22,48). Converte o coração de Pedro com seu olhar de amor e de ternura (Lc 22,61). Fala às filhas de Jerusalém que lamentava a sua sorte (Lc 23,28-31). Perdoa os seus carrascos: “Pai, perdoa-os, porque não sabem o que fazem" (Lc 23, 34). Faz entrar no paraíso o ladrão crucificado com ele: “Em verdade eu te digo: hoje mesmo estarás comigo no paraíso” (Lc, 23,43).

O Jesus de Lucas é tão cheio de bondade e de misericórdia que converte os seus algozes e os que o condenam. Pilatos, por três vezes, o inocenta (Lc 23,4.14.22), as mulheres (23,27), o povo (Lc 23,48) o ladrão (Lc 23,42) e o centurião (Lc 23, 47) declaram-no justo. Na cruz, as suas palavras não são um grito de sofrimento, mas uma oração da tarde: "Pai, em tuas mãos entrego o meu espírito" (Lc 23,46). Desse modo, Lucas nos convida a entrar com Jesus em sua Paixão, a reconhecer nossas fraquezas e, com Pedro, nossas fragilidades, a sentirmos sobre nós o olhar do Senhor, a levarmos, seguindo-o como Simão Cirineu, a sua cruz e a nos abandonarmos com ele nos braços do Pai.

Para terminar, no início do relato de sua Paixão, a Ceia (Lc 22,14-38) é, a uma vez, a refeição do adeus de Jesus e a inauguração da nova Aliança. E, no final do relato, após a morte de Jesus, Lucas nos diz que as mulheres, acompanhando José de Arimateia, preparam com afeto o sepultamento. Mas com todos os seus perfumes, elas querem conservá-lo morto. Entretanto, precisa, o evangelista: "Era o início da Preparação e  já se aproximava o sábado" (Lc 23,54). Portanto, as luzes do sábado já brilhavam. Mais: estas luzes já anunciavam as luzes da Páscoa. Mas as mulheres não sabiam disso.

 

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

Cadastre-se

Quero receber:


Refresh Captcha Repita o código acima:
 

Novos Comentários

"a melhor resposta dos brasileiros é boicotar as operações desta instituição. No caso dos client..." Em resposta a: Dilma Rousseff diz que a carta do Santander a clientes é “inadmissível”
"O estranho não é que a Igreja tenha entrado em um processo de decadência acentuado em um lugar on..." Em resposta a: Quebec, laboratório da modernidade?
"Jesus Cristo nos pobres passam fome e com esse monumento é vetado a sua entrada.Onde está Cristo?" Em resposta a: Fiel a pé não terá acesso a templo da Universal

Conecte-se com o IHU no Facebook

Siga-nos no Twitter

Escreva para o IHU

Adicione o IHU ao seus Favoritos e volte mais vezes