Compartilhar Compartilhar
Aumentar / diminuir a letra Diminuir / Aumentar a letra

Notícias » Notícias

Queres segui-lo até a cruz ?

Lucas nos convida a entrar com Jesus em sua Paixão, a reconhecer nossas fraquezas e, com Pedro, nossas fragilidades, a sentirmos sobre nós o olhar do Senhor, a levarmos, seguindo-o como Simão Cirineu, a sua cruz e a nos abandonarmos com ele nos braços do Pai.

A reflexão é de Raymond Gravel, padre da arquidiocese de Quebec, Canadá, publicada no sítio Réflexions de Raymond Gravel, comentando o evangelho do Domingo de Ramos e da Paixão do Senhor (24 de março de 2013). A tradução é de José Jacinto Lara.

Eis o texto.

Referência bíblica:
Evangelho: Lc 22,14-23,56

 

A Paixão segundo São Lucas tem suas particularidades:

1. É uma paixão a ser meditada ao longo de nossas experiências humanas nas quais Cristo se junta a nós, como ocorreu com os discípulos de Emaús, nos quais ardia o coração, ao ser proclamada, interpretada e atualizada a Palavra. Eles o reconheceram ao partir o pão (Lc 24.30-31). Ao longo deste caminho doloroso que leva à cruz, encontramo-nos com Jesus mediante os personagens que Lucas nos apresenta:

 

  • Estamos entre os apóstolos que discutem entre si acerca de quem dentre eles é o maior (Lc 22,24).
  • Somos Pedro, cujo amor ao Senhor o faz dizer: "Estou pronto, Senhor a ir contigo até a prisão e mesmo até a morte" (Lc 22,33) mas que, na primeira ocasião, renegará o seu mestre: "Eu te declaro, Pedro, antes que o galo cante hoje, negarás, por três vezes, que me conheces" (Lc 22,34).
  • Somos Judas, à frente de uma multidão de pessoas, querendo traí-lo (Lc 22,47).
  • Somos Simão Cirineu, discípulo de todos os tempos, que caminha após Jesus, levando também ele a sua cruz (Lc 23,26).
  • Somos as mulheres de Jerusalém que o lamentam (Lc 23,27).
  • Somos um dos malfeitores crucificados com ele: "Senhor, lembra-te de mim, quando estiveres no teu reino" (Lc 23,42) e a quem Jesus responde: "Em verdade, hoje mesmo estará comigo no paraíso" (Lc 23,43).


2. A narração da Paixão segundo Lucas está repleta de delicadeza e de ternura do evangelista para com o Senhor Jesus. Lucas não narra certos detalhes mais cruéis: não relata a flagelação (estamos longe do filme de Mel Gibson). Judas não abraça Jesus, mas aproxima-se apenas para fazê-lo. Ao longo de todo o caminho da cruz, o Jesus de Lucas dá provas de sua paciência e perseverança. O mais difícil de sua Paixão acontece no Getsêmani, quando, numa profunda angústia e agonia interior, ele é confrontado com angústias extremas: "Cheio de angústia, ele orava intensamente e o seu suor caía por terra como gotas de sangue" (Lc 22,44). Reconfortado por um anjo, como o profeta Elias (1Rs 19,5ss), Jesus já é o vencedor do que o aguarda.

Lucas suaviza também as situações e os acontecimentos: no jardim de Getsêmani, diz que Jesus encontra os discípulos dormindo de tristeza (Lc 24,25). Acolhe Judas com delicadeza: "Judas, é por um beijo que entregas o Filho do homem?" (Lc 22,48). Converte o coração de Pedro com seu olhar de amor e de ternura (Lc 22,61). Fala às filhas de Jerusalém que lamentava a sua sorte (Lc 23,28-31). Perdoa os seus carrascos: “Pai, perdoa-os, porque não sabem o que fazem" (Lc 23, 34). Faz entrar no paraíso o ladrão crucificado com ele: “Em verdade eu te digo: hoje mesmo estarás comigo no paraíso” (Lc, 23,43).

O Jesus de Lucas é tão cheio de bondade e de misericórdia que converte os seus algozes e os que o condenam. Pilatos, por três vezes, o inocenta (Lc 23,4.14.22), as mulheres (23,27), o povo (Lc 23,48) o ladrão (Lc 23,42) e o centurião (Lc 23, 47) declaram-no justo. Na cruz, as suas palavras não são um grito de sofrimento, mas uma oração da tarde: "Pai, em tuas mãos entrego o meu espírito" (Lc 23,46). Desse modo, Lucas nos convida a entrar com Jesus em sua Paixão, a reconhecer nossas fraquezas e, com Pedro, nossas fragilidades, a sentirmos sobre nós o olhar do Senhor, a levarmos, seguindo-o como Simão Cirineu, a sua cruz e a nos abandonarmos com ele nos braços do Pai.

Para terminar, no início do relato de sua Paixão, a Ceia (Lc 22,14-38) é, a uma vez, a refeição do adeus de Jesus e a inauguração da nova Aliança. E, no final do relato, após a morte de Jesus, Lucas nos diz que as mulheres, acompanhando José de Arimateia, preparam com afeto o sepultamento. Mas com todos os seus perfumes, elas querem conservá-lo morto. Entretanto, precisa, o evangelista: "Era o início da Preparação e  já se aproximava o sábado" (Lc 23,54). Portanto, as luzes do sábado já brilhavam. Mais: estas luzes já anunciavam as luzes da Páscoa. Mas as mulheres não sabiam disso.

 

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

Cadastre-se

Quero receber:


Refresh Captcha Repita o código acima:
 

Novos Comentários

"Caro Professor, o que falta para as escolas ensinarem a verdadeira história da escravidão e da con..." Em resposta a: O racismo e a sonegação da história afrodescendente no Rio Grande do Sul. Entrevista especial com Jorge Euzébio Assumpção
"Marina entrou na política, da mesma forma que entrou na Assembleia de Deus.Por uma questão simples..." Em resposta a: “Irmão vota em irmão”: a base do voto de Marina Silva
"Como nós seres humanos, precisamos renovar sempre nossos exemplos de liderança, estar sempre usand..." Em resposta a: Quatro lições de liderança do Papa Francisco, segundo o Wall Street Journal

Conecte-se com o IHU no Facebook

Siga-nos no Twitter

Escreva para o IHU

Adicione o IHU ao seus Favoritos e volte mais vezes