Após onda de protestos, escolha de pastor para comissão está em xeque

Revista ihu on-line

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Mais Lidos

  • ‘Cultura do descarte e do ódio’ de governantes atuais lembra Hitler, confessa papa Francisco

    LER MAIS
  • Bolívia. “O elemento central da derrubada de Evo Morales não é a direita, mas o levante popular”. Entrevista com Fabio Luís Barbosa dos Santos

    LER MAIS
  • O que suponho que Lula deveria dizer. Artigo de Tarso Genro

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

08 Março 2013

Com protestos país afora contra sua eleição para a presidência da Comissão de Direitos Humanos da Câmara, a situação do deputado Marco Feliciano (PSC-SP) gera preocupação em um grupo de deputados, que cobra um exame da questão pelo presidente da Casa, Henrique Eduardo Alves (RN).

A reportagem é de Isabel Braga e publicada pelo jornal O Globo, 09-03-2013.

Para líderes e deputados, a reação da sociedade, os novos fatos que vieram à tona envolvendo Feliciano e a articulação da bancada evangélica para garantir a maioria de deputados ligados à Igreja na comissão exigem uma reflexão sobre o caso. Feliciano não é o único nome polêmico que irá presidir uma importante comissão na Câmara. O deputado João Magalhães (PMDB-MG), que responde a três inquéritos no Supremo Tribunal Federal — por peculato, tráfico de influência e crime contra o sistema financeiro — e tem os bens bloqueados, foi eleito presidente da Comissão de Finanças e Tributação.

No conhecido escândalo da máfia das ambulâncias, em 2006, Magalhães foi citado como beneficiário de recursos desviados de emendas de parlamentares apresentadas ao Orçamento da União. Em 2012, o Supremo arquivou esse inquérito, por falta de provas. Em 2008, ele voltou a ser acusado de envolvimento em esquema de fraudes em prefeituras mineiras, na Operação João de Barro, da Polícia Federal. Nesse caso, a Justiça Federal de Minas decretou em dezembro passado o bloqueio de seus bens.

"Não fui notificado, não tive acesso aos autos. Só soube disso pela imprensa. Minhas contas não foram bloqueadas. Mas é sempre assim mesmo, vem uma denúncia, você demora dois ou três anos para provar inocência, e só depois desbloqueiam", disse Magalhães.

Os fatos que motivaram a ação têm origem em fraudes praticadas com verbas do Ministério do Turismo para a realização de eventos festivos em municípios mineiros. Foram encontradas irregularidades em 19 convênios firmados entre os anos de 2007 e 2009, que, juntos, movimentaram R$ 3,7 milhões.

“Questão tem de ser reexaminada”

Sobre a rejeição à escolha do pastor Feliciano, o líder do DEM na Câmara, Ronaldo Caiado (GO), diz que a indicação é do partido (PSC), mas que, se a imagem da Casa está sendo afetada, cabe ao presidente Henrique Alves discutir uma solução.

"Diante de uma reação como esta, existe espaço para rever a indicação. Mas a decisão é do partido. O presidente da Câmara pode chamar o PSC, os partidos, nos consultar, analisando se atinge a imagem da Câmara. Quando as coisas ultrapassam o limite partidário, arranham a imagem da Casa, todos temos que zelar", disse Caiado.

O líder do PSB, Beto Albuquerque (RS), também entende que a questão tem que ser reexaminada pelo PSC e pelo presidente da Câmara:

"Quando você tem um parlamentar com problemas no comando de uma comissão, não só o partido dele passa a ser questionado, mas o conjunto da Câmara passa por constrangimentos. O presidente eleito (Feliciano) está exposto a muitos questionamentos. O assunto deve ser examinado pelo presidente da Câmara".

Albuquerque estranha também o fato de o PSC ter conquistado a maioria das vagas da Comissão de Direitos Humanos:

"Oito deputados de um mesmo partido na Comissão não é fruto do acaso. Violenta a proporcionalidade, está errado. Também é estranho a maioria dos integrantes ser de deputados ligados à Igreja Evangélica. A comissão deve ser plural".

O PSOL vai cobrar na próxima semana um posicionamento da Corregedoria e da Procuradoria da Casa em relação às suspeitas envolvendo Feliciano — além de comportamento questionável na busca de doações para sua igreja, o deputado responde a ações no Supremo por homofobia e estelionato. Para o deputado Chico Alencar (PSOL-RJ), o que está sendo revelado mostra que Feliciano não preenche os requisitos de probidade para presidir a comissão.

"Pelo desgaste que as denúncias geram para a Comissão e a própria instituição Câmara, a corregedoria e a procuradoria têm que cobrar explicações dele, desse evidente mercado religioso. O vídeo é chocante, uma postura de comércio incompatível com a função de comando da comissão para qual ele foi eleito. Não questionamos o direito do PSC de indicar, mas ainda é tempo de trocar o nome", disse Chico Alencar.

Manifestações contra a eleição de Feliciano estão previstas para este sábado, às 14h, em pelo menos 10 capitais. A mobilização começou de maneira espontânea no Facebook. Os manifestantes pedirão também a renúncia do presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL).

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Após onda de protestos, escolha de pastor para comissão está em xeque - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV