''A medida de Bento XVI se refere ao ofício do papa, não à sua pessoa''

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Igreja Universal cria seu exército particular com "recrutamento" de PMs

    LER MAIS
  • A semana em que 47 povos indígenas brasileiros se uniram por um manifesto anti-genocídio

    LER MAIS
  • “Do fundo do nosso coração” é um “de profundis”. Ou seja, o Concílio Vaticano II não é opcional

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

12 Fevereiro 2013

A decisão do Papa Bento XVI de renunciar ao papado no fim de fevereiro marca uma mudança significativa na compreensão dos católicos do papel do papa, segundo um proeminente teólogo que estuda a autoridade da Igreja.

A reportagem é de Joshua J. McElwee, publicada no sítio National Catholic Reporter, 11-02-2013. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Para os católicos acostumados a identificar o papa como uma pessoa específica, a medida de Bento XVI mostra que o papa também é um ofício, afirma Brian Flanagan, professor da Marymount University, em Maryland, que também atua como diretor da College Theology Society.

"A melhor coisa sobre a resignação anunciada de Bento XVI é que ela ajuda a restaurar a nossa compreensão do papado como a de um ofício, em vez de uma posse pessoal", afirma Flanagan, que é eclesiólogo, teólogo que estuda a forma e a estrutura da Igreja ao longo dos tempos.

"O papa exerce a sua autoridade como bispo de Roma e, por causa isso, como pastor universal, como o chefe de uma Igreja local, não por causa de uma mudança permanente no seu status pessoal", continua Flanagan.

"O papado agora pode ser visto claramente como um ofício crucial da Igreja universal, mas em que o papa continua sendo um detentor de uma função pública, em vez de uma figura insubstituível e mágica. Eu apostaria 20 euros, se o Vaticano aceitasse cartões de crédito, que Bento XVI está fazendo isso com uma grande consciência das implicações eclesiológicas, e não só práticas, para os papados futuros. O precedente pode ser muito bem o seu maior presente para a Igreja".

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

''A medida de Bento XVI se refere ao ofício do papa, não à sua pessoa'' - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV