''As manifestações no Egito? Sinal de democracia''

Revista ihu on-line

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Mais Lidos

  • O Sínodo nos ajuda a entender que a solução não está no Direito Canônico, mas na profecia

    LER MAIS
  • “O que acumulamos e desperdiçamos é o pão dos pobres”, afirma o papa Francisco em carta à FAO

    LER MAIS
  • Metade dos brasileiros vive com R$ 413 mensais

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

15 Dezembro 2012

"A reação da população, principalmente dos jovens, ao governo do presidente Morsi é um fato importante, porque diz que há uma grande fatia da população que não quer que se instaure no Egito um regime islâmico fundamentalista. O que surgirá desse protesto? Não sou capaz de dizer, mas é fundamental que o protesto tenha ocorrido, porque é a demonstração de que há um desejo de democracia". Samir Khalil Samir, jesuíta egípcio, atento observador das dinâmicas políticas do seu país, olha com interesse para a onda de protestos antigovernamentais que estão agitando o país nestes dias. Ele os vê como uma reação a uma tentativa de silenciar as demandas de liberdade que brotaram da Primavera Árabe.

A reportagem é de Enrico Casale, publicada na revista dos jesuítas italianos, Popoli, 07-12-2012. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Eis a entrevista.

A Irmandade Muçulmana está ameaçando o processo democrático no Norte da África e no Oriente Médio?


A Primavera Árabe foi um movimento de jovens sem experiência política que reivindicavam liberdade e dignidade, além de trabalho e comida. Eles não tinham, no entanto, nenhuma experiência política. As eleições que foram realizadas no Egito, levaram ao poder inevitavelmente a única estrutura política que restou, a Irmandade Muçulmana. O resultado a favor dos Irmãos Muçulmanos era quase previsível. Os velhos partidos haviam sido abatidos. Os novos eram muito fracos. Assim, eles dominaram nas urnas, jogando também com o fato de que 40% da população é analfabeta, e a rede de imãs tradicionalistas formados por Al-Azhar os apoiou. O presidente Morsi agora concentrou todos os poderes (legislativo, executivo e judiciário) nas suas mãos e fez com que fosse votada por uma Assembleia Constituinte – da qual os representantes não islamistas renunciaram – um projeto de constituição que tem uma tendência fundamentalista.

Quem saiu às ruas para protestar contra o presidente?

Principalmente jovens que não querem a criação um regime islâmico fundamentalista. Esses rapazes não são laicistas, mas sim muçulmanos que olham para a religião como um fenômeno importante, mas que não deve se impor sobre a sociedade. Quando saíram às ruas, o fizeram de modo pacífico, não tinham armas. O fato de que o protesto se degenerou em um confronto é responsabilidade dos islamistas que chegaram para defender Morsi, que estavam armados com coquetéis molotov, pedras e paus.

Os manifestantes estão divididos em muitas correntes. Como é possível encontrar um entendimento entre eles?

Na realidade, cristãos, liberais, socialistas e muçulmanos moderados estão de acordo: todos rejeitam a ideia de um Islã fundamentalista. Todos querem que se afirme um sistema realmente democrático. O verdadeiro problema é que, no nosso país, se perdeu o hábito da democracia. São 60 anos que o Egito é governado por ditadores, e as pessoas não estão familiarizadas com as armas da democracia. Vai levar tempo, mas acredito que o país conseguirá completar essa transição.

O que vai acontecer nos próximos meses?

O governo não vai renunciar. Talvez suavizará as suas afirmações, mas continuará governando. A revolução se dará nos fatos. Se o regime islâmico souber melhorar a condição das pessoas, eliminando a pobreza, então permanecerá no poder. Se, ao invés, não mudar nada, as pessoas não votarão mais neles.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

''As manifestações no Egito? Sinal de democracia'' - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV