''Há bispos que não entendem o latim''. Entrevista com Gianfranco Ravasi

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Um gargarejo nos salvará? Enxaguar a boca e o nariz por 30 segundos com produtos de uso comum reduz muito a carga viral

    LER MAIS
  • Nós precisamos repensar radicalmente a forma como vivemos e trabalhamos

    LER MAIS
  • As duas faces perversas da informalidade: sobretrabalho e intermitência

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


13 Novembro 2012

"Os jovens padres? Se é por isso, diversos bispos também têm dificuldades. Até no último sínodo se ria um pouco. Muitos têm uma dificuldade quase estrutural para ler e compreender o latim, mesmo entre os europeus, e eu me refiro ao latim eclesiástico, que é muito mais simples do que a língua de Cícero...".

A reportagem é de Gian Guido Vecchi, publicada no jornal Corriere della Sera, 11-11-2012. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

O cardeal Gianfranco Ravasi sorri com uma pitada de tristeza. Como presidente do Conselho da Cultura vaticano, será ele que terá controlar a nova "Pontifícia Academia de Latinidade" (Pontificia Academia Latinitatis) que Bento XVI instituiu nesse domingo com um motu proprio no qual escreve (em latim, obviamente) como é "urgente" combater "o perigo de um conhecimento cada vez mais superficial". A Igreja, acrescenta o papa, há 2.000 anos, é "cuidadora e promotora" do latim no mundo.

Eis a entrevista.

Eminência, o papa fala dos seminários, mas, em geral, também dos jovens e do "vasto mundo da cultura". Qual será o papel da Academia?


Já havia instituições vaticanas como a Latinitas, agora extinta, mas agora se quer rever toda a questão de uma maneira diferente. Acima de tudo, há um valor que se considera como permanente da humanidade: o latim – com o grego, naturalmente – é uma das matrizes absolutas da cultura europeia e ocidental. Por isso, o Santo Padre nomeou como presidente da Academia um grande latinista como o professor Ivano Dionigi, reitor da Universidade de Bolonha. Não é somente um problema eclesial.

Portanto, como ela se moverá?

Acima de tudo, nos comprometeremos com a difusão da cultura latina alta e dos seus conteúdos, que são inseparáveis do conhecimento da língua. Toda tradução sempre é uma belle infidèle, como dizia Gilles Ménage; mesmo que seja bela, é infiel. Eu, no caso, penso que Agostinho perde a metade. Pense nas Confissões: "Nondum amabam, et amare amabam... quaerebam quid amarem, amans amare...". Como se faz? É como traduzir Dante. Agostinho está dizendo que ainda não amava realmente porque não sabia qual era o objeto do seu amor, e há uma beleza musical na língua. Ele é um cultor refinado da língua, brinca com ela. Assim, queremos recuperar todo o grande patrimônio cultural latino, clássico, patrístico e medieval: para o mundo. A Academia vai se ampliar em nível internacional, com diversas personalidades seculares.

Bento XVI também fala dos seminários...

Certamente, o segundo elemento é ad intra. O latim foi e é a língua oficial da Igreja. Em latim, estão os escritos dos Padres, os documentos da tradição, os textos dos Concílios, do magistério dos papas, os livros litúrgicos... É preciso um maior empenho nos seminários, é preciso fazer com que consigam entendê-los.

Como se chegou a essa situação?

Não é só culpa da Igreja. Há um problema geral dos estudos humanísticos. Além disso, antigamente, para estudar teologia nos seminários, tinha-se que passar pelo liceu clássico, e depois não foi mais assim. Os cursos preparatórios não bastaram. É preciso fazer mais. Mas há um terceiro nível...

Qual?

A recuperação do latim na modernidade. Hoje, há o gosto de voltar à língua. Você sabia que na Finlândia existe uma revista quinzenal para as crianças em latim? Porque o latim tem uma função formativa. O inglês falado – não me refiro ao alto – é uma simplificação, quase que uma "tuitagem" do pensamento. Ao invés, o latim tem uma forte marca racional, a construção dos casos, dos verbos, a consecutio temporum... Por isso, quer-se repropô-lo aos jovens.

Há aqueles que farão a equação latim-Igreja pré-conciliar...

Eu sei, infelizmente. Se quisermos, há uma recuperação do passado e do seu patrimônio, mas não reacionário nem estéril. A beleza do latim não é alternativa ou contraposta à Igreja pós-conciliar. E depois eu gostaria de saber se aqueles que participam dos ritos latinos seriam capazes de me traduzir os hinos de Santo Ambrósio, tão refinados e complexos... Até mesmo eles precisam disso!

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

''Há bispos que não entendem o latim''. Entrevista com Gianfranco Ravasi - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV