Nucleares ficam em segundo plano após Fukushima

Revista ihu on-line

Bioética e o contexto hermenêutico da Biopolítica

Edição: 513

Leia mais

Revolução Pernambucana. Semeadura de um Brasil independente, republicano e tolerante

Edição: 512

Leia mais

Francisco Suárez e a transição da escolástica para a modernidade

Edição: 511

Leia mais

Mais Lidos

  • A força dos pequenos: a Teologia da Libertação

    LER MAIS
  • A crise do padre: o que compete ao ministério?

    LER MAIS
  • João Doria e arcebispo de São Paulo: “Pobre não tem hábito alimentar, pobre tem fome”

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU

close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

05 Novembro 2012

Com o acidente na usina nuclear de Fukushima, no Japão, em março do ano passado, o programa nuclear brasileiro pode sofrer uma reviravolta. A previsão de construir mais quatro usinas no País até 2030 está sendo revista. Cresce a pressão dentro do governo para que o Brasil opte por fontes de energia mais seguras e que ganharam escala nos últimos anos, como a eólica e a biomassa.

A reportagem é de Danielle Nogueira e publicada pelo jornal O Estado de S. Paulo, 05-11-2012.

O problema, segundo especialistas, é que essas fontes energéticas são sazonais, assim como a hidráulica. Se o País não quiser se tornar refém da natureza, terá de ampliar sua base de geração térmica. E aí terá de fazer uma opção entre ampliar a participação de uma fonte de energia considerada perigosa, porém limpa (a nuclear), ou de fontes seguras, porém sujas - como as usinas a gás, óleo ou carvão, cuja geração não depende de condições climáticas, mas emitem gases do efeito estufa.

O Plano Nacional de Energia (PNE) 2030 previa a construção de quatro centrais nucleares no Brasil: duas no Nordeste e duas no Sudeste, com capacidade instalada de mil megawatts (MW) cada. As pesquisas para a identificação dos lugares possíveis para abrigar as usinas não foram interrompidas e os investimentos para ampliação da produção de urânio - matéria-prima da geração nuclear - estão em andamento, mas a Empresa de Pesquisa Energética (EPE), órgão do governo que dá suporte ao planejamento energético, admite que a expansão da energia nuclear está sob revisão. O que é certo é que Angra 3 (1.404 MW) será mantida, com a previsão de entrar em operação em 2016.

Os defensores da "aposentadoria" das centrais nucleares argumentam que o panorama energético no Brasil mudou desde 2007, quando o PNE 2030 foi desenhado. Naquele ano, a fatia das hidrelétricas na geração de eletricidade era de 85,6%. Outras energias renováveis, como eólica e biomassa, respondiam por 0,1% e 4,1%, respectivamente. E a nuclear detinha participação de 2,5% na matriz. No ano passado, a parcela das hidrelétricas encolheu para 81,9%, enquanto a das outras três avançou para 2,7% (nuclear), 0,5% (eólica) e 6,6% (biomassa).

"Outras fontes de energia estão se popularizando. O acidente de Fukushima mudou o cenário. Ele nos mostrou problemas na gestão de risco. E quando o risco é grande, o investimento não se justifica", afirma o ambientalista e consultor Fabio Feldman.

Urânio

Caso o Brasil opte por abandonar seu programa nuclear, seguirá os passos de países como Alemanha, Itália e Suíça, que decidiram interromper a construção de novas usinas ou desativar as existentes. O Japão vai na mesma direção, e até nações fortemente baseadas na energia nuclear querem diminuir essa dependência. Caso da França, que vai reduzir a matriz nuclear de 75% para 50%.

Para Leonam Guimarães, assessor da presidência da Eletronuclear, responsável pela operação das centrais no Brasil, a resposta dos países europeus ao acidente deve ser entendida dentro de um contexto histórico de Guerra Fria, quando os Estados Unidos e a ex-União Soviética disputavam uma corrida por armas nucleares. "Esses países não querem reviver esses temores. A França não vai abrir mão de suas usinas e vai acabar exportando para os países que a descartarem, como já está acontecendo com a Alemanha", afirma.

Guimarães lembra que, apesar de o Plano Decenal 2021 não contemplar a fonte nuclear, também não a descarta. E frisa que a energia nuclear não compete com a eólica, a biomassa ou a hidráulica. Segundo ele, são complementares.

"A energia nuclear tem a vantagem de ser uma energia limpa. Se o Brasil não avançar nela, terá de expandir os combustíveis fósseis, seja carvão, óleo ou gás", explica Aquilino Senra, professor de Energia Nuclear da Coppe/UFRJ.

Segundo ele, o Brasil tem a vantagem de estar num seleto grupo de nações que reúne três características importantes para a continuidade do programa nuclear. Tem reservas de urânio, domina a tecnologia e já faz uso dessa fonte. Enquanto isso, as Indústrias Nucleares do Brasil (INB) mantêm o projeto de duplicação da única mina de urânio em produção no País, em Caetité (BA). Hoje, ela produz 400 toneladas do minério por ano. Também fechou parceria com empresas para desenvolver uma jazida de fosfato em Santa Quitéria (CE). O fosfato será usado na produção de fertilizantes, e o urânio associado será recuperado pela INB.

O início da operação está previsto para 2016, com uma produção anual de 1.500 toneladas de concentrado de urânio, suficiente para atender às novas quatro usinas previstas no PNE 2030, caso elas saiam do papel.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Instituto Humanitas Unisinos - IHU - Nucleares ficam em segundo plano após Fukushima