Governo vê ligação entre queimadas e conflitos no campo

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Rio Grande do Norte. Seridó ameaçado

    LER MAIS
  • Arcebispo de Ribeirão Preto visita no hospital a Dom Pedro Casaldáliga, “um ícone no Brasil”

    LER MAIS
  • Francisco nomeia seis mulheres para grupo que supervisiona as finanças vaticanas

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


19 Outubro 2012

Terras indígenas invadidas ou cujos recursos naturais são ilegalmente explorados por não índios estão entre as campeãs de queimadas. Segundo a Fundação Nacional do Índio, o rastro do fogo pode apontar áreas em disputa.

"Em terras que não estão em posse plena dos índios, é comum que outros atores se envolvam em atividades que resultem em incêndios", diz Tatiana Vilaça, da Funai.

A reportagem é de Reynaldo Turollo Jr. e publicada pelo jornal Folha de S. Paulo, 19-10-2012.

A afirmação se baseia no cruzamento de dados do Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais), que monitora os focos de queimada no país, com a análise da situação fundiária das terras.

"Caso clássico dessa relação é o da terra indígena Marãiwatsédé, em Mato Grosso, em que os índios ocupam só parte do local", diz Vilaça.

De 1º de agosto a 25 de setembro, período de seca, a Marãiwatsédé registrou 60 focos de incêndio. Há anos, o Ministério Público Federal em Mato Grosso pede a saída de não índios do local.

Das terras indígenas que mais queimaram no país em agosto e setembro, três estão no Maranhão: Bacurizinho, Arariboia e Cana Brava.

"Todas sofrem pressão de madeireiras, carvoarias e fazendeiros", diz o procurador Alexandre Soares, do Ministério Público Federal, no MA.

A maior queixa do procurador é quanto à fiscalização. "Não tem política permanente de contenção do uso dessas áreas pelos não índios", afirma. A Funai não se pronunciou sobre a crítica.

Na terra indígena Bacurizinho, em Grajaú (MA), onde os índios pedem revisão da demarcação, houve 780 focos no período. "Pessoas que iriam perder área são acusadas pelos índios de exercer pressão cada vez maior por meio de desmatamento e implantação de empreendimentos, como carvoarias", diz Soares.

"É de se esperar que quem ocupa uma terra ilegalmente queira abrir logo a área para descaracterizá-la e depois ter um argumento para ter sua posse", diz Paulo Junqueira, do Instituto Socioambiental.

Na terra indígena do Araguaia (TO), a que mais queimou no período (1.252 focos), o conflito é de outra ordem.

Segundo o procurador Álvaro Manzano, a reserva se sobrepõe a parte do Parque Nacional do Araguaia. A direção do parque não quer que pescadores entrem, mas os índios negociam a atividade.

Em agosto, o chefe do parque do Araguaia, Raoni Merisse, disse suspeitar de que um incêndio no local tivesse sido causado por pescadores.

Entre agosto e 25 de setembro, o Inpe captou 10.208 focos de incêndio em 198 terras indígenas -há, no total, 689.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Governo vê ligação entre queimadas e conflitos no campo - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV