Vatileaks: um processo curto para o ''corvo''

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • In memoriam do teólogo que apostou no “ministro da comunidade” para superar o clericalismo

    LER MAIS
  • Uma Igreja pobre? Dinheiro, sectarismo e tradição católica. Artigo de Massimo Faggioli

    LER MAIS
  • Abuso de autoridade na igreja. Problemas e desafios da vida religiosa feminina

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


30 Setembro 2012

Um processo curto para o "corvo". "Temos à disposição quatro audiências na próxima semana e poderiam ser suficientes", disse o presidente do Tribunal Vaticano, Giuseppe Dalla Torre, prevendo uma conclusão rápida para o processo contra o ex-mordomo papal, Paolo Gabriele, acusado de ter roubado documentos confidenciais do apartamento do pontífice.

A reportagem é de Giacomo Galeazzi, publicada no sítio Vatican Insider, 29-09-2012. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Paolo Gabriele, ex-mordomo do papa, hoje em julgamento por furto agravado após a investigação sobre o vazamento dos documentos confidenciais do papa, chegou à sala do tribunal vaticano sozinho, escoltado por policiais, mas sem o acompanhamento de nenhum familiar, e alguns minutos antes do horário fixado para a audiência, às 9h30. Gabriele assistiu impassível ao desenrolar da primeira audiência que durou cerca de duas horas e quinze minutos.

Terno cinza claro, gravata cinza escuro, camisa branca, Gabriele, ao longo da audiência, se mostrou com uma expressão um pouco tensa, mas sem externar sentimentos particulares. Ele ouviu o debate na maior parte do tempo sentado e de braços cruzados. De tempos em tempos, especialmente durante a suspensão da audiência para a câmara do conselho, trocou alguns comentários com seu advogado, Cristiana Arru, que estava sentada em frente dele na pequena sala do tribunal, que, entre testemunhas, espectadores, membros da corte, chanceleres e advogados, continha cerca de 30 pessoas.

Enquanto isso, surge que uma enorme quantidade de material foi apreendida do ex-ajudante de quarto, agora de posse do chefe da Gendarmeria, Domenico Giani: são 82 as caixas de materiais recolhidos. Trata-se de documentação de diversos tipos, não só cartas confidenciais, mas também materiais que foram considerados interessantes pelos investigadores.

Além disso, há também o secretário do papa, Mons. Georg Gänswein, uma das testemunhas previstas no processo contra o mordomo do papa, réu confesso por ter roubado documentos confidenciais da Santa Sé. No início sessão desse sábado, os juízes vaticanos, de fato, fizeram a lista das testemunhas, sem especificar se haviam sido chamadas pela acusação ou pela defesa. Está previsto o depoimento de Dom Gänswein, de Cristina Cernetti, uma das quatro "memores domini" (leigas consagradas do Comunhão e Libertação), que servem o papa no apartamento, e depois seis policiais vaticanos: Giuseppe Pesce, Costanzo Alessandrini, Luca Cintia, Stefano De Santis, Silvano Carli, Luca Bassetti.

Também estão previstas cinco testemunhas no processo (separado) contra Claudio Sciarpelletti, acusado de favorecimento no roubo: o próprio mordomo do papa, Paolo Gabriele, Mons. Carlo Polvani, responsável pela informação da Secretaria de Estado vaticano, o vice-comandante da Guarda Suíça, William Kloter, o comandante da polícia vaticana, Domenico Giani, e o policial Gianluca Gauzzi Broccoletti.

Claudio Sciarpelletti, técnico em informática, funcionário da Secretaria de Estado vaticana, declarou-se "inocente", explica o seu advogado, Gianluca Benedetti. A causa da ausência, explicou o seu advogado, foi "um fato imprevisto devido à agitação", causada pela tensão. No processo contra o técnico em informática, também deporá Mons. Carlo Maria Polvani, da Secretaria de Estado, sobrinho do atual núncio em Washington, Carlo Maria Viganò, protagonista de uma polêmica sobre a gestão do Governatorato que veio à tona graças aos documentos roubados por Paolo Gabriele e publicados.

A inclusão de Mons. Polvani (atualmente encarregado das relações da Secretaria de Estado com a mídia vaticana e a Sala de Imprensa) na lista das testemunhas pareceria voltada à necessidade de lançar luz sobre quem realmente entregou a Sciarpelletti o envelope encontrado na investigação, dentro do qual havia um panfleto polêmico sobre a gestão vaticana e um e-mail.

Sciarpelletti havia atribuído a entrega em um primeiro momento a Paolo Gabriele, que, ao invés, era o seu destinatário, depois a um monsenhor da Secretaria de Estado, que na acusação do promotor de justiça Nicola Picardi e na sentença do juiz instrutor Piero Bonnet estava até agora coberto por uma sigla.

Na terça-feira, às 9h30, ocorrerá a segunda audiência do processo contra Paolo Gabriele: está programado o interrogatório do próprio ex-mordomo papal.

Destaca-se, ainda, uma câmera usada para controlar os movimentos da casa de Paolo Gabriele. Com autorização do juiz vaticano datada de 8 de junho, ela havia sido posta pela Gendarmeria vaticana na escada da casa de Gabriele para gravar com imagens os movimentos de entrada e de saída da sua moradia.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Vatileaks: um processo curto para o ''corvo'' - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV