Manifestação por reforma educacional reúne 150 mil pessoas no Chile

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Para Bolsonaro, a crise climática é uma fantasia, “um complô marxista”. Entrevista com Eliane Brum

    LER MAIS
  • “Como vocês explicarão aos seus filhos que desistiram?”. Discurso de Greta Thunberg em Davos

    LER MAIS
  • Em São Carlos, SP, direita adota tática nazista contra manifestantes, em visita da Ministra Damares Alves

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

30 Agosto 2012

O movimento estudantil do Chile conseguiu reunir nas ruas de Santiago nesta terça-feira (28/08) cerca de 150 mil manifestantes contra o modelo de gestão da educação pública do governo de Sebastián Piñera. A passeata encerra um agitado mês de agosto no qual alunos de ensino médio ocuparam diversos liceus da capital para exigir que o Estado não mantenha nas mãos das prefeituras a administração das escolas.

A informção foi publicada pelo sítio Opera Mundi, 28-08-2012.

Estudantes de graduação também participaram das movimentações, exigindo do Executivo medidas estruturais capazes de reduzir os altos custos dos cursos universitários. Até agora, contudo, o governo respondeu às reivindicações apenas com medidas paliativas, elevando o número de bolsas de estudos e aumentando a oferta de linhas de crédito mais baratas.

"A marcha foi significativa pelo número de pessoas que se mobilizaram” e pelo fato de “ocorrer sem maiores alterações da ordem pública", destacou o porta-voz do governo, Andrés Chadwick, no Palácio de La Moneda. A jornada de mobilização foi convocada pelos estudantes universitários e de ensino médio, que contaram com o apoio de professores, organizações sociais e sindicatos.
A manifestação percorreu o centro de Santiago, expondo cartazes coloridos e apresentando performances de música e dança. Ao término da passeata, grupos isolados lançaram pedras e pedaços de madeira na polícia. Os oficiais responderam com ataques de jatos de água, que acabaram dispersando também muitos manifestantes pacíficos.

Fontes policiais consultadas pela Agência Efe indicaram que ainda não há um número oficial de detidos nos confrontos. O porta-voz do governo disse que o ocorrido desta terça-feira demonstra que, se as autoridades contarem com a ajuda dos dirigentes estudantis para evitar incidentes, "é possível fazer uma mobilização tranquila". "Esperemos que nas próximas horas continue o mesmo ambiente e que a passeata termine sem distúrbios, sem violência e sem encapuzados", acrescentou Chadwick.

Houve também manifestações em outras cidades do País, como Concepción, Temuco, Punta Arenas, Valparaíso, Viña del Mar e Antofagasta. A vice-presidente da Federação de Estudantes do Chile, Camila Vallejo, assegurou que esta jornada de mobilização mostra a vigência das exigências estudantis e seu poder de convocação. "Hoje há uma maioria do povo que está lutando por um objetivo em comum, que é recuperar nosso direito à educação publica, gratuita e de qualidade para todos os chilenos", disse Vallejo à imprensa local.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Manifestação por reforma educacional reúne 150 mil pessoas no Chile - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV