Venda de munição deve entrar num tratado de armas, dizem igrejas

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Quatro características do catolicismo pós-pandemia

    LER MAIS
  • “Como é que a gente vai tirar o corpo fora? Não, jamais, jamais”. Entrevista com a irmã Fermina López, missionária na Amazônia

    LER MAIS
  • Como manter as igrejas seguras? Use máscaras, não cante e não comungue

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


24 Julho 2012

Um Tratado de Comércio de Armas deve banir não só a venda de armas usadas em genocídios, crimes de guerra e graves violações dos direitos humanos, mas também restrições à venda de munição.

A defesa é dos representantes de 90% dos 2 bilhões de cristãos em apelo aos 194 representantes de governos que negociam um tratado dessa magnitude.

Quase todos os 194 Estados reconhecem que armas e munições mais utilizados em crimes de guerra devem ser incluídas no tratado. Uma minoria de pequenos países, incluindo grandes potências mundiais, insistem, porém, que o comércio de munição deva ficar de fora do tratado.

A informação é da Agência Latino-Americana e Caribenha de Comunicação - ALC, 23-07-2012.

Representantes de igrejas enfatizam o custo humano da violência praticada todos os dias com armas ilegais, que provocam vítimas levadas a hospitais e cemitérios em diferentes partes do planeta.

"O Tratado da ONU para o Comércio de Armas deve regulamentar a munição que é usada para atingir pessoas", dizem os representantes do Conselho Mundial de Igrejas, da Aliança Evangélica Mundial, da Pax Christi Internacional e de Caritas, num comunicado conjunto divulgado na sexta-feira, dia 20 de julho, em Nova Iorque, onde acontecem as negociações.

As negociações do tratado vão durar um mês e estão, de momento, na metade do tempo previsto e num ponto muito sensível.

O moderador do Comitê Central do Conselho Mundial de Igrejas, pastor Walter Altmann, liderou a delegação ecumênica na Conferência da ONU sobre o Tratado de Comércio de Armas, em Nova York. A campanha do CMI por um Tratado de Comércio de Armas forte e eficaz envolve cerca de 70 igrejas-membros e organizações afins em 35 países.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Venda de munição deve entrar num tratado de armas, dizem igrejas - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV