''Eu era um jovem teólogo sem importância''

Revista ihu on-line

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Clarice Lispector. Uma literatura encravada na mística

Edição: 547

Leia mais

Mais Lidos

  • Müller também se recusa, na 'TV do diabo', a participar do Sínodo

    LER MAIS
  • Aquele que veio para desconstruir e devastar - Frases dia

    LER MAIS
  • A era de incerteza do pontificado de Bergoglio e a supremacia da religião 'faça você mesmo'. Artigo de Marco Politi

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


11 Julho 2012

"Estou verdadeiramente grato por essa possibilidade de rever, após 47 anos, esta casa em Nemi". Com essas palavras, Bento XVI se dirigiu nessa segunda-feira aos padres verbitas durante a visita à Casa "Ad Gentes", em Nemi, na Itália, onde se hospedou em 1965 para trabalhar no decreto conciliar homônimo. "Para mim, é uma belíssima recordação – disse –, talvez a mais bela recordação de todo o Concílio".

A nota é de Giacomo Galeazzi, publicada no blog Oltretevere, 09-07-2012. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Em março de 1965, quando se reuniu em Nemi a Comissão Preparatória do decreto Ad Gentes, Joseph Ratzinger tinha 38 anos. Ratzinger foi ordenado sacerdote no dia 29 de junho de 1951. Um ano depois, começou a lecionar na Escola Superior de Freising, na Alemanha. Em 1953, tornou-se doutor em teologia com a tese "Povo e Casa de Deus na doutrina da Igreja de Santo Agostinho". Quatro anos depois, sob a direção do renomado professor de teologia fundamental Gottlieb Söhngen, obteve a habilitação à docência com uma dissertação sobre "A teologia da história em São Boaventura".

Depois de ter lecionado teologia dogmática e fundamental na Escola Superior de Filosofia e Teologia de Freising, continuou a sua atividade de docência em Bonn, de 1959 a 1963; em Münster de 1963 a 1966; e em Tübingen de 1966 a 1969. Nesse último ano, ele se tornou professor de dogmática e história do dogma na Universidade de Regensburg, onde assumiu, ao mesmo tempo, o cargo de vice-reitor da universidade.

De 1962 a 1965, deu uma notável contribuição ao Concílio Vaticano II como "especialista". Prestou assistência como consultor teológico do cardeal Joseph Frings, arcebispo de Colônia, na Alemanha. Uma intensa atividade científica levou-o a desempenhar importantes cargos ao serviço da Conferência Episcopal Alemã e da Comissão Teológica Internacional.

Em 1972, juntamente com Hans Urs von Balthasar, Henri de Lubac e outros grandes teólogos, deu início à revista teológica Communio. No dia 25 de março de 1977, o Papa Paulo VI o nomeou arcebispo de Munique e Freising, e recebeu a ordenação episcopal no dia 28 de maio. Foi o primeiro sacerdote diocesano depois de 80 anos a assumir o governo pastoral da grande arquidiocese bávara. Como lema episcopal, escolheu "Colaborador da verdade", e ele mesmo explicou o porquê: "De um lado, me parecia que era essa a relação existente entre a minha tarefa anterior de professor e a nova missão. Mesmo que de modos diferentes, o que estava e continuava estando em jogo era seguir a verdade, estar ao seu serviço. E, por outro lado, escolhi esse lema porque, no mundo de hoje, o tema da verdade é quase totalmente silenciado. De fato, ele parece algo grande demais para o ser humano, apesar de que tudo se despedace se falta a verdade".

O Concílio foi a sua escola de formação ao episcopado. "Eu era um teólogo jovem, sem grande importância, convidado sabe-se lá por quê", afirmou ele durante a visita ao Centro "Ad Gentes", onde bispos e especialistas se reuniram. "Eu estava na companhia de tantos grandes teólogos", disse o papa, recordando, dentre outros, o geral dos verbitas da época, padre Johannes Schütte, "que havia sido condenado na China e expulso, mas estava cheio de zelo missionário", e o teólogo dominicano posteriormente nomeado cardeal por João Paulo II, padre Yves Congar.

Depois de ter chegado à casa dos missionários verbitas pouco depois das 11h30 e ter entrado entre os aplausos com o apoio habitual da bengala de passeio, o papa se deteve alguns minutos em oração e depois dirigiu aos missionários um breve discurso. Bento XVI disse estar "grato" por "rever esta casa depois 47 anos", ligada a "talvez a mais bela recordação de todo o Concílio".

Ratzinger – perito do Concílio – lembrou que na época morava no Colégio da Alma, em Roma, que também era "bonito", mas havia "todo aquele barulho", "mas estar aqui no verde e ter esse respiro da natureza, esse frescor do ar já era em si mesmo uma coisa bela. E além disso – acrescentou Ratzinger a propósito da estada para redefinir o decreto conciliar Ad Gentes – na companhia de tantos grandes teólogos e com a importante tarefa de preparar o decreto sobre a missão. Lembro-me que o geral daquele tempo estava cheio de dinamismo missionário para dar um novo impulso ao espírito missionário, e tinha eu – disse Ratzinger – que era um teólogo sem grande importância, convidado sabe-se lá por quê, mas para mim foi um grande dom".

O papa concluiu a visita com um passeio com os superiores dos verbitas, que também incluiu uma parada no lago de Nemi. O papa recordou que, na época do Concílio, o secretário do cardeal alemão Frings, padre conciliar, "atravessou todo o lago a nado". O papa também visitou o parque do Centro, onde ele gostava de passear naquele período de 47 anos atrás, e lembrou que um outro sacerdote alemão também nadava no lago de Nemi.

Aos superiores dos verbitas, ele também perguntou se há vocações na Alemanha. "Quase nada", foi a desconfortável resposta. Mas os 150 delegados do Capítulo Geral mostraram ao papa o rosto de uma Igreja formada por homens de nações e etnias muito diferentes. "Eu vejo – comentou o Papa Ratzinger – que a Sociedade do Verbo Divino floresce em muitas nações. A Igreja só vive se houver a alegria do Evangelho, se se fizer a experiência do bem que vem de Deus", isto é, se agirem "as mesmas forças inspiradoras do Espírito Santo que nos acompanhou naqueles dias do Concílio quase visivelmente", concluiu.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

''Eu era um jovem teólogo sem importância'' - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV