Brasil não deve ter nova usina nuclear até 2021

Revista ihu on-line

Bioética e o contexto hermenêutico da Biopolítica

Edição: 513

Leia mais

Revolução Pernambucana. Semeadura de um Brasil independente, republicano e tolerante

Edição: 512

Leia mais

Francisco Suárez e a transição da escolástica para a modernidade

Edição: 511

Leia mais

Mais Lidos

  • Mantido o ritmo atual, Brasil levará 200 anos para levar ensino médio a todos os jovens, mostra pesquisa

    LER MAIS
  • Um em cada cinco bebês que nascem no Brasil é filho de mãe adolescente

    LER MAIS
  • Para fiscal, só falta dizer que é preciso ter correntes para definir trabalho escravo

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU

close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

09 Maio 2012

O Brasil não prevê novas usinas nucleares até 2021, anunciou ontem o secretário executivo do Ministério de Minas e Energia, Márcio Zimmermann. Segundo ele, no plano decenal que compreenderá o período encerrado naquele ano não está prevista nenhuma outra central além de Angra 3, em fase de construção em Angra dos Reis, município no litoral sul do Estado do Rio.

"As informações que tenho tido é que o plano de 2021 não vai considerar (novos projetos nucleares). Vamos esperar para ver os outros (planos)", declarou Zimmermann após participar do 9.º Encontro Nacional do Setor Elétrico (Enase).

A reportagem é de Glauber Gonçalves e Sérgio Torres e publicada pelo jornal O Estado de S. Paulo, 09-05-2012.

Já no plano que considera o horizonte até 2030, o governo prevê espaço para a construção de quatro a oito centrais nucleares. Para sair do papel, uma usina leva, em média, seis anos a partir do início da construção. Mas, segundo Zimmermann, antes de o governo tomar a decisão de construí-la, é necessário mais tempo para a discussão do projeto.

"O novo programa nuclear implica em outra discussão, como o tipo de central que vamos usar, qual será a tecnologia", afirmou.

Ele comentou que, depois do acidente ocorrido na usina japonesa de Fukushima, no ano passado, aumentou a preocupação do setor com a questão da segurança, o que tornou mais complexo o processo de implantação de novas plantas nucleares.

Atraso

Os reflexos do desastre ocorrido no Japão foram sentidos no programa nuclear brasileiro. No começo do ano, o assistente da presidência da Eletronuclear, Leonam Guimarães, admitiu que o plano do governo para a construção de novas usinas atrasará em até 18 meses por causa do acidente de Fukushima.

Na ocasião, Guimarães lembrou que a tragédia, decorrente de terremoto e maremoto que devastaram a região da usina nuclear, ocorreu no momento em que o Brasil se preparava para levar adiante seu projeto nuclear. A coincidência criou um ambiente desfavorável perante a opinião pública.

Sobre as concessões de usinas hidrelétricas que vencerão a partir de 2015, Zimmermann afirmou que o governo ainda não decidiu se as colocará novamente em leilão ou se optará pela renovação dos contratos.

"Desde 2008, estamos estudando (a solução a ser adotada). Estamos dentro do prazo", disse o secretário executivo, sem revelar quando a decisão a respeito do assunto será tomada.

De acordo com Zimmermann, entre 2015 e 2017 expirarão as concessões de hidrelétricas responsáveis pela geração de 20 mil MW. Ele defendeu como prioritária a participação das hidrelétricas na matriz energética brasileira e como fator de desenvolvimento, apesar das críticas de alguns países. "Não imagine que você vá desenvolver a África instalando placas solares. Em países com nível mais baixo de desenvolvimento é preciso projetos estruturantes."

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Instituto Humanitas Unisinos - IHU - Brasil não deve ter nova usina nuclear até 2021