Aborto. Sofrimento da mãe não é justificativa, defende Igreja

Revista ihu on-line

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Mais Lidos

  • Os Arautos do Evangelho não reconhecem o Comissário do Vaticano, dom Raymundo Damasceno Assis

    LER MAIS
  • Pacto das Catacumbas pela Casa Comum. Por uma Igreja com rosto amazônico, pobre e servidora, profética e samaritana

    LER MAIS
  • A virada autoritária de Piñera. O fracasso de um governo incompetente e corrupto

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

09 Abril 2012

Principal crítica da liberação do aborto em caso de anencefalia, a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) argumenta que o feto, mesmo sem cérebro, é um ser humano vivo e por isso deve ser protegido pelo Estado. Em artigo publicado nessa semana no site da entidade, o cardeal Odilo Pedro Scherer, arcebispo de São Paulo, afirma que o sofrimento por que passa a mãe durante a gestação de um feto anencefálico não é justificativa para o aborto. Ao contrário, ele afirma que esse sofrimento poderia dignificar a vida da mãe.

A reportagem é de Felipe Recondo e publicada pelo jornal O Estado de S. Paulo, 08-04-2012.

Ao contrário do advogado Luís Roberto Barroso, que defende no Supremo Tribunal Federal (STF) a liberação da interrupção da gravidez nestes casos, a Igreja Católica argumenta que o feto é um ser humano vivo e por isso não poderia ter a vida interrompida por intervenção do homem.

"O anencéfalo, malgrado a sua condição, é um ser humano vivo. Por isso, ele merece todo o respeito devido a qualquer ser humano ainda mais por se tratar de um ser humano extremamente fragilizado", afirma Odilo Scherer. "A sociedade, por meio de suas instituições, deve tutelar o respeito pleno à sua frágil vida e à sua dignidade", argumenta.

No texto, o cardeal afirma ainda que usar como justificativa para o aborto o sofrimento por que passam as mães seria o mesmo que defender a morte de uma pessoa que causa sofrimento grave a outra.

Pesos diferentes

"Trata-se de um sofrimento circunscrito no tempo, que pode mesmo dignificar a mulher que o aceita (…), mas a vida de um bebê, uma vez suprimida, não pode ser recuperada", afirma. "Além do mais, o sofrimento da mãe e o respeito à vida e à dignidade do filho são duas realidades de grandezas e pesos muito diversos e não podem ser, simplesmente, colocados no mesmo nível."

Odilo Pedro Scherer classifica como "preconceituoso e fora de propósito" o argumento, que é usado no processo em julgamento no STF, de que a dignidade da mãe é afetada por ela não ter o direito de interromper a gravidez em caso de anencefalia.

"Tal argumentação pode suscitar ou aprofundar um preconceito cultural contra mulheres que geram um filho com alguma anomalia ou deficiência. Isso sim, seria uma verdadeira agressão à dignidade da mulher", afirma.

Na crítica que faz à liberação do aborto no caso de anencefalia, o arcebispo de São Paulo diz que, mesmo que o feto morra logo depois do parto, ele deve ser protegido.

"Não é belo, não é digno, não é ético, diante da vida humana frágil, fazer recurso à violência, ou valer-se do poder dos fortes e saudáveis para dar-lhe o fim, negando-lhe aquele pouco de vida que a natureza lhe concedeu", afirma. "Digno da condição humana, nesses casos, é desdobrar-se em cuidados e dar largas à solidariedade e à compaixão, para acolhê-la e tratá-la com cuidado, até que seu fim natural aconteça", conclui o arcebispo de São Paulo.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Aborto. Sofrimento da mãe não é justificativa, defende Igreja - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV