Lefebvrianos: a brecha positiva

Revista ihu on-line

Gauchismo - A tradição inventada e as disputas pela memória

Edição: 493

Leia mais

Financeirização, Crise Sistêmica e Políticas Públicas

Edição: 492

Leia mais

SUS por um fio. De sistema público e universal de saúde a simples negócio

Edição: 491

Leia mais

Mais Lidos

  • A Igreja precisa mudar a forma de escolher seus bispos

    LER MAIS
  • Após 11 anos, FMI ronda o Brasil a convite de Meirelles

    LER MAIS
  • Terceirização, uma solução de terceira para a economia

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU

close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

28 Março 2012

O padre Franz Schmidberger (foto), primeiro sucessor do arcebispo Marcel Lefebvre na liderança da Fraternidade São Pio X, hoje superior do distrito alemão, fez com que se lesse um comunicado em todas as missas celebradas pelos lefebvrianos no último domingo na Alemanha.

A nota é de Andrea Tornielli, publicada no blog Sacri Palazzi, 26-03-2012. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Schmidberger lembra que, no dia 16 de março passado, em Roma, o cardeal William Levada, prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé, entregou ao superior-geral da Fraternidade, o bispo Bernard Fellay, "uma carta com explicações em que se pede, como ultimato, que se expresse de modo mais positivo do que até agora sobre o preâmbulo doutrinal do dia 14 de setembro de 2011". O prazo final para resposta foi fixada para o dia 15 de abril de 2012.

"Embora a carta também se expresse com um tom desagradável – comenta Schmidberger a respeito da resposta de Roma –, há esperanças fundamentadas para uma solução satisfatória".

"Quando quer que ela se realize – conclui a nota –, todas as forças da tradição na Igreja serão notavelmente fortalecidas. Caso contrário, elas serão enfraquecidas e desencorajadas. Portanto, está em jogo, em primeiro lugar, não a nossa Fraternidade, mas sim o bem da Igreja".