Neutrino não seria mais rápido que a luz

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Basta de má informação nos chamados meios católicos de comunicação

    LER MAIS
  • “O conteúdo e o sentido do trabalho são exigências de justiça social”. Entrevista com Alain Supiot

    LER MAIS
  • “Vacinas para todos!” Declaração da Pontifícia Academia para a Vida sobre as vacinas contra a Covid-19

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


23 Fevereiro 2012

Os resultados de um experimento realizado no ano passado por um grupo internacional de cientistas que contradiziam uma das mais importantes e fundamentais regras da física moderna aparentemente estavam errados, afirmou ontem uma publicação no ScienceInsider, o blog da revista Science.

A informação é do jornal O Estado de S. Paulo, 23-02-2012.

Em setembro, pesquisadores trabalhando no projeto Opera da Organização Europeia para a Pesquisa Nuclear (Cern, na sigla em francês) anunciou ter observado que partículas fundamentais conhecidas como neutrinos haviam viajado a uma velocidade 60 nanossegundos mais rápida que a da luz. Isso contraria a teoria da relatividade especial, formulada por Albert Einstein em 1905, que postula que nada viaja mais rápido que 299.792.458 metros por segundo - a velocidade da luz.

O ceticismo com que o experimento foi recebido - apenas um mês após a descoberta, foi publicado o primeiro trabalho questionando a existência do neutrino mais rápido que a luz - agora ganha mais força do que nunca com a suspeita de que uma falha na conexão de um computador com um aparelho de GPS teria sido responsável pelo surpreendente resultado do experimento europeu.

De acordo com fontes familiares com o experimento, afirmou o blog da Science, a discrepância teria ocorrido por causa de um mau contato de um cabo de fibra ótica que liga um cartão eletrônico em um computador a um receptor de GPS, usado para corrigir a tomada de tempo do voo dos neutrinos.

Após testarem a medida de velocidade por meio desse equipamento, cientistas descobriram que os dados chegavam com uma antecedência também de 60 nanossegundos. Ou seja, isso explicaria o polêmico resultado anterior. Novos dados terão de confirmar essa hipótese.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Neutrino não seria mais rápido que a luz - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV