Abusos em debate no Vaticano: vítima denuncia ''morte do respeito'' pelos líderes da Igreja

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Propor vacinação só em março e alcançar no máximo 1/3 da população em 2021 é um crime

    LER MAIS
  • Papa Francisco desafia a esquerda católica

    LER MAIS
  • Papa Bergoglio: “A propriedade privada não é intocável, a justiça social é necessária”

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


09 Fevereiro 2012

Uma vítima irlandesa de abuso sexual disse claramente em uma cúpula realizada no Vaticano, na manhã desta terça-feira, 8 de fevereiro, que a sua experiência de ser ignorada e do seu sofrimento ser minimizado pelos líderes da Igreja causou "a morte final de qualquer respeito" que ela tivera uma vez pela autoridade eclesial.

A reportagem é de John L. Allen Jr., publicada no sítio National Catholic Reporter, 07-02-2012. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Marie Collins (foto) disse que deve haver "reconhecimento e responsabilização pelos danos e pela destruição que foram feitos à vida das vítimas e às suas famílias" antes que ela e outras vítimas possam recuperar a confiança nas lideranças da Igreja Católica.

Collins fez as declarações em uma cúpula de quatro dias sobre a crise dos abusos sexuais intitulada Rumo à cura e à renovação, que está sendo realizada na universidade jesuíta Gregoriana.

Em declarações à imprensa depois de sua fala, Collins manifestou a esperança de que o simpósio sugira que a Igreja está se movendo na direção certa.

"Estou muito esperançosa nesta conferência. Eu acho que o fato de ela estar ocorrendo aqui em Roma, com o apoio do Vaticano e do papa, é um sinal de que a Igreja está levando essa questão muito a sério e quer uma resposta global", disse.

"Eu acho que esta conferência é um sinal de mudança de mentalidade", disse Collins. "As pessoas estão tentando, muito a sério e sinceramente, ajeitar tudo isso".

Collins contou aos participantes que foi abusada aos 13 anos, logo após sua Confirmação, por um capelão de um hospital onde ela estava se recuperando de uma doença. Como uma católica profundamente fiel à época, disse ela, a experiência foi profundamente traumática.

"Aqueles dedos que abusavam do meu corpo na noite anterior estavam, na manhã seguinte, segurando e me oferecendo a hóstia sagrada", disse ela, explicando que a sua resposta inicial foi a de culpar a si mesma.

Aos 47 anos, disse, ela fez uma denúncia inicial da sua experiência a um pároco da Irlanda.

"Esse padre se recusou a guardar o nome do meu abusador e disse que não via necessidade em denunciar o capelão", afirmou. "Ele me disse que o que acontecera provavelmente era minha culpa. Essa resposta me despedaçou".

Collins disse que, depois, ela se dirigiu ao arcebispo de Dublin, naquele momento o cardeal Desmond Connell, sem melhores resultados.

"O padre que tinha me agredido sexualmente foi protegido da perseguição pelos seus superiores", afirmou. "Ele foi deixado durante meses em seu ministério paroquial que incluía a tutoria de crianças que se preparavam para a Confirmação. A segurança dessas crianças foi ignorada pelos seus superiores".

Mais tarde, o padre foi condenado, disse Collins, por atacar outra jovem. Connell, que renunciou em 2004, tem agora 85 anos.

"O arcebispo considerou o meu abuso 'histórico' e, por isso, achou que seria injusto manchar o 'bom nome' do sacerdote agora", disse Collins. "Já ouvi esse argumento de outras pessoas da liderança da Igreja Católica, e sempre há a cegueira perante o risco atual às crianças por causa desses homens".

Tomadas em conjunto, contou Collins, essas experiências produziram uma perda da fé – não em Deus, mas nas lideranças da Igreja.

"A morte final de qualquer respeito que possa ter sobrevivido em mim com relação aos meus líderes religiosos veio depois da condenação do meu agressor", disse. "Eu fiquei sabendo que a diocese tinha descoberto, poucos meses depois do meu abuso, que esse padre estava abusando de crianças no hospital, mas ela não fez nada a respeito, exceto movê-lo para uma nova paróquia".

Com relação ao futuro, ela disse que a responsabilização – não apenas o pedido de desculpas – é a chave para restaurar a confiança.

"Como faço para recuperar o meu respeito pelas lideranças da minha Igreja? Pedir desculpas pelas ações dos padres abusadores não é suficiente. Deve haver um reconhecimento e uma responsabilização pelos danos e pela destruição que foram feitos à vida das vítimas e às suas famílias pelos encobrimentos então deliberados e pelo maltrato diante dos casos por parte dos seus superiores antes que eu ou outras vítimas possamos encontrar a verdadeira paz e cura".

Sheila Hollins, psiquiatra e conselheira dos bispos ingleses, disse aos participantes que o ponto de vista de Collins é amplamente compartilhada entre as vítimas.

"Não ser acreditado ou, o que é pior, ser culpado pelo abuso aumenta enormemente o sofrimento emocional e mental causado pelo abuso sexual", disse Hollins.

"O fracasso de um abusador em admitir a sua culpa, ou o de seus superiores em tomar as medidas apropriadas, acresce ainda mais o dano".

Há 23 norte-americanos entre os participantes da cúpula, incluindo o bispo Daniel Conlon, de Joliet, Illinois, que preside a comissão dos bispos dos EUA para a Proteção da Criança e da Juventude.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Abusos em debate no Vaticano: vítima denuncia ''morte do respeito'' pelos líderes da Igreja - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV