Compartilhar Compartilhar
Aumentar / diminuir a letra Diminuir / Aumentar a letra

Notícias » Notícias

Os arquivos do terror guatemalteco são digitalizados

A Universidade do Texas lançou ontem o acesso em linha aos documentos digitalizados do Arquivo Histórico da Polícia Nacional da Guatemala (AHPN). Assim se permitirá o acesso universal aos registros sobre atrocidades cometidas por este organismo desde 1982. A atividade, programada na sede do AHPN na cidade da Guatemala, incluiu uma mensagem a cargo de Graciela Ramírez Monastério, irmã do sacerdote franciscano Frei Augusto Ramírez Monastério, em representação de familiares de vítimas e usuários do arquivo em linha. Ramírez Monastério foi assassinado pelas forças de segurança em novembro de 1983, após ter sido seqüestrado e torturado por agentes da PN, no marco de um conflito armado que cobrou pelo menos 250 mil vítimas durante 36 anos de confrontação que concluíram, em 1996, com a subscrição da paz. O arquivo digital foi inaugurado na Faculdade de Direito da Universidade do Texas, em Austin, no dia 2 de dezembro, durante a clausura da conferência "Políticas da Memória: o Arquivo Histórico da Polícia Nacional da Guatemala".

A informação é do jornal Página/12, 10-12-2011.

O arquivo digital, que está habilitado permanentemente, inclui uns 12 milhões de imagens digitalizadas de 80 milhões de fólios que cobrem a história da Polícia Nacional da Guatemala desde 1882 até 1996.

Desde a descoberta do acervo em 2005, o AHPN se converteu num recurso vital para investigações sobre violações aos direitos humanos ocorridas durante o conflito armado interno da Guatemala, entre 1960 e 1996. O arquivo digital proporciona acesso a documentos do AHPN àquelas pessoas que ainda buscam familiares e amigos desaparecidos, aos dedicados a estudar as instituições de segurança, inteligência e repressão do Estado, ao que desejem explorar o legado das intervenções dos Estados Unidos na Guatemala, ou a qualquer interessado em algum aspecto da história recente do país. Nos poucos dias desde seu lançamento, aos 2 de dezembro, o arquivo digital se constituiu numa importante fonte de consulta para os investigadores.

No total, o sítio já recebeu quase 1500 visitas, com mais de 20 mil páginas vistas. Os visitantes chegaram de 47 países do mundo, e quase 30 por cento de todas as consultas tem sido realizadas a partir da Guatemala.

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

Cadastre-se

Quero receber:


Refresh Captcha Repita o código acima:
 

Novos Comentários

"Caro Professor, o que falta para as escolas ensinarem a verdadeira história da escravidão e da con..." Em resposta a: O racismo e a sonegação da história afrodescendente no Rio Grande do Sul. Entrevista especial com Jorge Euzébio Assumpção
"Marina entrou na política, da mesma forma que entrou na Assembleia de Deus.Por uma questão simples..." Em resposta a: “Irmão vota em irmão”: a base do voto de Marina Silva
"Como nós seres humanos, precisamos renovar sempre nossos exemplos de liderança, estar sempre usand..." Em resposta a: Quatro lições de liderança do Papa Francisco, segundo o Wall Street Journal

Conecte-se com o IHU no Facebook

Siga-nos no Twitter

Escreva para o IHU

Adicione o IHU ao seus Favoritos e volte mais vezes