Os arquivos do terror guatemalteco são digitalizados

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Propor vacinação só em março e alcançar no máximo 1/3 da população em 2021 é um crime

    LER MAIS
  • Papa Francisco desafia a esquerda católica

    LER MAIS
  • O cálculo político de Ciro Gomes

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


12 Dezembro 2011

A Universidade do Texas lançou ontem o acesso em linha aos documentos digitalizados do Arquivo Histórico da Polícia Nacional da Guatemala (AHPN). Assim se permitirá o acesso universal aos registros sobre atrocidades cometidas por este organismo desde 1982. A atividade, programada na sede do AHPN na cidade da Guatemala, incluiu uma mensagem a cargo de Graciela Ramírez Monastério, irmã do sacerdote franciscano Frei Augusto Ramírez Monastério, em representação de familiares de vítimas e usuários do arquivo em linha. Ramírez Monastério foi assassinado pelas forças de segurança em novembro de 1983, após ter sido seqüestrado e torturado por agentes da PN, no marco de um conflito armado que cobrou pelo menos 250 mil vítimas durante 36 anos de confrontação que concluíram, em 1996, com a subscrição da paz. O arquivo digital foi inaugurado na Faculdade de Direito da Universidade do Texas, em Austin, no dia 2 de dezembro, durante a clausura da conferência "Políticas da Memória: o Arquivo Histórico da Polícia Nacional da Guatemala".

A informação é do jornal Página/12, 10-12-2011.

O arquivo digital, que está habilitado permanentemente, inclui uns 12 milhões de imagens digitalizadas de 80 milhões de fólios que cobrem a história da Polícia Nacional da Guatemala desde 1882 até 1996.

Desde a descoberta do acervo em 2005, o AHPN se converteu num recurso vital para investigações sobre violações aos direitos humanos ocorridas durante o conflito armado interno da Guatemala, entre 1960 e 1996. O arquivo digital proporciona acesso a documentos do AHPN àquelas pessoas que ainda buscam familiares e amigos desaparecidos, aos dedicados a estudar as instituições de segurança, inteligência e repressão do Estado, ao que desejem explorar o legado das intervenções dos Estados Unidos na Guatemala, ou a qualquer interessado em algum aspecto da história recente do país. Nos poucos dias desde seu lançamento, aos 2 de dezembro, o arquivo digital se constituiu numa importante fonte de consulta para os investigadores.

No total, o sítio já recebeu quase 1500 visitas, com mais de 20 mil páginas vistas. Os visitantes chegaram de 47 países do mundo, e quase 30 por cento de todas as consultas tem sido realizadas a partir da Guatemala.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Os arquivos do terror guatemalteco são digitalizados - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV